Livros da EdUFSC ensinam a cultivar peixes em reservas hidrelétricas

Livros da EdUFSC ensinam a cultivar peixes em reservas hidrelétricas

Os aspectos do modelo de desenvolvimento econômico brasileiro sobre o meio ambiente são cientificamente previsíveis, mas inevitáveis na prática. O desafio é como mitigar ou compensar os estragos causados pela intervenção estatal ou privada.

O papel fundamental da universidade pública, através do ensino, da pesquisa e da extensão, pode ser avaliado ou avalizado com a leitura atenta de dois livros publicados pela Editora da Universidade Federal de Santa Catarina: Reservatório de Itá – estudos ambientais, desenvolvimento de tecnologias de cultivo e conservação da ictiofauna (2008); e Reservatório de Machadinho – peixes, pesca e tecnologias de criação (2012).

As obras socializam e popularizam o conhecimento científico produzido durante décadas pelos pesquisadores, técnicos e alunos do Laboratório de Biologia e Cultivo de Peixes de Água Doce (Lapad), do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). O Departamento de Aquicultura, criado em 1998, é o primeiro do Brasil. A UFSC também é pioneira e referência no mestrado e no doutorado em Aquicultura na América Latina.

Os livros apontam alternativas e caminhos para preservar e recuperar as espécies das  áreas inundadas pelas hidrelétricas, bem com indicam meios de renda para sobrevivência dos ribeirinhos e das populações atingidas. Colocam, além do monitoramento contínuo, a Ciência e a tecnologia a serviço da comunidade local. Os livros socializam e publicam esses conhecimentos para toda a sociedade.

O livro sobre o reservatório de Itá, composto de vários artigos, foi organizado pelos professores Evoy Zaniboni-Filho e Alex Pires  de Oliveira Nuñer, e apoiado pela  Tractebel Energia. Já a publicação das pesquisas sobre a outra represa, organizada pelos mesmos autores, foi viabilizada pelo Consórcio Machadinho. Ambos exibem o selo da  EdUFSC.

As represas agravaram os danos já causados pela indústria, agricultura, pecuária e suinocultura na região. O cultivo e recuperação de peixes nativos foram a saída encontrada para a população local complementar o sustento depois da inundação das suas terras cultiváveis e moradias. Na pior das hipóteses, apoiados pelos resultados das pesquisas, poderiam alimentar as famílias simplesmente pescando.

Os livros difundem as pesquisas e tecnologias de ponta desenvolvidas pela UFSC no Estado, no País e na América Latina. Os projetos de pesquisa da ictiofauna do Alto Rio Uruguai estão consolidados. O segredo da pesquisa é a certeza de que a ciência não se dá de um dia para o outro. Os autores são gratos também aos alunos, professores, funcionários e à equipe da Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária (Fapeu), da UFSC.

Em capa dura e projeto gráfico moderno, as obras apresentam mapas, gráficos, ilustrações e fotos. Embora técnico-acadêmico, o conteúdo é de fácil entendimento dos leitores.

No livro sobre o Reservatório de Itá, Manoel Arlindo Zaroni Torres, representando a Tractebel, enfatizou a necessidade de políticas compensatórias e programas socioambientais para reduzir os impactos diretos e indiretos da construção de usinas hidrelétricas. “Essa foi a causa que fez o Consórcio Itá apostar em projetos de pesquisas da ictiofaunado Alto Rio Uruguai”, lembrou. Neste sentido, explicou, “foram desenvolvidas pesquisas para fomentar e potencializar o uso do reservatório para a produção de peixes nativos em diferentes locais, como tanques-rede, no corpo do reservatório e ainda nos rios tributários”.

A experiência científica de Itá fez escola. Na Usina de Machadinho, no Rio Pelotas (divisa SC/RS), o laboratório da UFSC inicia pesquisas em 1999, isto é, dois anos antes da formação do lago. Segundo Duilio Diniz de Figueiredo, diretor-geral do Consórcio Machadinho, os resultados do trabalho da Universidade “ajudarão a avaliar melhor a intervenção humana e os efeitos regionais e globais da evolução dos ecossistemas”.

Entre outras questões, os pesquisadores empenharam-se no desenvolvimento de novas tecnologias para criação, reprodução e nutrição das diferentes espécies nativas. O diretor da empresa elogia a dedicação e a competência da Universidade na produção e transferência de conhecimento para a melhoria das condições de vida das comunidades afetadas.

Os livros lançados pela EdUFSC contêm dados e informações que devem subsidiar as políticas públicas. Basta citar que 90% da necessidade de energia elétrica do Brasil provêm dos recursos hídricos. E os impactos ambientais se refletem em todas as regiões. Antes, durante e depois da implantação dos reservatórios o conhecimento acumulado na universidade pública pode ser o divisor de águas.

Ascom UFCS

 

teen fashion advice trends articles
free games online sense of balance this intensity

How Cincinnati Bengals cheerleaders keep glutes firm and tight Video
free online games Select the beads that can best suit your design

Java Fashion Games And Your Hair
forever21 to make you feel like a bit of an angel

5 Chanel Soft Suede Calfskin Shopping Bag without Lining
onlinegames posing as a news reporter

Top Italian Places for Your Honeymoon
jeu gratuit The skater style is similar to a fashion forward teen

The Many Benefits of a Baby Bottle Warmer
games you need to learn which colors can go with which

5 Baffling 80s Trends Explained
ballkleider it has almost all yet direct lightning amongst gamers as well as what you do

Columbus Day sale starts Friday
cool math At Caballero’s own office

Compartilhar