Locais de prova do Enem podem ser alterados

Locais de prova do Enem podem ser alterados

Estudantes reclamam que precisarão se deslocar, em alguns casos, até 250 quilômetros de suas casas para fazer o teste

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) está estudando a possibilidade de alterar os locais das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), marcadas para os dias 3 e 4 de outubro. Estudantes estão reclamando da distância de suas casas até o endereço do teste — há casos em que o trajeto chega a 250 quilômetros. Além de contabilizar prejuízos financeiros com transporte, hospedagem e alimentação, a incerteza do local da prova eleva ainda mais a tensão pré-vestibular dos candidatos, que já cogitam a hipótese de processar a União.

Enquanto isso, a estudante Mônica Issa Távora, de 21 anos, que mora em São Francisco, Niterói, não sabe como agir.

Ela foi escalada para fazer a prova em Nova Friburgo, na Região Serrana — a 150 quilômetros de sua casa —, e não tem condições financeiras de pagar hospedagem e transporte: — Quando recebi uma mensagem por celular informando o local da prova, achei que fosse trote! Paguei R$ 97 para fazer a prova do Enem porque vai valer como vestibular da UniRio. Se não trocarem o endereço, vou perder a prova e ver se posso entrar com um processo.

Moradora da Tijuca, a estudante Yasmin Coutinho Oliveira, de 18 anos, foi deslocada para Volta Redonda, no Sul Fluminense.

O percurso, de cerca de 130 quilômetros, será ainda mais extenso: a escola fica em Retiro, no interior da cidade, e ela terá de descer na rodoviária e pegar outro ônibus, que só sai de hora em hora.

— Ano passado, meu nome saiu errado. Por isso tive o cuidado de conferir bem agora.

Ainda estou estudando e não sei como vou fazer a prova, nem em quais condições psicológicas.

Se trocarem o local da prova, meu medo é acabarem não colocando meu nome em lugar nenhum — reclama.

O Globo, 28/09

Compartilhar