Matrículas aumentam 158 vezes em uma década

Matrículas aumentam 158 vezes em uma década

O número de alunos matriculados na modalidade ensino a distância (EAD) nos cursos de graduação, credenciados no Ministério da Educação (MEC), foi multiplicado em 158 vezes em uma década. Passou de 5.287 matrículas, no ano 2000, para 838.125 estudantes em 2009, último número divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia vinculada ao MEC.

O curso é considerado a distância quando mais de 20% da carga horária ocorre sem a presença do professor no mesmo espaço físico do aluno. Até 2009, havia 211 instituições credenciadas para oferta de EAD.

Cerca de 70 instituições, entre públicas e privadas, ministravam graduação a distância. Outras 29 instituições ofereciam graduação tecnológica a distância, e 68 instituições apresentavam pós-graduação ou especialização online, segundo o último CensoEAD.BR, de 2008, divulgado pela Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED).

Em 2009, quando o Grupo Ibmec iniciou o ensino a distância, havia 63 alunos. Hoje, são 3.200 estudantes. “Nossa expectativa para 2012 é o aumento de 40% no número de alunos”, afirma a gestora de ensino a distância do Grupo Ibmec, Patrícia Alberton.

Atualmente, os cursos a distância mais procurados no Grupo Ibmec são: o MBA de gestão em negócios e, depois, gestão em finanças. “Trabalhamos para a abertura da primeira graduação a distância em 2012. Será uma graduação tecnológica voltada para gestão de negócios, com duração em torno de 30 meses”, diz Patrícia Alberton.

A principal característica dos alunos dos cursos a distância é a maturidade. São profissionais na faixa dos 30 anos, classes A e B, já no mercado de trabalho, buscando aperfeiçoamento.

Desde 2007, a Fundação Getúlio Vargas (FGV), com unidades no Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília, oferece cursos de curta e longa duração a distância. Naquele ano, a FGV somava 17 mil alunos a distância. Em junho de 2011, o número aumentou para 70 mil alunos ativos.

A instituição também apresenta 12 MBAs a distância, nas áreas de administração, finanças e gerenciamento de projetos, diz o diretor da FGV Online, Stavros Xanthopoylos. “Estamos aguardando a aprovação do MEC para seis cursos de graduação a distância, com início previsto em 2012”, afirma.

A FGV oferece, desde 2008, o Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. Quando finalizados os seis blocos semestrais (1.800 horas totais da graduação), o aluno recebe o diploma de Tecnólogo em Processos Gerenciais. Em 2010, o curso foi eleito pela Associação Brasileira dos Estudantes de EAD (ABE-EAD), pelo segundo ano consecutivo, como a melhor graduação a distância do país. Também é a única graduação a distância a ter a certificação internacional EFMD/CEL (European Foundation for Management Development), voltada a programas baseados no uso intensivo de tecnologias educacionais.

O Insper utiliza o ensino a distância como um módulo do MBA. Por enquanto, não há um curso completo a distância. Do total de 610 horas do MBA, 96 horas do módulo correspondem à educação online. Segundo a gerente de Tecnologias de Aprendizagem Interativa do Insper, Márcia Deotto, 800 alunos passaram pelo módulo a distância – chamado Fundamentos de Negócios Online – em 2010. O módulo envolve matemática aplicada, métodos de estatística, contabilidade financeira e matemática financeira.

Do total dos 800 alunos, a taxa de reprovação foi de 6%. “O percentual baixo é resultado do nosso acompanhamento constante ao aluno. Usamos muitos recursos de interação, com conteúdo apresentado de forma gradativa por meio de situações práticas, exercícios e avaliação semanal do estudante à distância”, afirma Márcia Deotto.

Na Faculdade Anhembi Morumbi, que adquiriu a Business School São Paulo em 2011, 85% do dos cursos a distância estão na área de negócios. Em 2010, a instituição tinha 1,5 mil alunos de pós- graduação a distância, diz a diretora de educação a distância, Cristiane Alperstedt.

Apesar de as matrículas no EAD aumentarem 158 vezes em uma década, a demanda pela graduação e pós-graduação online não provocou mudança nos valores cobrados. No Grupo Ibmec, enquanto um MBA presencial custa em torno de R$ 27 mil, o mesmo MBA a distância ficará, em média, R$ 16 mil. Na Fundação Getúlio Vargas, os cursos a distância também apresentam custos menores, 20% a 40 % mais baratos do que os presenciais. A Faculdade Anhembi Morumbi tem pós-graduação online, em média, 50% mais barata do que o presencial.

Compartilhar