MEC quer participação das universidades no Enem

MEC quer participação das universidades no Enem

Edital vai reunir contribuição de especialistas de instituições de ensino superior na elaboração de banco de questões para o exame

O Ministério da Educação quer a participação das universidades na elaboração das questões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Em reunião com reitores das universidades federais nesta quinta-feira, 24 de fevereiro, a presidente do Instituto Nacional de Estudo e Pesquisas Educacionais (Inep), Malvina Tuttman, anunciou o lançamento de um edital para reunir especialistas que contribuam com a construção de um banco de questões para as futuras edições da prova.

Hoje, o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) – que usa a nota do Enem como única fase do processo seletivo de candidatos ao ensino superior público – é usado por 83 instituições, num total de 83.125 vagas. Apesar das polêmicas que envolveram falhas e vazamento de informações em edições passadas do exame, Malvina reforça a importância de expandir a prova. “O Enem foi usado nos últimos dois anos como projeto piloto, ao avaliarmos o impacto, ao montarmos uma proposta de ampliação”.

O edital, que deve ser lançado em breve, faz parte do plano do governo federal para a reformulação no Enem, que pode incluir duas provas por ano. Malvina reforçou que, apesar das polêmicas, os números mostram o crescimento do exame na educação brasileira. “O número de candidatos, 4 milhões na última edição, e de instituições que aderiram ao exame de forma única ou parcial ampliou”, destaca. “Nesse sentido, a credibilidade da prova não foi afetada”.

O vice-presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), professor João Luiz Martins, elogiou a iniciativa do Inep de buscar a aproximação com as universidades. “Hoje o Enem é uma ferramenta importante no sistema federal para ampliar ao acesso ao ensino superior”, disse. “Envolver as universidades na elaboração pode qualificar o teste e abrir portas para outras parcerias”, completou o reitor da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).

NOTAS PÚBLICAS – Além do debate sobre o Enem, os reitores anunciaram a publicação de duas notas da Andifes durante a reunião desta quinta-feira. Uma sobre o orçamento das universidades em 2011 e outra sobre a criação da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh). “Há preocupações sobre possíveis cortes no financiamento e a contratação de professores substitutos para o Reuni”, contou o reitor em exercício da Universidade de Brasília, professor João Batista de Sousa.

A Andifes também quer mais esclarecimentos sobre a MP 520/10, que cria a Ebserh. Segundo dirigentes da entidade, que ainda não construiu consenso sobre a criação da empresa, faltam detalhes a respeito da questão da autonomia das universidades sobre os hospitais, o financiamento e o destino dos atuais funcionários das unidades, caso a criação seja aprovada no Congresso. “Não abrimos mão da autonomia sobre a administração dos hospitais”, afirmou o presidente da Associação, Edward Madureira.

Compartilhar