Ministério propõe ampliação na faixa etária de doadores de sangue

Ministério propõe ampliação na faixa etária de doadores de sangue

Documento em consulta pública até 2 de agosto prevê inclusão de voluntários jovens e idosos. Medida busca aumentar doações de sangue no país

Até o dia 2 de agosto está disponível no site do Ministério da Saúde um documento para consulta pública que busca aumentar o número de doadores de sangue no país. O novo regulamento inclui jovens de 16 e 17 anos, com autorização dos pais, e idosos de 65 a 68 anos no grupo de possíveis doadores de sangue. O texto da proposta está na internet desde junho e deve receber sugestões de brasileiros.

No Banco de Sangue do Hospital Universitário da UFSC os funcionários incentivam os doadores a participarem da consulta pública. Após a coleta sanguínea, pretende-se que o voluntário acesse o site do Ministério da Saúde e opine sobre a ampliação da faixa etária que pode doar sangue. A doutora Vera Lúcia Ferreira, hemoterapeuta do local, acredita que a inclusão dos novos doadores irá aumentar as doações no local. “O foco de nossas atividades é no campus universitário, mas muitos estudantes que começam a faculdade ainda não são maiores de idade”.

A mudança na faixa etária proposta no Brasil já é realidade em países da Europa e nos Estados Unidos. Esses países aprovam a doação de sangue por jovens a partir de 16 anos e comprovam a segurança da prática através de estudos internacionais. “Especialistas do Ministério da Saúde entendiam que o doador deveria ser responsável pelo seu sangue e, por isso, atingir a maioridade para a doação”, acredita Vera. Como as normas da política de sangue são baseadas nas internacionais, e no exterior os critérios de idade mudaram, a ação começou a ser discutida no Brasil.

Claudia Xavier de Souza é estudante da UFSC e é a favor da iniciativa proposta pelo Ministério da Saúde. “Sempre quis doar sangue. Esse era um dos motivos pelos quais quis completar logo 18 anos”, conta a catarinense. Assim que atingiu a maioridade, Claudia passou a frequentar um centro de coleta de sangue de quatro em quatro meses, tempo exigido para mulheres entre uma doação e outra. Se naquela época pudesse ser voluntária com 16 anos, ela confirma sem hesitar que o faria. “Caso a pessoa for saudável, o que fica comprovado pelos testes feitos para a doação, não há razão para não ajudar”.

De acordo com o Ministério da Saúde, os novos critérios de idade incentivam cerca de 13,9 milhões de brasileiros que antes não podiam doar sangue. A hemoterapeuta do Banco de Sangue do HU conta que já está se criando uma cultura de doação voluntária de sangue no país e que os jovens fazem parte disso. “Eles são bem receptivos quando temos períodos de pouca doação de sangue”.

O processo de coleta sanguínea continua o mesmo se as mudanças no Regulamento Técnico de Procedimentos Hemoterápicos forem aceitas. Os voluntários precisam ter, no mínimo, 50 quilos, boa alimentação e preencher um formulário com perguntas relacionadas à saúde.

Para participar da consulta pública, as pessoas devem realizar um cadastro com seus dados pessoais no site do Ministério da Saúde, selecionar o documento sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Hemoterápicos e fazer seu comentário sobre a mudança da faixa etária na doação de sangue, explicado no artigo 30, parágrafo 2º do documento.

Os interessados em contribuir com a consulta pública podem acessar o site do Hospital Universitário, em que os funcionários do Banco de Sangue explicam como participar do documento aberto ao público. O passo a passo pode ser acessado através do endereço www.hu.ufsc.br/index.php/component/content/article/56-ajude-a-salvar-vidas.

O site oficial da ferramenta de consulta pública do Sistema Único de Saúde é o http://200.214.130.94/consultapublica/index.php.

Mais informações, através do telefone 3721-9114, com a doutora Vera Lúcia Ferreira.

Compartilhar