Nova prova do Enem vai custar R$ 31,9 mi; valor é publicado no “Diário Oficial”

Nova prova do Enem vai custar R$ 31,9 mi; valor é publicado no “Diário Oficial”

A nova prova do Enem, adiada para os dias 5 e 6 de dezembro, após denúncia de fraude, vai custar R$ 31,9 milhões ao MEC (Ministério da Educação). As informações sobre o contrato fechado com a gráfica RR Donnelley Moore foram publicadas no "Diário Oficial da União" na quarta-feira (14).

De acordo com a publicação, a empresa contratada ficará responsável pela impressão, manuseio, embalagem, rotulagem e entrega das provas para os Correios. A contratação da empresa aconteceu sem licitação. O texto afirma que o Inep "pesquisou o mercado em busca de gráficas com a certificação, necessária que pudesse executar integralmente o objeto".

O texto publicado no "Diário Oficial" não traz detalhes sobre a distribuição da prova. O governo já tinha informado que vai usar "toda a estrutura" da inteligência da PF (Polícia Federal) para acompanhar a aplicação das provas. Já a Força Nacional de Segurança será usada para "dar segurança na distribuição" das provas.

Reformulado neste ano, o Enem será a única forma de seleção em parte das 55 universidades federais. O exame é usado por federais também para substituir a primeira fase do vestibular, para compor a nota e nas vagas que sobrarem.

Devido ao adiamento, universidades como a USP e a Unicamp decidiram não utilizar a nota do Enem em seu vestibular. Já outras instituições decidiram alterar seus calendários que tinham as datas dos vestibulares no mesmo dia da prova do Enem.

Após a fraude, o Ministério da Educação rompeu o contrato com o consórcio Connasel, responsável pela aplicação do exame. A empresa, porém, nega falhas na segurança. Cinco pessoas foram indiciadas pelo crime, entre eles estão Felipe Pradella, Felipe Ribeiro e Marcelo Sena –funcionários da Cetro, uma das três empresas que compõem o consórcio.

A licitação foi fechada em R$ 116 milhões, e, segundo o ministério, já haviam sido pagos R$ 35 milhões. Uma parceria entre a Cesgranrio e a Cesp deve ficar responsável pela aplicação das novas provas, nos dias 5 e 6 de dezembro.

Nesta quarta-feira (14), o ministro da Educação, Fernando Haddad, participou de reuniões na Câmara dos Deputados e no Senado Federal para esclarecer aos parlamentares a fraude no Enem.
 

Folha Online, 15/10

Compartilhar