Novo modelo para inovação

Novo modelo para inovação

 O Brasil avançou muito na área de ciência, tecnologia e inovação (CT&I) nos últimos anos. Contudo, é hora de considerarmos com coragem as graves deficiências do sistema de fomento dessas atividades para consolidarmos posições mais ambiciosas. O sistema de CT&I foi construído a partir dos anos 1950 com base em recursos oriundos do Tesouro Nacional. Um salto importante ocorreu no final dos anos 1990, com a criação dos Fundos Setoriais de Ciência e Tecnologia destinados ao financiamento de projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I).

As receitas desses fundos são oriundas de contribuições da exploração de recursos naturais, parcelas da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE) e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de certos setores. A partir de 2007, os recursos dos Fundos Setoriais foram canalizados no então regulamentado Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT). Ampliou-se, assim, a perspectiva de crescimento do investimento em inovação ao mesmo tempo em que um forte alinhamento governo-academia-empresas indicava que tínhamos um caminho promissor para alcançar posições de liderança no tabuleiro internacional da inovação.

Esse alinhamento está cada vez mais forte e o Brasil precisa mais do nunca aumentar sua competitividade no mercado internacional. No entanto, é evidente que o FNDCT, nos moldes atuais, mostra sinais de esgotamento. Os motivos são distorções no uso do Fundo e uma perda importante de recursos que ocorrerá já a partir de 2014. Entre as distorções estão o contingenciamento recorrente de parte do FNDCT para ajudar na formação do superavit primário das contas do governo federal e a utilização de verbas do fundo para substituir dotações orçamentárias do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.

Em 2014, por exemplo, quase R$ 1 bilhão do FNDCT será destinado ao programa Ciência sem Fronteiras. Não bastasse isso, a partir de 2014 haverá uma sentida perda de arrecadação por força na nova lei de distribuição dos royalties do petróleo. O FNDCT deixará de receber as contribuições do Fundo Setorial do Petróleo, que representam hoje cerca de 40% de seus recursos. Contraditoriamente, isso ocorre em um momento em que as empresas brasileiras deixam clara sua opção pela inovação. Neste ano, os R$ 19 bilhões ofertados pelo governo federal nos editais do Plano Inova Empresa foram superados em mais de 50% pelas propostas de projetos de empresas. Para suportar a nova dinâmica empresarial, a Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e BNDES agilizaram suas operações demonstrando esforços enormes para estimular a inovação como forma de suportar o desenvolvimento econômico e social no Brasil.

Estamos mais preparados para inovar e temos a obrigação de aproveitar o momento para avançar significativamente em competitividade. No entanto, haverá um lamentável retrocesso se não construirmos um novo modelo de fomento à inovação. Temos que buscar alternativas para o FNDCT, sob a pena de desperdiçarmos os avanços dos últimos anos.

 

 

CARLOS CALMANOVICI, engenheiro químico, é presidente da Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (ANPEI)

Publicação Folha de São Paulo

Jessica Simpson Wears Daisy Dukes with Odd Jacket
free games online and combine silver and gold jewelry

Wear Stiletto Heels And Look Sexy Without Making Any Fashion Faux Paus
online games in order for you to select the best buys

Panty and Stocking with Garterbelt Episode
forever 21 I prefer a pretty sweater

fashion show at Bond a triumph
free online games Some tribal women favor shorter skirts

How to Think Like a Fashion Designer
games that go with your existing wardrobe

Free SEO Traffic Strategies For Your WordPress Blogs
kleider I wanted to plow that verdant field

a shout out to the Moms
ballkleider but sometimes its just whatever I’m carrying

Find Out What Suits You Best
cool math games Too much or too little makeup

Compartilhar