Novo reitor pro tempore da Unila toma posse em Brasília

Tomou posse nesta terça-feira, 04 de julho, o novo reitor pro tempore da Unila, professor Gustavo Oliveira Vieira, docente do quadro próprio da Instituição. Vieira é formado em Direito e possui mestrado e doutorado na área, com ênfase em Direito Internacional, atuando principalmente com os temas Direitos Humanos e Direito Internacional Humanitário. Ele ingressou no quadro de docentes da Universidade em 2014, no Instituto Latino-Americano de Economia, Sociedade e Política (ILAESP). Antes da UNILA, foi professor da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), onde também atuou na gestão, na área de Relações Internacionais.

Foto: Rafael Carvalho/MEC

Na Unila, Vieira é coordenador do Grupo de Estudos para a Paz e da Cátedra de Estudos para a Paz, realizada pelo Instituto Mercosul de Estudos Avançados (IMEA), com o objetivo de promover a discussão da temática da construção da paz e transformação dos conflitos internacionais, além de pautar os estudos para a paz nas pesquisas sobre América Latina. É, também, autor e organizador de alguns livros e artigos relacionados a Direitos Humanos, Constitucionalismo e Desarmamento Humanitário. Em 2016, na Feira do Livro de Foz do Iguaçu, lançou o livro “A formação do estado democrático de direito: o constitucionalismo na emergência da sociedade civil”.

Esta é a terceira mudança na Reitoria em sete anos de atividades. Vieira substitui os professores Josué Modesto dos Passos Subrinho, que deixou a Reitoria em janeiro, e Nielsen de Paula Pires, que era vice-reitor desde 2013 e estava à frente da Instituição nos últimos quatro meses.

Futuro

“O desafio da Unila, a nosso ver, é conciliar uma instituição federal, genuinamente latino-americana, de grande visibilidade, nacional e internacional, com resultados condizentes, com estrutura física que viabilize sua autonomia e capacidade de realização compatível com as expectativas até hoje criadas”, diz o novo reitor. “O potencial da Unila pode ser bem mais valorizado e explorado tanto pelo MEC quanto pelo Ministério das Relações Exteriores, Ministério da Saúde, entre outros, à medida que se ajustem a condição local e a nossa conexão com o município de Foz do Iguaçu e região trinacional”, completa.

Segundo Gustavo Vieira, o espaço que a UNILA ocupa e o modelo referencial da Universidade devem ser vistos como projetos de Estado e não como de Governo. Além disso, é preciso conectar melhor a UNILA à Foz do Iguaçu, tanto à prefeitura quanto à comunidade, criando novos vínculos com a cidade. Nesse contexto, segundo Vieira, Foz do Iguaçu tem muito que se beneficiar com a diversidade que a UNILA tem a oferecer, expandindo também para o Brasil e toda a América Latina.

Ascom/Andifes, com informações da Unila.

Compartilhe: