O ensino superior num país comunista

O ensino superior num país comunista

Imagine um país comunista onde o ensino superior é público, mas não é gratuito. Nas melhores universidades chinesas, o aluno paga uma taxa anual que pode variar entre 5.000 a 6.000 iuans. Além disso, se quiser morar em um dos alojamentos estudantis, deverá desembolsar 1.000 iuans por ano, aproximadamente.

Tendo em conta os quatros anos do curso, o aluno arcará com uma despesa total de 24 mil iuans –em torno de R$ 8.600 (o que corresponderia a uma mensalidade de R$ 180). Para tanto, muitos alunos pedem empréstimos aos bancos que só terão que pagar, e sem juros, após dois anos de formados. Em casos excepcionais, poderão cursar gratuitamente. A excepcionalidade foi concedida, por exemplo, às famílias da província de Sichuan afetadas por terremotos.

As taxas anuais não afastam os jovens da universidade. Mais de 9 milhões de estudantes chineses prestam o vestibular –o famoso “gaokao”. É um momento crucial na vida deles. Obter uma nota alta é o passaporte para ingressar nas melhores universidades. Do contrário, restará a opção de ingressar nas instituições privadas, que cobram valores mais altos e não possuem a mesma reputação.

Os alunos do ensino médio que tiverem rendimento excepcional podem ser dispensados do “gaokao” e conduzidos diretamente para as melhores instituições. Mérito deles. Já os mais abastados têm optado, cada vez mais, pelas universidades estrangeiras. Os Estados Unidos estão no topo da lista da preferência. Formar-se em uma instituição estadunidense dá uma vantagem competitiva ao aluno na China.

No fluxo inverso, há muitos alunos de outros países indo para a China estudar e conhecer o país. E a China está preparada para tanto. Tive a oportunidade de conhecer várias universidades chinesas: os campi são planejados para acolher todos os alunos, sem exceção. O que não falta é dormitório, restaurantes, lojas de conveniência, complexo esportivo e, sobretudo, bibliotecas adequadas e muito bem frequentadas.

As preocupações cotidianas dos professores e alunos são muito parecidas com as que encontramos em qualquer lugar do mundo. E algumas se repetem há centenas de anos. Em Nanjing, visitei um templo confucionista que era destinado à preparação dos candidatos aos cargos do império. Para minha surpresa, exibiam fotos antigas dos métodos de “cola” usados na época. Mais recentemente, uma pesquisa revelou que mais de 80% dos estudantes universitários em Xangai afirmaram que se distraíam durante as aulas usando celulares para navegar on-line. Mais de 40% deles alegaram que o faziam porque os cursos que eram chatos.

Os problemas podem ser comuns, mas o modo de enfrentá-los varia em cada país. A China, em matéria de educação, está buscando o seu caminho tendo em conta a sua história, sua realidade e seu objetivo como nação. O país é um bom exemplo a ser observado.

EVANDRO MENEZES DE CARVALHO, doutor em direito internacional pela USP, é professor da Fundação Getulio Vargas (FGV) no Rio de Janeiro

 Folha de São Paulo

Esquire gives intern a makeover
free online games anti pill finish delivers extra durability

Top 6 Shoe Styles To Wear With You On Your Florida Vacation
cheap flights Clothing stores for someone going to the States

A Sign of Inner Beauty
forever 21 How To Accessorize a Black Dress

Eight Ways to Add Some Diverse Exports to Your Portfolio
free online games DSW and Dillard’s

Kooba handbags are geared towards women of all ages
jeux Trends may come and go

Current Fashion Trend of Eyeglasses
kleider so is the 1981 version with Jessica Lange

Stan Lee talks partnership with STRIPPERELLA’s Pamela Anderson
ballkleider who resided in the Abruzzo region of Italy

Kate Midleton A Fashion Royal Icon
cool math games On the first series

Compartilhar