O ótimo inimigo do bom

O ótimo inimigo do bom

Têm razão as associações e conselhos médicos quando afirmam que a importação de profissionais estrangeiros não vai salvar a saúde pública nos rincões e periferias urbanas do Brasil. O problema central é a falta de uma estrutura sanitária digna do nome.

Se o governo pretende levar um sistema de saúde decente às populações marginalizadas do país, precisa desenhar diretrizes médicas factíveis e eficazes, cuidar para que não falte pessoal de apoio e garantir que medicamentos e insumos básicos estejam sempre nas farmácias e almoxarifados.

Feitas tais ressalvas, é preciso dizer que a grita dos conselhos e associações encerra uma boa dose de corporativismo.

Os órgãos de saúde pública nos Estados e municípios em que a carência de médicos é mais acentuada já oferecem salários acima dos de mercado. Se profissionais brasileiros não querem ir para lá, não há como obrigá-los.

Daí não decorre, contudo, que o governo federal não possa ao menos tentar reduzir a deficiência recorrendo a profissionais estrangeiros dispostos a trabalhar nas condições oferecidas.

Ninguém nega que a boa medicina envolve muito mais do que um médico com estetoscópio no pescoço. Mas também é melhor ter do que não ter um profissional de saúde de prontidão no hospital, mesmo que atue em condições adversas e que sua formação esteja aquém da ideal.

Defender o ótimo, no caso, acaba combatendo o bom –e o praticável. Ainda que a importação não passe de um paliativo, é preferível contar com alguém com formação médica a deixar pacientes sob cuidados exclusivos de profissionais de nível técnico –isso quando estes estão de fato presentes.

O Conselho Federal de Medicina levanta um ponto relevante quando manifesta preocupação quanto ao nível de formação dos estrangeiros, em especial o dos cubanos, com seu currículo bem menos extenso do que o do Brasil.

Parece exagero, entretanto, exigir que os profissionais que vêm para atuar em caráter emergencial e por um período de tempo limitado passem pelo mesmo processo de certificação (o Revalida) daqueles que pretendem fixar-se definitivamente no país.

Quantos médicos brasileiros, especialmente os que atuam já há certo tempo numa única especialidade, seriam aprovados numa prova geral como o Revalida?

 

Folha de São Paulo

 

 

Mod announcement please upvote for visibility
free games online career through textiles pattern

Tips for Wearing French Cuffs with Style Page 1 of 2
online games Rinse the rice several more times

Puma and Adidas Soccer Shoes in world cup
cheap wedding dresses adjust all your used panache tights straight knee heights as arm thermal wear

Country legend Willie Nelson to play sold out 9
cheap flights Students learn how to network and interview for jobs in their field

Unique Baby Shower gifts Part 1
forever 21 Tobey Maguire bulked way the hell up for Spider Man

Vivienne Westwood Gold Label Spring
free online games The information in this document is believed to be accurate

Miami Fashion Film Festival is a first
jeux fr If you wax regularly already

Branding Efforts Drive Sales When Combined with Direct Response
ballkleider how to purchase a full figured cardigan

Compartilhar