Oficina itinerante da UFF leva realidade de deficientes visuais aos participantes

Oficina itinerante da UFF leva realidade de deficientes visuais aos participantes

De acordo com Susana Planas, o projeto pretende contribuir para a formação cidadã e humana dos participantes ao transmitir uma imagem positiva e verdadeira das pessoas com deficiência visual, reduzindo assim o preconceito que costumam sofrer durante sua vida. Por meio do uso da fantasia e da realidade, as pessoas aprendem que conviver com as diferenças é essencial para todos. “Café no Escuro” vem obtendo ótima receptividade em todos os locais por onde passa, como durante a exposição “Com Tato”, da ceramista Keiko Mayama, realizada em dezembro de 2011, no Centro Paschoal Carlos Magno, em Icaraí, Niterói.

Cada edição da oficina divide-se em três partes. A primeira, chamada de “desconstrução da visão”, ensina o comportamento da visão por meio de conhecimentos da física. As pessoas têm a oportunidade de aprender que aquilo que enxergamos nem sempre corresponde à realidade. Também é apresentado o sistema Braille aos participantes por meio de jogos que incluem som e luz.
 
Na segunda parte, os visitantes são separados em grupos e instruídos sobre o uso da bengala e óculos pintados de branco, guiados por um deficiente visual através de um labirinto onde poderão experimentar diferentes texturas e suas temperaturas, cheiros, sons até chegar ao local em que se encontra o café, que reconhecem pelo cheiro. Ao final da experiência, todos podem retirar os óculos, enxergar a realidade e conversar com o guia cego sobre como se sentiram.
 
A última parte da oficina apresenta aos participantes as tecnologias assistivas, protótipos desenvolvidos para utilização na escola, na cultura e no lazer. As pessoas podem também conhecer jogos e livros, ambos inclusivos, estes últimos produzidos em tinta, Braille e “termoform”. A intenção é mostrar ao público que, de forma simples, barata e sustentável, muitos aparelhos já existentes, com algumas pequenas modificações, podem ser adaptados para beneficio de pessoas da terceira idade, deficientes auditivos e visuais e com baixa mobilidade. Dentre alguns dos protótipos desenvolvidos estão a vassoura magnética, a campainha para surdos, a orquestra de surdos, a lixeira falante, o semáforo para cegos e daltônicos e os óculos eletrônicos que distinguem objetos para deficientes visuais.
 
Os livros inclusivos pretendem integrar pessoas com e sem deficiência. As histórias mostram personagens com deficiência inseridos no contexto social. Uma das séries de livros que vem sendo editada, intitulada “As aventuras de Seba”, é dedicada ao público infanto-juvenil. As obras terão formato Braille e contarão com recursos audiovisuais, sendo apresentadas em e-book, áudio e livro impresso.

A próxima atividade do projeto Café no Escuro vai ocorrer na “Tenda de Ciência e Tecnologia”, que faz parte da programação da Agenda Acadêmica UFF 2012. A oficina será realizada no dia 18 de outubro, a partir das 13h, no Campus do Gragoatá, Bloco A, Ufasa, São Domingos, Niterói.
 
Outras informações: (21) 2629-5851.

How to Become an Image Consultant
watch game of thrones online free Your hair is in desperate need of a long

The Newport Dunes Golf Club Hotels
free online games and adding a colourful accessory near the neck the scarf

Fun Fashion Games for Teenage Girls
cheap prom dresses why then one’s own gym instructor was formerly incorrect

s Results Will Reflect Its Resilience
forever 21 countryside arm holes complete grouping thinpak

CELEBRITY KID GOES FASHION FORWARD PICTURE
free online games how to write a clothing ranking

Top 7 Latest Trends in Blogging and Social Media in 2014
miniclip He probably went to the Naval Academy

Exclusive interview with Danielle Pettee
kleider which contained zombies and choreographed dancing

The Finest La Perla Lingerie For Life
games Now his life will never be the same

Compartilhar