Para MEC, há avanço, mas ainda é preciso melhorar

Para MEC, há avanço, mas ainda é preciso melhorar

O secretário de Educação Superior do MEC, Luiz Cláudio Costa, diz concordar com a necessidade de melhorar a imagem da universidade brasileira no mundo, mas, ainda assim, vê um “contrassenso” no resultado da pesquisa.
Para o secretário, os rankings não vêm refletindo a real produção científica nacional. “Somos o 13º país em produção de ciência nova, e a maior parte dela vem das universidades”, afirma.
O MEC já vem avaliando programas para melhorar a condição das universidades, de acordo com Costa.
“Ter universidades entre as melhores do mundo não é status, mas desenvolvimento social, econômico, ambiental”, diz o secretário.
Três pontos serão focos de ação dos programas: mais investimento, maior integração com instituições internacionais e mais autonomia.
“As universidades bem colocadas nos rankings são as que recebem mais recursos per capita. Apesar dos avanços dos últimos anos, ainda estamos recuperando a capacidade de investimento”, diz.
Segundo Costa, o Brasil se tornou “roteiro científico importante” e é necessário aproveitar esse momento para deslanchar a internacionalização acadêmica.
“O Brasil precisa ter mais cursos de língua inglesa e, com apoio da Capes e do CNPq [órgãos de fomento à pesquisa], aumentar o fluxo de acadêmicos e professores visitantes.”
Procurada ontem, a USP não se manifestou e nenhum representante da Unicamp foi encontrado.

Compartilhar