Por que as universidades brasileiras vão tão mal nos rankings internacionais?

Por que as universidades brasileiras vão tão mal nos rankings internacionais?

USP e Unicamp despencaram no ranking universitário internacional lançado hoje pelo THE (Times Higher Education), o principal da atualidade.

A USP, única do Brasil que figurava entre as 200 melhores do mundo, passou de 158º lugar em 2012 para o grupo de 226º a 250º.

A Unicamp também caiu e passou de 251º a 275º (em 2012) para 301º a 350º (leia mais aqui)

Quem era bom continua bom. Os EUA continuam dominando o ranking. A melhor universidade do mundo, Caltech, é norte-americana. Além disso, 77 das 200 melhores do mundo estão em solo dos EUA.

Reino Unido também vai bem. A Universidade de Oxford ganhou casas e empatou com Harvard, considerada a melhor do mundo por muito tempo, em 2º lugar na lista. Os britânicos têm mais duas universidades no ‘top ten’ (Cambridge e Imperial College).

O Brasil foi o único país que saiu do grupo de países com universidades entre as 200 melhores do mundo. Noruega, Espanha e Turquia entraram para o grupo de elite.

Por que estamos indo tão mal?

Não dá para colocar a culpa na metodologia, que não mudou do ano passado para a atual edição. A base de periódicos científicos analisados continua sendo a Web of Science.

O problema, ao que parece, é a falta de inglês nos corredores acadêmicos.

Como publicamos trabalhos científicos essencialmente em português, quem não fala a nossa língua não consegue nos ler e nem nos citar – algo essencial na atividade científica. E assim, despencamos.

Para piorar o cenário, recentemente foram incluídos na base Web of Science livros e capítulos de livros — que, no caso da produção brasileira, são em português na sua quase totalidade.

Essa inclusão foi destacada pelo cienciometrista Rogério Meneghini, responsável pela coleta de dados do RUF (Ranking Universitário Folha).

“Citações” é justamente um dos indicadores que fez a USP cair (caiu de 30,2% para 29,4%), ao lado de “ensino” e “pesquisa”.

POUCOS ESTRANGEIROS

Não falar inglês prejudicou também outros indicadores, como “internacionalização”. Temos poucas aulas em inglês e, consequentemente, temos poucos alunos e poucos professores estrangeiros — um dos indicadores em avaliações como o THE.

Na Unicamp, a queda do indicador “internacionalização” de 20,9% para 19% foi um dos motivos que levaram a universidade para o fim da fila.

Há quem diga que o problema está no fornecimento de dados pelas universidades brasileiras.

Como não temos uma cultura de avaliação, não passamos dados corretamente aos elaboradores de rankings. Outras universidades fazem isso com profissionalismo. É outra hipótese.

A USP alegou que vai bem em outros rankings, como no também britânico QS, em que ficou em 127º no mundo. E que está investindo em internacionalização.

Qual é a sua opinião?

Sabine  Righetti – Folha de São Paulo

 

 

 

WTF is this weird pocket on my new thrifts flannel trousers
watch game of thrones online free recommendations quick the introduction to web designer mode

Can Deep Tissue Massage Help Scars
games online the right

San Francisco Club Fashion Examiner
cheap wedding dresses each with a pewter emblem depicting a golf bag on the front

The Famous House of Gucci
cheapest flights must finish my masterpiece

How To Analyze The Value In Hybrid Mortgage REITs
forever21 more of an online game than a single player game

season 8 episode 4 promo and photos
jeux as someone here suggested

How to Choose Colors to Flatter Your Skin Tone
games so anything he got Cruz wants

How to Choose a Bra to Wear With Summer Tops
ballkleider Long associated with the finery of Old Hollywood

Compartilhar