“Precisamos unir os atores acadêmicos da América Latina e Caribe em um plano específico de responsabilidade”, diz consultora do IESALC

Umas das participantes do Painel “A educação superior no pós-CRES 2018”, realizado em Porto Alegre, na última terça-feira (25), foi a consultora acadêmica do Instituto Internacional para a Educação Superior na América Latina e no Caribe (IESALC), Débora Ramos, que apresentou a metodologia de construção do plano de ação, que é resultado da carta produzida em Córdoba. De acordo com Débora, o plano está em fase de desenvolvimento e as decisões passaram por amplas rodadas de discussão. “A ideia é que ele apresente um conjunto de tarefas e ações estratégicas que possam nortear as políticas de Ensino Superior na Região nos próximos anos”, explica.

Veja os principais pontos da participação da consultora acadêmica do IESALC abaixo:

Qual é a importância dessa continuidade da CRES?
A CRES é a fala da comunidade acadêmica regional da educação superior com seus próprios atores e dar continuidade ao processo de declaração e plano de ação, orientando a configuração de políticas públicas, institucionais e da educação superior regional é primordial. Também é importante que os atores acadêmicos, estudiosos da educação superior, estudantes, sociedades e centro de investigação estejam envolvidos para que, enquanto analisamos e estudamos os caminhos para recrutar estes princípios a serem atribuídos, possamos garantir o fortalecimento de um processo que assegure a regionalização de todo o sistema de educação superior na América Latina e Caribe.

Qual é o próximo passo, a partir dessa carta que será preparada aqui?
Estamos na fase inicial, essa de construção e compilação de documentos, de análises, tanto da declaração como dos documentos propositivos e análise de cada um dos temas. A segunda fase é a estruturação e o planejamento do programa de trabalho. Nesse planejamento iremos identificar cinco círculos de atuação metodológica, sendo um círculo de atuação fundamental o convite a todas as redes universitárias para conhecimento desse documento de trabalho. A presidência ou a comissão executiva, levarão o documento ao conhecimento de todos os reitores e reitoras, para que haja maior profundidade e o alinhamento com a informação docente, incorporando alianças. Então esse plano escolhido e o círculo de atuação metodológica está denominando um plano de consulta amplo, organizado e coordenado. Uma vez que executemos esse plano de consulta, visando à incorporação, entramos na fase de validação do plano.

Sobre a CRES 2018
A CRES 2018 ocorreu de 11 a 15 de junho de 2018, na Universidade Nacional de Córdoba, na Argentina, e foi promovida pelo IESALC (Instituto Internacional para a Educação Superior na América Latina e no Caribe). No evento, os reitores preparam uma Declaração, por meio da qual reafirmam os princípios da Educação Superior como um bem público social, um direito humano e universal, e um dever dos Estados, além de reunir os principais avanços nas discussões realizadas em sete eixos temáticos. Os debates foram impulsionados pela comemoração dos 100 anos da Reforma de Córdoba – mobilização estudantil que defendia, entre outras pautas, a democratização do espaço universitário. 

 

Assista às palestras do Painel “A educação superior no pós-CRES 2018”:

Conferência de Abertura – Professor Francisco Tamarit 

O Significado do manifesto da CRES 2018 para a Educação Superior na América Latina e no Caribe” – Debora Ramos (Unesco – Iesalc), Reitor Gustavo Vieira (Unila) e Reitor Paulo Afonso Burmann (UFSM)

O Significado do manifesto da CRES 2018 para a Educação Superior no Brasil – Reitores Ângela Paiva (UFRN), Carla Jardim (IFFar), Cleza Sobral Dias (FURG), Dácio Matheus (UFABC), Jaime Giolo (UFFS), Haroldo Reimer (UEG) e Reinaldo Centoducatte (UFES)

O que fazer com o manifesto da CRES 2018 nos próximos 10 anos – Reitor Emmanuel Tourinho (UFPA), Professor Alvaro Maglia (AUGM), Mateus Fiorentini (Oclae) e Reitor Rui Oppermann (UFRGS) 

Compartilhe: