Presidente Lula sanciona criação da Unila

Presidente Lula sanciona criação da Unila

O presidente da Associação Nacional dos Dirigentes de Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), reitor Alan Barbiero (UFT) participou, nesta terça-feira (12), da solenidade em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou o Projeto de Lei 2878/08 que cria a Universidade Federal da Integração Latino-Americana. A solenidade realizada no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília (DF), teve a participação da ministra da Casa Civil, Dilma Roussef; do ministro da Educação, Fernando Haddad; do ministro das Relações Exteriores, Celso Amorin, do governador do estado do Paraná, Roberto Requião (PMDB); e do presidente da Comissão de Implantação (CI) da Unila, professor Hélgio Trindade.  
 
A cerimônia assistida por mais de 100 pessoas lotou a sala de audiências do CCBB e contou com a presença de inúmeras autoridades políticas e acadêmicas, como o ministro do Planejamento, Celso Bernardo; o assessor especial da Presidência da República para assuntos internacionais; Marco Aurélio Garcia; o ministro chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Samuel Pinheiro; o reitor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Zaki Akel Sobrinho; o diretor-geral brasileiro de Itaipu, Jorge Samek; os parlamentares Cristovam Buarque (PDT-DF) e Angelo Vanhoni (PT-PR), entre outros.
 
Após a sanção do Presidente Lula, Hélgio Trindade abriu o evento agradecendo o apoio de instituições, como o MEC, a UFPR, a Itaipu Binacional, o Congresso Nacional, a Unesco, a Secretaria de Ciência e Tecnologia do Paraná (Seti) e a Prefeitura de Foz do Iguaçu, que através do incondicional apoio ao processo de implantação da Universidade, auxiliaram o trabalho capitaneado por ele à frente da Comissão que nos últimos dois anos trabalhou para estruturar uma universidade diferenciada que promova o desenvolvimento sustentável e a integração latino-americana. 
 
Trindade também destacou que a Unila deverá fazer parte do grupo de universidades brasileiras paradigmáticas, como foi a fundação da USP, da Unicamp e da UNB, no século passado, além de salientar que o governo Lula consagra-se por ter criado o maior numero de universidades da história do País (13 ao total). “Estamos testemunhando um momento histórico da educação superior brasileira: a sanção presidencial de um dos projetos universitários mais inovadores e ousados do atual governo. Hoje, estamos criando um novo modelo de instituição universitária, cuja missão será contribuir, por meio do conhecimento compartilhado e da cooperação solidária, para a integração da América Latina”.
 
Em seguida, o governador do estado do Paraná, Roberto Requião, falou sobre os investimentos do governo federal para a ampliação da oferta de ensino superior público em seu estado e comentou a importância do caráter internacional da UNILA e de sua proposta de integrar, em uma instituição brasileira, alunos e professores de toda a América Latina. “Fica a minha satisfação como governador do estado e militante da integração latino-americana. Talvez seja o caminho mais importante esta presença de cidadãos de outros países no Paraná e no Brasil.”
 
O ministro Fernando Haddad encerrou a cerimônia enfatizando o programa de investimentos do governo em todos os níveis da educação e que o MEC tem trabalhado com atenção global ao setor, da educação básica à superior. Haddad lembrou que a Unila é a 13ª universidade federal criada pelo governo Lula, batendo o recorde do ex-presidente Juscelino Kubichek, que criou dez instituições de ensino superior. Ele agradeceu o apoio do Congresso Nacional pela aprovação unânime da criação das novas universidades propostas pelo Executivo. 
 
Sobre o caráter integracionista da Unila, o ministro falou sobre o desafio que a primeira universidade internacional brasileira terá de formar cidadãos que pensem a integração do ponto de vista da cultura, das instituições e da própria integração física da Região, questões que serão abarcadas pelos futuros cursos Unila. Ele também vislumbrou a possibilidade de o continente pensar em um parlamento comum e até uma moeda única, e atribuiu à nova universidade a importante tarefa de aproximar os países da América Latina. “A Unila vai pensar uma nova maneira de nós convivermos. Nós, povos latino-americanos que tanta identidade temos, mas tão afastados permanecemos até a criação desta instituição que tem como finalidade precípua nos repensarmos a partir das nossas raízes como um continente pré-destinado ao desenvolvimento sustentável”.
 
Nos próximos dias deverá sair a nomeação do reitor pro-tempore da instituição que, ao que tudo indica, será o presidente da Comissão de Implantação da Unila, Hélgio Trindade. As aulas da graduação estão previstas para iniciar no segundo semestre deste ano e, nos próximos meses, deverá ocorrer a abertura de concursos para professores, técnicos administrativos e seleção de alunos.
 

 

Compartilhar