Profissão de risco e estresse

Profissão de risco e estresse

Professor é a profissão mais vulnerável ao estresse. Depois, aparecem enfermeiros e jornalistas. Essa foi a conclusão da psicóloga Lilia Aparecida Kanan, em sua tese de doutorado, feita em 2008. Ela pesquisou a relação dos docentes com o lugar em que trabalham.

A psicóloga, professora da Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac), em Lages, explica que os professores vivem sob uma carga de sofrimento psíquico grande. As consequências disso são profissionais doentes, com depressão, doenças do coração e compulsões, além de perderem o rendimento no trabalho e o comprometimento com o que fazem.

– Não é só uma questão salarial. Eles não buscam apenas um retorno financeiro. Eles querem ser valorizados e reconhecidos pela sociedade e, principalmente, querem respeito com sua integridade física e psíquica.

Professora há 23 anos, Luciana Moreira, 40, está feliz e satisfeita. Ela dá aulas no ensino infantil, em uma escola particular, na Capital. Na rede privada, os salários são melhores do que na pública. Apesar disso, ela sente falta de um reconhecimento maior da sociedade.

– Eu me sinto valorizada pela instituição em que eu trabalho e pelas crianças. Mas, culturalmente, temos muito a melhorar.

Os números da rede estadual

Professores

17.264 professores, destes 8 mil são admitidos em caráter temporário (ACTs)

Alunos

Cerca de 700 mil alunos

Ensino Médio: 208.437

Ensino Fundamental: 384.125

Educação Profissional: 9.342 alunos

Educação Especial: 645 alunos

Educação de Jovens e Adultos: 64.191 alunos

Fonte: Inep/ Censo escolar / SC.

Compartilhar