Publicações nas Ifes

Publicações nas Ifes

Editora UFMG

Estudos da língua em uso: da gramática ao texto
Janice Helena Chaves Marinho e Maria Elizabeth Fonseca Saraiva (org.)
Área: Linguística | Língua Portuguesa
Coleção: Invenção
2010. 317 p. ISBN: 978-85-7041-814-2
Preço: R$ 42,00

Os vários capítulos deste livro, trilhando diferentes vertentes teóricas e abordando temas que focalizam das relações gramaticais às discursivo-textuais, encontram seu ponto de convergência e coerência na prioridade dada ao estudo da língua portuguesa em seu uso efetivo em diversas situações de interlocução. Esse foco de interesse está em consonância com os objetivos do Núcleo de Estudos da Língua em Uso (NELU), da Faculdade de Letras da UFMG, do qual este volume representa mais uma iniciativa.

Sumário

•?Apresentação : 11
•?Mudança semântica e polissemia verbal nas construções do pegar no discurso
Nilza Barrozo Dias e Natália Sathler Sigiliano: 17

•?Construções com objeto incorporado em português: da gramática ao léxico
Maria Elizabeth Fonseca Saraiva: 43

•?Valores expressos pelo tempo verbal presente do indicativo: uma análise de caráter cognitivo
Adriana Maria Tenuta, Lafaiete Moreira dos Santos e Marcus Lepesqueur Fabiano Gomes: 65

•?Uso de expressões nominais definidas na construção da argumentação em artigo opinativo
Delaine Cafiero: 93

•?Sintaxe e genericidade: uma análise de sentenças proverbiais
Luiz Francisco Dias e Priscila Brasil Gonçalves Lacerda: 115

•?Examinando a pressuposição
Glaucia Muniz Proença Lara: 135

•?Implicações do uso do conector mas em sustentações de Tribunal do Júri
Helcira Lima: 153

•?Estudo de uma expressão conectiva ocorrente no português brasileiro escrito
Janice Helena Chaves Marinho: 171

•?As funções discursivas das Ressonâncias
Beatriz da Matta: 191

•?Estrutura retórica e articulação de orações em gêneros textuais diversos: uma abordagem funcionalista
Maria Beatriz Nascimento Decat: 231

•?Dos limites entre o estável e o instável em textos de divulgação científica
Regina Lúcia Péret Dell’Isola:263

•?As especifidades da unidade de tópico em PB e possíveis efeitos do contato linguístico
Tommaso Raso e Heliana Mello: 289


Ensaios sobre Walter Benjamin são reunidos em livro da Editora UFMG

No próximo sábado, 18, a Editora UFMG lança a obra Limiares e passagens em Walter Benjamin. O livro reúne ensaios que rompem com a ordem cronológica e têm como ponto de partida o primeiro colóquio internacional O Limiar, promovido em 2008 pelo Núcleo Walter Benjamin (NWB), vinculado à Faculdade de Letras (Fale) da UFMG.

A obra integra a coleção Humanitas e tem como organizadores os professores da Fale Georg Otte, Sabrina Sedlmayer e Elcio Cornelsen. “Os ensaios que este livro agora apresenta cumprem não apenas com os anseios iniciais do NWB, como o ultrapassam”, afirmam os organizadores, ao destacar que a edição contribui, “de forma aguda”, para a produção bibliográfica brasileira sobre a obra do autor alemão.

O lançamento acontece às 11h, na Livraria Mineiriana (rua Paraíba, 1419, Savassi). O livro tem 279 páginas e tem preço sugerido de R$ 45.

Aprendizado médico com necrópsia é tema de livro

Como parte das comemorações do Centenário da Faculdade de Medicina da UFMG, o professor emérito Luiz Otávio Savassi Rocha, do Departamento de Clínica Médica, lança o livro Sessões Anatomoclínicas: Valor Pedagógico Lato Sensu.

A publicação, com 504 páginas e 64 ilustrações, editada pela Coopmed, apresenta a discussão de 78 casos clínicos de pacientes submetidos a necrópsias no Hospital das Clínicas da UFMG, além de 17 casos baseados em biópsias e peças cirúrgicas.

Segundo o professor Savassi, os estudos apresentados no livro aproximam as áreas da Anatomia Patológica e da Clínica Médica, esforço que sempre orientou sua carreira como docente. “Apesar de toda a tecnologia, a necrópsia continua mostrando, com frequência, diagnósticos que não foram suspeitados durante a vida dos pacientes”, afirma.

Savassi explica que a necrópsia pode revelar informações importantes sobre a evolução do paciente e até possíveis erros no diagnóstico e na condução dos casos clínicos. “Isso tem grande valor para o aprendizado na área médica, tanto para estudantes quanto para professores”, diz.

A proposta da obra, expressa no termo Lato Sensu, é apresentar uma abordagem transdisciplinar. “A análise não é restrita aos aspectos puramente médicos, mas vai além e estabelece diálogo com várias disciplinas, como Literatura, Mitologia, Filosofia, Genética, Biologia, Epistemologia, História da Medicina, Educação Médica, entre outras”, exemplifica o professor.

O livro Sessões Anatomoclínicas: Valor Pedagógico Lato Sensu será lançado na quarta-feira, 15 de dezembro, a partir das 19h30, no 8º andar da Faculdade de Medicina da UFMG.

O lançamento será precedido por uma palestra do autor. – jornalismo@medicina.ufmg.br – (31) 3409 9651

A biologia militante: o Museu Nacional, especialização científica, divulgação do conhecimento e práticas políticas no Brasil – 1926-1945
Regina Horta Duarte
Área: Biologia| História
Coleção: IEAT
2010. 354 p. ISBN: 978-85-7041-860-9
Preço: R$ 42,00

Nas décadas de 1920 a 1940, alguns cientistas do Museu Nacional iniciaram um movimento para demonstrar a importância da biologia na transformação do Brasil. Para isso, lançaram mão de livros, exposições, programas de rádio, filmes educativos, revistas, congressos, sociedades científicas, viagens, redes de debate entre especialistas de vários países. Visavam a uma ampla projeção científica, ao mesmo tempo que buscavam o apoio governamental a fim de exercer um papel ativo na construção de políticas públicas, com destaque para a educação e a proteção da Natureza. Esse movimento ficou conhecido como Biologia Militante.

Livro que discute novas mídias é lançado na UFMG

Será lançado hoje, 14 de dezembro, no Laboratório de Mídia Eletrônica (Labmídia), 3º andar da Fafich, no campus Pampulha, das 17 às 20h, o livro Cultura da conexão: novos formatos para a produção de conhecimento, organizado pela professora Regina Mota, do Departamento de Comunicação Social da UFMG.

A obra, da editora Argvmentvum, reúne trabalhos de diversos autores que discutem o papel e as transformações das novas mídias na contemporaneidade. Todos os textos analisam os media por meio de perspectiva que correlaciona cultura, sociedade, arte e as tecnologias.

Entre os temas estão a TV digital e sua implementação no Brasil; a possibilidade artística que os celulares passaram a representar; e a apresentação de experimentações feitas por jovens artistas utilizando as novas mídias.


EDUFSCar

Pesquisadores de São Carlos lançam revista eletrônica em homenagem a Ferdinand de Saussure

Linguasagem publica sua 15ª edição com o “Cantinho Saussure

Em sua 15ª edição, a Revista Linguasagem faz uma homenagem especial a Ferdinand de Saussure. No “Cantinho Saussure” são divulgados trabalhos que, em alguma medida, desenvolvam reflexões que remetam à proposta do pensador suíço falecido há quase 100 anos. A Revista é produzida pela Departamento de Letras (DL) e pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFSCar.

Dentre os textos publicados estão “A atualidade do Saussurismo”, produzido por Algirdas-Julien Greimas, da Faculdade de Letras de Alexandria; e “Filosofia da Linguística: três Saussure(s)?”, elaborado por Mônica Baltazar Diniz Signori e Roberto Leiser Baronas, docentes do DL. Estes e outros textos estão disponíveis na página da Linguasagem na Internet, visualizada em www.letras.ufscar.br/linguasagem/edicao15.

A Linguasagem – Revista Eletrônica de Popularização Científica em Ciências da Linguagem – tem publicação bimestral e está aberta a pesquisadores do Brasil e do exterior que estejam desenvolvendo trabalhos de pesquisa e de tratamento didático da linguagem, nas mais diversas escolas e domínios das Ciências da Linguagem.

As edições anteriores, o Blog da Revista e outros artigos sobre temas variados, podem ser acessados em www.letras.ufscar.br/linguasagem/edicao15.
________________________________________
Contato para essa pauta: Sergio Fragalli     Telefone: (16) 3351-8480    E-mail: sergiofrag@ufscar.br


UFRPE comemora Dia do Engenheiro de Pesca nesta terça

Em alusão ao Dia do Engenheiro de Pesca, comemorado em 14 de dezembro, pesquisadores e estudantes do curso de Engenharia de Pesca da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) festejam os 40 anos da implantação dessa graduação no Brasil, cujo pioneirismo pertence à instituição. Na programação alusiva ao tema, a UFRPE lança, nesta quarta-feira, às 9h, o livro A Engenharia de Pesca no Brasil: trajetória de 40 anos, de autoria dos docentes Fábio Hazin e Maria do Carmo Soares, durante seminário no auditório do Centro de Ensino de Graduação (Cegoe).

As quatro décadas do curso já vem sendo comemoradas ao longo do calendário acadêmico de 2010 pela UFRPE, que conquistou, mais uma vez, este ano, cinco estrelas no Guia do Estudante da Editora Abril.

Voltado para o cultivo, a captura e a industrialização de espécies aquáticas, a Engenharia de Pesca e a Aquicultura, ramos da engenharia e da biologia, desempenham atividades referentes ao aproveitamento dos recursos naturais. Por meio da aquicultura, da pesca e beneficiamento do pescado, são usadas técnicas para a preservação do estoque capturado e da fauna aquática. Também se utilizam conhecimentos básicos das ciências exatas que possam permitir melhores resultados no setor pesqueiro.

Em aquicultura, o profissional desenvolve a criação e reprodução de peixes, crustáceos e moluscos em cativeiro. E também nos lagos, rios, barragens e oceano. Quanto ao cenário profissional, as perspectivas são boas para o engenheiro de pesca no Brasil. Com extensa costa e grande potencial para o cultivo, as empresas de produção do pescado, espalhadas no país, costumam abrir vagas com frequência. Além disso, há grandes oportunidades na pesquisa e produção de alevinos – filhotes de peixe.

Alguns graduandos migram para uma nova área de atuação e que tem mostrado um crescimento positivo é a piscigranja, fazendas que criam peixes e necessitam da presença de um profissional do ramo. Já no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o engenheiro de pesca pode desenvolver políticas de fomento à pesca e à aquicultura, além de funções que aprimorem o setor pesqueiro.

Segundo o professor e coordenador do curso de engenharia de pesca, Paulo Oliveira, esse alto grau de qualificação conquistado pelo curso na UFRPE se deu pelas seguintes características: corpo docente, laboratórios especializados, equipamentos, aulas práticas e vivência em campo. Outro ponto positivo é o fato de a maioria dos professores possuírem o título de doutor e alguns pós-doutorados. “Essa pontuação das cinco estrelas, por exemplo, só é dada a quem atinge o nível máximo dos critérios exigidos pelo MEC”, enfatiza.

O Departamento de Pesca da UFRPE possui vários projetos de professores e pesquisadores aprovados por órgãos de fomento à pesquisa, e ainda mantém parcerias e convênios com instituições de outros estados e países, como Canadá, Japão e Estados Unidos. Proporcionando aos alunos de graduação e pós-graduação intercâmbio profissional de qualidade, o departamento possui grande número de bolsistas, que desenvolvem pesquisas e projetos na pesca artesanal. Oliveira diz que, “o objetivo não é só trabalhar o ensino em sala de aula, mas também outros pilares da educação”.


Livro sobre Coronel Cascudo será lançado na quarta-feira

Em comemoração ao aniversário do folclorista Luís da Câmara Cascudo, o livro “Coronel Cascudo: o herói oculto”, de Anna Maria Cascudo Barreto, será lançado na próxima quarta-feira, dia 15, às 19h. O livro biográfico e histórico sobre o pai de Câmara Cascudo é um projeto da UFRN e do Ludovicus – Instituto Câmara Cascudo, que fica localizado na Av. Câmara Cascudo, Cidade Alta, onde haverá o lançamento.

A publicação visa ao resgate histórico e biográfico do militar, comerciante, cidadão de Campo Grande e presença marcante nas grandes datas potiguares, Coronel Cascudo. “E cuja vida é praticamente a vida histórica do Estado do Rio Grande do Norte”, disse a autora.

O Coronel Cascudo nasceu em 1863 e viveu até o ano de 1935. “Ele foi o agente impulsionador da erudição do escritor, cientista, professor e pesquisador Luís da Câmara Cascudo. Sem o Coronel Cascudo, talvez a obra de Luís não tivesse acontecido”, enfatizou Anna Maria Cascudo Barreto.

 

Compartilhar