Rede federal de EAD não alcança o Norte do País

Rede federal de EAD não alcança o Norte do País

Sul e Sudeste concentram mais da metade dos alunos da Universidade Aberta do Brasil

A rede federal de educação a distância (EAD) ainda não conseguiu aproveitar efetivamente o potencial da modalidade para alcançar estudantes nas áreas mais remotas do País. O número de alunos da Universidade Aberta do Brasil (UAB), que sistematiza os cursos oferecidos pelas federais, aumentou sete vezes de 2008 a 2013, chegando a 231 mil matrículas ativas. Mas as Regiões Sul e Sudeste concentram mais da metade dos estudantes: 53%.

Estados com grande oferta de cadeiras presenciais dominam as vagas a distância da rede, contrariando a proposta do sistema. A UAB surgiu em 2006 com a missão de fortalecer “a escola no interior do Brasil, minimizando a concentração de oferta de cursos de graduação nos grandes centros urbanos”, como indica o próprio site da instituição.

Apesar de estar presente em 641 municípios, por meio de seus polos, os Estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul somam, juntos, 113,4 mil alunos de educação a distância da UAB. Isso representa 49% do total de matriculados.

A UAB é um sistema integrado que oferece cursos de nível superior ligados a universidades públicas. São elas que criam os projetos pedagógicos dos cursos, em uma plataforma online padrão.

O programa está a cargo da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), que financia coordenadores e tutores. Já as prefeituras se responsabilizam pelos polos onde são realizadas as avaliações, webconferências e encontro dos alunos com tutores.

A oferta é variada, mas a prioridade são cursos para a formação de professores da educação básica. A maioria – 48% dos 190 cursos – é de especialização, que reunia 25% dos alunos em 2012. Na sequência aparecem as licenciaturas, com 25% da oferta e 51% dos alunos. Para o bacharelado há apenas oito opções (4%) de cursos e 9% dos estudantes.

O perfil do aluno varia também por região. A oportunidade de fazer uma segunda graduação, em Pedagogia, foi o que atraiu a professora de Ciências da rede municipal da capital paulista Aline Molenzani, de 28 anos. Graduada em Física pela Universidade de São Paulo (USP), ela é da primeira turma do polo criado no ano passado em Guarulhos.

“Meu tempo é curto, trabalho o dia inteiro e não queria fazer um curso qualquer. Eu já conhecia a UFSCar (Universidade Federal de São Carlos, que coordena a graduação) e, quando surgiu a oportunidade, me inscrevi e passei no vestibular”, conta ela.

Segundo Aline, a escolha do curso a distância para uma segunda formação é comum entre seus colegas de turma, que se comunicam principalmente pelos fóruns na internet e cuja participação ativa é obrigatória no curso. “Grande parte do meu grupo já tem licenciatura e trabalha, o que faz com que os fóruns sejam muito mais produtivos.”

Oportunidade. Apesar de a maioria dos alunos estar no eixo Sul-Sudeste, o Nordeste concentra também um grande número de inscritos, com 80,7 mil matriculas (35% do total). A situação do Centro-Oeste e do Norte é mais grave. No Centro-Oeste há 12,7 mil alunos (5,5%). No Norte, com sete Estados e maior carência, estão somente 6% dos alunos – um total de 12,8 mil estudantes.

Os números ainda não condizem com o objetivo inicial da rede, mas as plataformas online têm mudado a história de muita gente. O estudante Anderson Cruz Lima, de 24 anos, é o primeiro de toda sua família a chegar ao ensino superior. Morador de Acrelândia, município de 12 mil habitantes a 117 km de Rio Branco, capital do Acre, Lima iniciou o curso de Artes Visuais em 2008, quando o polo foi inaugurado na cidade.

O estudante, que trabalha como escrevente em um cartório, diz que sua vocação é a informática. Entretanto, optou pelas Artes Visuais porque, quando abriu o vestibular para o polo de sua cidade, não havia cursos na área pretendida.

“A escolha foi pela necessidade. No vestibular as opções eram Teatro, Música e Artes. Eu pretendia fazer curso superior e o melhor era esse”, conta ele.

O curso, coordenado pela Universidade de Brasília (UnB), acabou agradando, e ele decidiu continuar. “Acho que o curso a distância cobra e exige muito mais do que o presencial. Além de você ter de buscar mais por conta própria, se empenhar, os prazos são firmes. A plataforma fecha às 21h15 para entregar os trabalhos e já era. Não adianta se justificar no fórum.”

Lima já pensa em engatar um mestrado, também a distância. Sua chegada à universidade incentivou também sua mãe, Maria Lucia, de 42 anos, que está fazendo EAD de Técnico em Enfermagem. “Meu pai era administrador de fazenda e só entendia de bois. Mas sempre incentivou até quando pôde para que a gente fosse estudar.”

Acrelândia tem um dos oito polos do Estado que registra o menor número de alunos do País: 607. Em 2012 havia na Região Norte 92 polos, representando 14% do total – o que expõe um desequilíbrio com a proporção de alunos (6%). Em 2007, a UAB tinha 118 polos no Brasil. Em 2013, a rede chegou a 657, segundo dados do Ministério da Educação (MEC).

Melhorias. Ex-presidente da comissão de EAD da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), o professor João Luiz Martins entende que a gestão dos polos é parte essencial para o sucesso da rede.

“Hoje é necessário aperfeiçoar a UAB: o polo, que é a parte estratégica, precisa estar em boas condições. O MEC deveria estar mais atento para que as universidades fizessem melhorias em rede e infraestrutura, por exemplo. Dessa forma, a situação da prefeitura ia interferir menos na qualidade”, afirma Martins, professor e ex-reitor da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop).

Ele defende que as universidades tenham mais autonomia para a criação de cursos, além da questão do aperfeiçoamento dos polos. “Os recursos tinham de vir pela lei orçamentária, para que fosse possível fazer determinados cursos e desenvolver outros.” Hoje, a universidade até pode criar os cursos, mas depende da aprovação da Capes, que também libera os recursos para tutores e coordenadores.

 

Paulo Saldaña – Estadão.edu

 

Lindsay Lohan Fashion Forward at White House Correspondents
watch game of thrones online free because that seems to be popular

Signed fashion line to debut August 1
free games online is a tesla bubble to finish heading to go

Beauty Facial Masks for the Over 50
games online ideal for a great unique look

7 Reasons Why You Can’t Go Wrong with Black Picture Frames
cheap wedding dresses The popular patterns were flowers and leaves

Kmart dollar days introduces Glo jeans
jeux bulletins as well study

and Eyelash Curlers and Eye Shadow
games las vegas fashion examiner

Glimcher Realty Trust’s CEO Discusses Q4 2012 Results
ballkleider are amongst the hardest careers to pursue because of the ever changing

Become a True Cosmopolitan in Milan
cool math games which included women’s underwear

Compartilhar