UFMA – Reitor e Governador inauguram o Campus de Grajaú

UFMA – Reitor e Governador inauguram o Campus de Grajaú

GRAJAÚ – A cidade de Grajaú esteve em festa na última sexta-feira, 25. Foi o dia em que o reitor Natalino Salgado, o governador Flávio Dino e a diretora do Campus Grajaú, Sandra Barros, acompanhados de autoridades federal, estadual e municipal inauguraram o Campus de Grajaú, localizado no centro maranhense, a 580 km da capital.

Em 2007, nascia o anseio da população grajauense em ter consolidada a Universidade Federal do Maranhão, conta o governador Flávio Dino, que, na época, ocupava o cargo de Deputado Federal. Ele lembra que, em época de campanha para elegê-lo à Deputado Federal, realizou uma visita na cidade de Grajaú, onde recebeu diversos estudantes com um abaixo assinado de mais de 22 mil assinaturas, dizendo que o apoiariam se ele trouxesse a UFMA para Grajaú.

Neste mesmo ano, estava acontecendo eleições para escolha do novo reitor, ocasião em que o atual reitor Natalino Salgado estava concorrendo. Dino, por ser docente da UFMA, tem direito de voto para escolha do reitor. Quando Salgado foi conversar com Flávio e pedir apoio a ele, instantaneamente, ele jogou a responsabilidade para o então candidato à reitoria, dizendo que só votaria nele para reitor se ele prometesse construir um campus em Grajaú. Assim, Natalino Salgado aceitou o desafio e firmou seu compromisso.

Vencidas as eleições, e tendo o professor Alan Kardec como “filho de Grajaú”, este ficou incumbindo, pelo então deputado federal, a conquistar a implantação do campus na cidade, estando ao lado do reitor Natalino Salgado e ajudando-o a concretizar este sonho. Nesta mesma época, 2007, o então presidente do Brasil, Luís Inácio Lula da Silva, havia lançado o Reuni, um programa voltado para a expansão e reestruturação das universidades, o qual foi o ponto chave para que o reitor Natalino Salgado desencadeasse a ideia, tirasse do papel e colocasse em prática a construção deste campus.

Foi então, em maio de 2010, que o campus começou a ser construído. Enquanto aguardava a construção, as aulas aconteciam na escola municipal Darcy Ribeiro, que foi cedida pelo então prefeito do município. Em setembro de 2010, foi realizada a primeira aula inaugural dos cursos de Licenciatura em Ciências Naturais – Química e Ciências Humanas – Geografia e em 2012, o campus foi concluído e se tornou sede dos cursos.

Este era o desejo da população grajauense que agora comemora esta vitória, uma vez que, mesmo já sendo utilizado, porém não inaugurado, podem desfrutar da consolidação do campus na cidade e do processo de inclusão por meio da interiorização, o que tem sido uma das prioridades do reitor Natalino Salgado, desde o início da sua gestão. “A educação é um privilégio ainda de poucos e a minha satisfação e alegria hoje externada e compartilhada com todos vocês é que nos incentivam a trabalhar pelo bem da comunidade. Estamos inaugurando este campus, tendo em sua maioria, professores doutores, que trabalham e produzem conhecimentos e pesquisa, incentivando os estudantes do centro maranhense a estarem conectados cada vez mais ao mundo acadêmico”, disse.

O reitor ainda enfatiza que tendo o governador Flávio Dino à frente do Estado, será possível contar com o seu apoio para o desenvolvimento da educação que ainda passa por grandes problemas. “Tendo esse canal direto ao governador e vendo sua preocupação com a educação maranhense, será possível investir mais não só na graduação, como também na pós-graduação, o que formará profissionais ainda mais qualificados e preocupados com a educação e o desenvolvimento do Estado. Inaugurar este campus e outros do continente é, portanto, a maior transformação da história da Universidade, ou seja, é o maior projeto de interiorização. Todas essas benfeitorias acontecem justo agora quando, em 2016, a UFMA completará 50 anos. Nossa gestão tem esse comprometimento de trabalhar com a inclusão social e levar a educação a quem precisa”, finaliza.

O governador Flávio Dino, entusiasmado em participar da inauguração deste campus, uma vez que foi um dos que contribuiu para que este campus fosse construído, diz que está nascendo uma bela e grandiosa obra, que é fruto do engajamento de muitas pessoas que fizeram com que esse sonho se tornasse realidade.

“O reitor Natalino Salgado é um gestor exemplar que liderou obras e ações com garra e muita energia. É um exemplo de administrador. Hoje, a UFMA é uma referência. Ela cresceu não só em quantidade, mas também em qualidade, com sua infraestrutura apta a receber seus alunos e professores. A construção de um campus como este, é um empreendimento educacional. Nesta gestão, enquanto governador, temos o compromisso de melhorar os índices da educação no Maranhão. Vamos investir mais de 500 milhões de reais, desde a educação infantil até as universidades. Vamos trabalhar em parceria, porque queremos que o Estado cresça, evolua e se desenvolva. Meu compromisso não é com eleição e sim com a população maranhense. Sei que o resultado desse trabalho árduo só será visto depois de 6, 10 ou até 20 anos, mas o importante é que no futuro seja reconhecido e que o Maranhão saia do ranking de pior estado em termos da educação”, afirmou Flávio Dino.

Atualmente, o Campus de Grajaú possui 22 docentes e mais de 200 estudantes distribuídos entre oito turmas, sendo quatro de Ciências Naturais – Química e quatro de Ciências Humanas – Geografia. Segundo a diretora do Campus, Sandra Barros, está previsto ainda a implantação dos cursos de Ciências Naturais – Biologia e Ciências Humanas – Sociologia e Pedagogia, cuja demanda partiu da solicitação dos próprios estudantes e da comunidade grajauense e foi prontamente atendida pela administração da Universidade. O prédio possui salas de aula climatizada, auditório, biblioteca, restaurante universitário, além de salas administrativas.

Na ocasião, o governador Flávio Dino assinou documento se comprometendo a ajudar financeiramente a Universidade para ampliar o terreno do campus, garantindo uma expansão no campus. Esta notícia deixou a comunidade grajauense feliz e entusiasmada com tamanha expansão, o que duplicará ainda mais os espaços permitindo assim, a instalação de novos cursos.

Sobre Grajaú

Localizada em uma área de 8.842.782 quilômetros quadrados, a cidade de Grajaú, cujo topônimo é derivado do termo tupi, que significa rio Carajás, foi fundada pelo navegador e alferes Antonio Francisco dos Reis, em 29 de abril de 1811, e hoje possui uma população com mais de 68 mil habitantes, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Dentro da sua economia, cabe destacar o sal, seu maior produto comercializado neste entreposto, que é altamente necessário para o consumo humano e do gado e vendido em saca de quarenta quilos, assim como o açúcar, o café, a farinha, o querosene, a bolacha, o arroz, entre outros. Grajaú é uma das vinte cidades mais populosas do Maranhão, situada na meso-região Centro Maranhense, que compreende os municípios de Arame, Barra do Corda, Joselândia e Sítio Novo, enquanto que na micro-região do Alto Mearim e Grajaú, compreende a cidade de Tuntum.

Quanto ao trabalho de produção agrícola que mantém a economia local, há um destaque especial para a produção de arroz. Já, entre os minérios, existem a areia, a pedra seixo, a pedra granito e a pedra branca. Em se tratando de educação, atualmente, a rede de escolas de Grajaú, compreende a zona urbana e rural, atendendo a uma camada de 2.629 alunos na educação infantil, 13.342 no ensino fundamental, 437 no ensino médio e 351 alunos na educação de jovens e adultos. Já na zona urbana, existem 43 escolas, enquanto que na zona rural, há um total de 177 escolas, além de 52 escolas indígenas, na zona rural, sete escolas estaduais, na zona urbana e quatro escolas particulares.

 

Baixada maranhense comemora a inauguração do Campus de Pinheiro

PINHEIRO – Praticamente desativado há trinta anos, o campus da Universidade Federal do Maranhão, em Pinheiro, foi oficialmente inaugurado na manhã de ontem pelo reitor Natalino Salgado e pelo governador Flávio Dino. Elevado a condição de Centro de Ciências Humanas, Naturais, Saúde e Tecnologia o novo Campus de Pinheiro consolida a interiorização da UFMA na baixada maranhense e transforma sonhos da comunidade baixadeira em realidade. A solenidade contou com a presença de membros da administração superior da UFMA, secretários de estado e representantes de entidades da sociedade civil.

São seis os cursos em funcionamento, incluindo medicina e enfermagem. De acordo com o diretor do Campus, Rickley Marques, a consolidação do Campus da UFMA em Pinheiro é o maior processo de inclusão social existente na baixada maranhense. “Poderemos lutar mais ainda pela melhoria do IDH da região. Este Centro só tende a crescer e se espalhar pela baixada, ajudando-o a melhorar os índices de educação”, disse.

Para o reitor Natalino Salgado, a educação e o serviço público devem chegar a quem precisa, pois só assim haverá igualdade social. “Aqui, mais de 70% dos docentes são doutores, crescemos em produção, inovação e atendimento. Temos pressa em romper com o atraso que a sociedade espera. Hoje, o governador inaugurou, também, o Hospital Regional da Baixada Dr. Jackson Lago e, nele, nossos alunos da área da saúde poderão colocar em prática a teoria vivenciada em sala de aula, porque o complexo hospitalar também foi construído com esse objetivo, de servir como um hospital-escola para a Universidade”, afirmou.  O reitor diz acreditar que com a unidade de saúde será mais fácil fixar o profissional na região para que ele atenda a uma carência que ainda é grande.

O governador Flávio Dino disse que a instalação da UFMA na baixada garante mais oportunidade de trabalho, geração de emprego e renda. “O acesso ao ensino superior é um direito de todos e a UFMA veio com essa missão, com o empreendimento do reitor Natalino Salgado, que não mediu esforços para que este sonho se tornasse realidade. A baixada precisava de uma universidade do porte da UFMA. Sou professor dessa universidade há 20 anos e essa é a minha profissão. Não vejo a política como profissão. Então, afirmo que a UFMA pode sempre contar com o governo, com o Estado e tenho a certeza de que a Universidade também cuidará muito bem do hospital que inauguramos e que não é do governo do estado e sim da população”, enfatizou.

O novo prédio possui salas de aula climatizadas, auditório, biblioteca, restaurante universitário, quadra poliesportiva e sala de professores. O Campus de Pinheiro possui os cursos de Licenciatura em Ciências Humanas, Ciências Naturais, Educação Física, Enfermagem, Engenharia de Pesca e Medicina. São mais de 100 professores, em sua maioria doutores, mais de 720 estudantes, e mais de 50 técnico-administrativos que compõe o corpo funcional do Centro.

A estudante de medicina Camile Gonçalves Amorim considerou a entrega do hospital e laboratórios do curso um momento muito importante para a formação acadêmica. Estamos inseridos nesta comunidade, que é muito carente, então é uma alegria muito grande poder contar com esses equipamentos para ajudar na melhoia da atenção básica à saúde da população desta região, exclamou.

Hospital

Antes da solenidade no Campus de Pinheiro, o reitor Natalino Salgado participou, também na manhã de ontem, da inauguração do Hospital Regional da Baixada Maranhense Dr. Jackson Lago. A unidade de saúde atenderá cerca de 40 municípios da baixada e servirá de campo de estágio para os estudantes de Medicina e Enfermagem da UFMA. O complexo possui 122 leitos, dentre esses, 12 são de UTI e seis de internação intermediária. O hospital conta com 50 enfermeiros e 70 médicos nas mais diversas especialidades, já que será um hospital de média e alta complexidade, o maior da baixada maranhense.

Assessoria de Comunicação da Universidade Federal do Maranhão

Compartilhar