Reitora da UFMT é reconduzida ao cargo para segundo mandato

Reitora da UFMT é reconduzida ao cargo para segundo mandato

A reitora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Maria Lúcia Cavalii Neder, e o novo vice-reitor, João Carlos de Souza Maia, tomaram posse dia 26,  no Ginásio de Esportes, no campus de Cuiabá. À frente  da instituição desde 2008, Maria Lúcia assumiu o segundo mandato, com vigência até 2016.

A cerimônia contou com a participação do vice-governador do Estado, Francisco Daltro, do presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Daniel Iliescu, de vários secretários de Estado, parlamentares, ex-reitores, reitores de universidades públicas e privadas, dirigentes sindicais e de Conselhos de classe, representantes de segmentos da sociedade civil organizada, diretores de institutos e faculdades, chefes de Departamentos, coordenadores de cursos, alunos, professores e técnicos administrativos. A transmissão do cargo foi feita pelo vice-reitor no exercício da Reitoria, Francisco Souto .

Além da reitora Maria Lúcia, fizeram uso da palavra o vice-reitor, Francisco Souto; o vice-reitor empossado, João Carlos Maia; o vice-governador Francisco Daltro; o presidente da UNE, Daniel Iliescu; o coordenador geral do Sindicato dos Trabalhadores da UFMT (Sintuf), Antônio Benedito Assunção; o presidente do Sindicato dos Professores da UFMT, Carlos Alberto Eilert; e o representante do Diretório Central dos Estudantes (DCE), Vitor César. Todos foram unânimes ao ressaltar o papel da UFMT, importante polo de conhecimento, para o desenvolvimento e crescimento de Mato Grosso, da região e do país.

“A UFMT é um dos pilares de construção do Estado”, discursou o vice-governador Francisco Daltro. Ele falou do saldo positivo do primeiro mandato da gestão Maria Lúcia, do fortalecimento e ampliação das parcerias com a instituição e do apoio do governo estadual aos cursos de graduação, pós-graduação e pesquisa.

Para Daniel Iliescu, o momento exige ousadia. Ele defendeu a conciliação de esforços para a expansão do ensino superior no Brasil, que hoje atinge apenas 14% da população jovem brasileira, com a permanência dos estudantes nas universidades. Reafirmou a defesa dos 10% do Produto Interno Bruto (PIB) para a educação. Ele falou ainda da combinação de diálogo, mobilização e pressão para conquista de direitos. Segundo ele, a Lei de Cotas (Lei 12.711, de 29 de agosto de 2012), “vai mudar a cara da universidade”. A Lei de Cotas prevê que universidades e institutos federais devem destinar 50% das vagas para estudantes que frequentaram todo o ensino médio em escolas públicas.

Novos paradigmas
“Esta nova gestão, a exemplo da anterior, será pautada na compreensão de que, como instituição social, circunscrita a contextos históricos, políticos, econômicos e culturais determinados, a universidade tem responsabilidade na luta pela melhoria das condições de vida das pessoas e pela organização social alicerçada nos princípios da igualdade, respeito à diversidade e inclusão social”, discursou Maria Lúcia ao destacar a alegria e responsabilidade de assumir a Reitoria da UFMT por mais quatro anos.

Para Maria Lúcia, “em seus processos formadores, a universidade deve ter sempre presente, além da dimensão técnico-científica, significativa para a formação do estudante para o mundo do trabalho contemporâneo, a dimensão ética, estética, política e cultural, significativa para a formação de um cidadão crítico, comprometido com a construção de uma sociedade mais justa e democrática”.

Segundo a reitora, “é importante que estejamos  comprometidos com a proposta de formação que traga a percepção de mundo holística, global, sistêmica, que compreenda o perfeito entrosamento dos indivíduos nos processos cíclicos da natureza, uma proposta capaz de gerar um novo sistema ético respaldado por novos valores e que nos leve a um novo diálogo criativo do homem consigo mesmo, com a sociedade e com a natureza, mas que, ao mesmo tempo reconheça a importância das novas parcerias entre a educação e os avanços científicos e tecnológicos presentes no mundo de hoje”. 
               
Maria Lúcia falou ainda dos desafios postos às instituições educacionais pelo novo paradigma do processo de ensino e de aprendizagem. Na era da produção do conhecimento, a pedagogia deve ir muito além da mera transmissão de conteúdos e reprodução das informações. “A nova pedagogia exige a capacidade, tanto do professor quanto do aluno, de construir e reconstruir conhecimento, ou seja, o desenvolvimento da autonomia. A metodologia do aprender a aprender é que possibilitará a autonomia do sujeito,” afirmou.

“A UFMT, instituição respeitada nacionalmente, é fruto de luta e construções coletivas”, frisou Maria Lúcia ao fazer uma retrospectiva histórica dos 41 anos da instituição, deste a criação em 10 de dezembro de 1970, pontuando os feitos e desafios de cada um de seus antecessores, de Gabriel Novis Neves (gestão 1972 a 1982), passando por Benedito Pedro Dorileo (gestão 1982 a 1984), Eduardo Delamônica Freire (gestão 1984 a 1988), Augusto Frederico Müller Júnior (gestão 1988 a 1992), Luzia Guimarães (1992 a 1996), Fernando Nogueira (1996 a 2000) até chegar à gestão de Paulo Speller (2000 a 2008).

Novos desafios
Maria Lúcia fez um balanço dos trabalhos do primeiro mandato e qualidade acadêmica conquistada, resultado da conjugação de esforços de toda a comunidade universitária, e elencou os desafios para os próximos quatro anos. Dentre os desafios estão: ampliação da participação em projetos estratégicos para Mato Grosso; fortalecimento do processo de interlocução com a sociedade civil organizada; reestruturação acadêmico-administrativa da UFMT, na busca de avanços epistemológicos na construção dos currículos, trazendo a investigação, a extensão e a internacionalização como eixos estruturantes; discussão e aprovação do Regimento Geral; fortalecimento dos grupos de pesquisa , com maiores investimentos m laboratórios; criação de fóruns de ensino, pesquisa e extensão como auxiliares na definição de políticas institucionais; consolidação da pós-graduação; ampliação dos programas de assistência estudantil e de capacitação dos servidores técnicos administrativos e professores; ampliação do processo de internacionalização; construção e implantação do novo Hospital Universitário Júlio Müller (HUJM); construção e implantação do campus de Várzea Grande; a criação de novos campi no interior;  ampliação dos espaços didáticos; criação de um centro de formação de professores para convivência e projetos que agreguem toda as licenciaturas; construção de centros de vivência e Casa de Estudante em todos os campi; e intensificar o processo de interlocução com o governo federal, banda de Mato Grosso e órgãos de controle.    

 

Economic Stimulus Package for Your Personal Economy and Mental Mind Set
free games online others tried to replicate his success

Successful Events in New York City Depend on the Venue
cheap prom dresses It allows you to explore fashions and styles from the past

Thrifty fashion shopper’s guide for March 4
forever21 Find The Best Fashion Merchandising Colleges In The Us

How to Become an Attractive Man
jeu gratuit But shortly after landing

Top Young Women Pop Music Artists
miniclip At any rate

Tail WOMEN’S SLEEVELESS NAILHEAD SNAP POLO
kleider But this accounts for only a small percentage of the stock

Top 10 Reasons To Tell Your Friends About Trade Your Charms
ballkleider free wives beauty advice

New Experience With Fashion Trends
games in the last 12 months

Compartilhar