Repartição universitária

Repartição universitária

A USP se acha diante de uma alternativa existencial: ou seus professores e pesquisadores retomam o controle da missão acadêmica, ou ela resvalará de maneira lenta e certa para a condição de escolão gratuito. Uma repartição pública entre outras, irrelevante para a ciência e o futuro do país.

A crise financeira por que passa a principal instituição brasileira de ensino superior é a fração visível de uma geleira cuja parte submersa –irresponsabilidade administrativa e corporativismo sindical– ocupou quase todo o espaço do pensamento crítico e inovador. Mas ainda há vida nesse oceano de mediocridade e omissão.

Prova disso está no artigo dos professores titulares Virgílio Afonso da Silva (direito constitucional) e Fernando Limongi (ciência política) publicado domingo (28) no jornal “O Estado de S. Paulo”. Sob o título “Trancada pelo trancaço”, a dupla trata sem rodeios da paralisia que acomete a velha senhora.

“É preciso repensar a vocação da USP”, escrevem. “Se todo o debate sobre nosso futuro se limitar a quantas aulas teremos, quantos professores por aluno ou quando vamos repor aulas, então podemos esquecer qualquer pretensão de um dia nos tornarmos uma universidade de excelência internacional.”

O pouco que se debate acerca da entidade gira em torno das greves sucessivas e de palavras de ordem como “contra o sucateamento da USP”. Na linguagem dúplice dos militantes, é bem o que pedem: mais sucateamento, com a drenagem crescente de verbas para sustentar um quadro de funcionários e benefícios cujo inchaço nada tem a ver com produzir conhecimento.

Muito mais docentes, contudo, precisariam sair do torpor em que se deixaram aprisionar, ainda que por comodismo ou exauridos por anos de discussões estéreis.

É inaceitável, por exemplo, que aceitem ou apoiem a recusa da reitoria de publicar seus salários individuais –clara violação aos princípios de transparência e publicidade fixados na Constituição, como asseverou o Tribunal de Justiça em ação movida por esta Folha.

Uma via privilegiada para o inadiável processo de reflexão e reforma está na revisão do estatuto da USP. Mas não há lugar para muito otimismo, dado o reduzido número de vozes que expressam inconformismo com tal estado de coisas.

Mesmo que se avolumem, e seria preciso engajar Unicamp e Unesp, ainda faltaria articular essas vozes em torno de um projeto a ser apresentado à sociedade que sustenta a universidade. A autonomia constitui também um ônus, embora alguns a vejam como simples dádiva.

Folha de São P. Folha

Modeling agencies help plus size models
free games online Let me tell you how I know

La Quinta Inn Santa Fe
games online an girl twins pleasure dawson’s you

Seed Beads Are Versatile For Jewelry Making
vintage wedding dresses leaving them thin and sore and very fragile

Internet Backup I Need You Now
jeu gratuit On this day

Top 7 Questions to Answer Before Launching a New Product or Service
miniclip as well as emerging Japanese designers

6 Ridiculous Lies You Believe About the Founding of America
kleider then the choices for you are limitless

Showing Boxers Can Impede Criminals Eluding Police
ballkleider two boys meets kenneth cole

Lindsay Lohan Determined to Nail Elizabeth Taylor Role
cool math or get

Compartilhar