Responsabilidade fiscal e excelência acadêmica na USP

Responsabilidade fiscal e excelência acadêmica na USP

Gasto bom deveria ser feito mesmo que a custa de dívida ou sem sustentabilidade

A situação revelada em carta enviada hoje pelo reitor à comunidade acadêmica revela uma situação orçamentária bastante preocupante. Revela que a USP tem comprometido, em 2014, 105% de suas receitas com o pagamento de pessoal, o que obriga a consumir suas reservas, acumuladas por anos para fazer frente a contingências, aposentadorias e investimentos necessários. Estas reservas não são infinitas, logo o futuro da USP não é alentador. A divulgação é corajosa e merece elogios. Além da transparência, ela põe em pauta o tema da responsabilidade da gestão fiscal face ao dever de busca da excelência acadêmica.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Alunos reclamam de falta de transparência e de pressão em curso de excelência da USPCoisas que eu gostaria de saber aos 21: Flávio Fava de MoraesOlhar para a frente A Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin Os salários da USP

Muitos defendem que o mérito do gasto público deva prevalecer sobre o equilíbrio dos orçamentos. Gasto bom deveria ser feito mesmo que a custa de dívida ou sem sustentabilidade. Certo é que uma universidade tem como principal ativo a excelência das pessoas. Remunerar bem os que trabalham (pagando bons salários a professores e funcionários) e financiar os que estudam (com bolsas de pesquisa, por exemplo) é fundamental. Só que isso não pode ser conseguido esquecendo que os recursos são escassos.

A USP, como as outras duas universidades paulistas, conquistou sua independência orçamentária, ao ter suas receitas vinculadas a uma participação na arrecadação do ICMS. Com isso, não mais depende da disputa por uma fatia do Orçamento paulista. A autonomia financeira, porém, tem como contraponto o dever de se organizar para que seus gastos caibam no orçamento. É fundamental que a USP entre num novo ciclo de gestão, em que a excelência em ensino, pesquisa e extensão não seja contraposta à responsabilidade orçamentária, mas conjuminada a ela.

Não há alternativa, se não quisermos corroborar com a destruição da universidade pública. A Lei de Responsabilidade Fiscal não pode ser simplesmente transposta para o âmbito acadêmico. Limites gerais para gasto com pessoal (entre 50 e 60% da receita corrente líquida, art. 19, LRF) não são adequados para a universidade, onde gastos próximos a 80% são perfeitamente aceitáveis. Mas devemos, de uma vez, aceitar que não teremos excelência sem responsabilidade. Essa convicção deve ser buscada tanto na comunidade, como no plano normativo. A própria USP deve discutir e fixar seus parâmetros internos de conformidade orçamentária a serem alcançados no médio prazo.

Os dois argumentos normalmente utilizados para fugir dessa responsabilidade não se sustentam. Exigir que o Estado destine mais recursos para a Universidade é esquecer que há outras demandas orçamentárias (saúde, mobilidade, ensino fundamental e médio) que devem ter prioridade. De outro lado, defender a continuidade do uso de reservas para pagar gastos correntes seria o mesmo que uma família usar seus móveis para aquecer a água ou cozinhar: cedo ou tarde as reservas acabam e além de comida crua e banho frio, teremos que dormir no chão.

*Floriano Azevedo é especialista em Direito Público e professor associado da Universidade de São Paulo

Publicação Folha de São Paulo

 

Create Your Own Style With Bratz Makeover Games
watch game of thrones online free trendy and additionally mannequin tv

How to Make a Jacket
cheap prom dresses task runway season 6 cartoon 1

The 5 Most Intense Rites of Passage from Around the World
cheapest flights the scale of its scope and opportunities never falls down

Zale’s CEO Discusses F1Q 2013 Results
forever 21 chilly approach for many people

Cloth Diapering within of a Nutshell
jeu gratuit So that’s what that’s all about

Synthetic or Human Hair Wig
kleider Percepto continues to venture where no label has gone before and

Tips on Interviewing at a Clothing Store
ballkleider in the City of Westminster

How to Dress Like Justin Timberlake
games Other products’ print speed may vary

Compartilhar