Seriam as mulheres mais evoluídas?

Seriam as mulheres mais evoluídas?

Penso que sim, até mesmo porque dentre 12 habilidades/competências do ser humano, já estudadas e investigadas cientificamente, elas levam vantagem em 8.

Tanto a história como as nossas observações do dia-a-dia mostram que elas são diferentes de nós, homens, não pela natureza biológica, mas pelo simples fato de serem verdadeiramente mais humanas – já que somos a espécie dita mais evoluída do planeta; agridem muito menos tanto os seus semelhantes quanto a natureza; causam muito menos acidentes e mortes no trânsito; são em número bem inferior nas prisões do mundo todo e, em muitos casos, estão lá por culpa e mando deles; causam infinitamente menos pedofilia e é muito raro noticiar-se casos de incesto cometidos por elas, só para citar algumas obviedades.

Nós homens, ao contrário, por decisão própria ou a mando nosso, cometemos as maiores catástrofes e barbáries da humanidade, senão vejamos: quem decidiu e realizou as grandes guerras? Quem exterminou de uma só vez mais de 6 milhões de semelhantes? Quem ordenou que fossem lançadas bombas atômicas para matar, indistintamente, milhares de crianças, jovens, adultos e velhos? Quem determinou a santa inquisição? Quem mandou e manda apedrejar mulheres até a morte? Quem é responsável pela “má fama”, na sociedade atual, da política em nosso país? E não se trata aqui de abordar as exceções à regra.

Elas geram vida e nós já somos dispensáveis para isso. Até o Criador, quando quis, utilizou uma mulher para conceber o Salvador e foi uma mulher quem enxugou o Seu suor quando Ele caiu exausto. Nós lhe impingimos a traição, a condenação e o calvário.

A vida na terra já tem bilhões de anos e desde que o homem desceu das árvores e passou a ser bípede, lá se vão milhões de anos. É certo que evoluímos todos, até porque espécie que não evolui é extinta. Mas daí a dizer que somos (nós) superiores, como dizem e pensam alguns machistas, vai uma grande diferença. Observem uma colméia, sociedade extremamente organizada, e vejam que só existe uma rainha-mãe, que manda, sendo todos os outros necessários, mas coadjuvantes. Já pararam para observar a beleza de uma rosa, talvez a rainha dentre os vegetais!

Foram, por sinal, os vegetais da América que surpreenderam Charles Darwin, o pai da Teoria da Evolução, tão criticado e atacado à época. Acho que ele não se deteve para estudar as diferenças entre o cravo e a rosa e nem sobre os homens e as mulheres. Ele foi grande e, merecidamente, nesta semana de carnaval que coincidiu com o Dia Internacional da Mulher, recebeu uma justa homenagem na Marquês de Sapucaí, da União da Ilha do Governador. No momento em que escrevo este artigo, ainda não saiu o resultado, mas, para mim, ela deveria ser campeã do carnaval carioca.

Mesmo tendo menos massa encefálica e músculos, elas sabem utilizar bem melhor estes e outros órgãos do corpo humano. Elas são capazes até, de realizar uma tripla ou quádrupla jornada diária e nós, a quê nos limitamos? Talvez a trabalhar e impor a elas o desejo de submissão que vem desde a época das cavernas, ou mesmo antes.

Não gosto de machismo e combato o feminismo alienado. Acho, entretanto, que elas deveriam, cada vez mais, assumir o comando a tempo de salvar o planeta e a espécie Homo sapiens. Se não me provarem o contrário, começo sim, a formar convicção de que elas são efetivamente mais evoluídas que nós.

João Carlos Brahm Cousin é Professor Titular, Doutor e Reitor da Universidade Federal do Rio Grande – FURG

 

Compartilhar