Sisu – MEC admite que calculou mal o número de acessos ao sistema de vagas em universidades

Sisu – MEC admite que calculou mal o número de acessos ao sistema de vagas em universidades

BRASÍLIA – Depois de uma série de erros na aplicação do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) 2010, uma nova confusão marcou ontem a abertura do processo de seleção dos candidatos a vagas em universidades federais. No primeiro dia de funcionamento do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), alunos tiveram dificuldade para se credenciar a uma das 83.125 vagas oferecidas para quem fez o Enem e quer entrar nas federais sem precisar fazer o vestibular. No final do dia, o Ministério da Educação admitiu que subestimara o número de acessos ao sistema, que, por conta da sobrecarga, ficou lento.

O MEC informou que foi obrigado a ampliar a capacidade da rede para evitar o colapso das operações. O ministério montou o sistema com condições de suportar entre 350 e 400 inscrições por minuto. No início da tarde, o Sisu chegou a registrar 600 – momento crítico, em que houve o maior congestionamento. De acordo com o MEC, o site do aluno chegou a ter 84 mil acessos simultâneos. Ao todo, houve 16,5 milhões de acessos às páginas do site, número considerado extremamente elevado pela pasta

O prazo de inscrições termina amanhã, às 23h59m, mas o ministro da Educação, Fernando Haddad, deve anunciar hoje a prorrogação com o objetivo de impedir que 9.500 estudantes da Região Serrana do Rio – afetados pela enchente – sejam prejudicados.

Até as 19h de ontem, 149 mil haviam se inscrito para concorrer a uma das 83.125 vagas em instituições federais e estaduais, que utilizam exclusivamente as notas do Enem para selecionar novos alunos. Ao todo, 39 universidades federais, 38 institutos federais, cinco universidades estaduais e uma escola nacional participam do Sisu.

O MEC assegura que, apesar dos relatos de estudantes que não conseguiram se inscrever, o sistema não chegou a ficar fora do ar. Este é o segundo ano consecutivo de problemas. Em 2010, o MEC também subestimou o volume de acessos simultâneos. De acordo com a assessoria de imprensa, no ano passado, os técnicos projetaram 150 inscrições por minuto, mas a média ficou em 300.

Outro problema é o tempo médio para cada inscrição: houve casos de estudantes que navegaram no site por 40 minutos. Por isso, o ministro Fernando Haddad também deve anunciar hoje a aplicação de um limitador de tempo de acesso. Os técnicos do MEC avaliam que as inscrições podem ser feitas em cerca de dez minutos.

Uma das razões apontadas para o elevado congestionamento foi o uso do site do aluno para fazer simulações, que devem ser feitas no hotsite do Sisu. Ontem, o hotsite teve até 47 mil acessos simultâneos, um pouco mais da metade daqueles efetuados no site do aluno, que demanda uma senha para ser acessado.

Além da corrida para evitar a queda do sistema, o governo estudou ontem uma fórmula para impedir que os alunos da Região Serrana do Rio sejam prejudicados. Paralelamente à prorrogação do prazo de inscrições para o Sisu, o MEC pode anunciar que as notas do Enem aplicado em novembro de 2010 terão dois anos de validade.

Veja, passo a passo, como fazer sua inscrição

O MEC, em conjunto com o Ministério das Comunicações, determinou três postos de atendimento (lan houses) em Teresópolis, Nova Friburgo e Petrópolis, onde os estudantes podem ter acesso gratuito à internet só para se inscreverem no Sisu. Todos os campi do Instituto Federal do Rio de Janeiro, do Instituto Federal Fluminense e do Cefet Rio também disponibilizam, a partir de hoje, acesso à internet.

Em Teresópolis, os alunos poderão acessá-la na Avenida Oliveira Botelho 87, Bairro Alto. Em Nova Friburgo, na Rua Alberto Brauen 227. Em Petrópolis, devem buscar o campus do Cefet, no prédio do antigo Fórum, no Centro da cidade.

Compartilhar