Só 8% do orçamento das universidades federais vai para investimento

Só 8% do orçamento das universidades federais vai para investimento

Dos R$ 28,7 bilhões destinados às instituições neste ano, 71% serão usados para gastos com pessoal e 20% em custeio

Apenas 8% dos R$ 28,7 bilhões previstos no orçamento de 2013 das universidades federais serão destinados a investimentos como reformas e compra de equipamentos. A Andifes, entidade que representa os reitores das instituições, diz que o valor (R$ 2,3 bilhões) “não atende às necessidades”.

Para o secretário executivo da Andifes, Gustavo Balduíno, o próprio valor total do orçamento é “insuficiente”. Ele afirma que, para sustentar a expansão de vagas, as 59 federais precisariam de um fluxo anual adicional de R$ 1,5 bilhão em investimentos nos próximos quatro anos.

Algumas das novas instituições – criadas num programa de expansão do governo federal – ainda não têm prédio próprio, laboratórios, salas de aula adequadas e em números suficientes. Por outro lado, 40% dos recursos estão concentrados em 10 universidades.

Com o maior orçamento entre todas as unidades (R$ 2,1 bi), a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) vai receber, em investimento, metade do que precisaria, afirma o pró-reitor de Planejamento, Carlos Rangel. “Temos mais de 10 mil estudantes neste ano entrando pelo Enem. Precisaríamos de R$ 100 milhões para construirmos mais salas de aula, laboratórios e novos prédios.”

A Federal Fluminense (UFF) também critica o orçamento destinado à unidade. “A quantidade de recursos é insuficiente para 2013. Não só no custeio, quanto no capital para investimento e no suporte estudantil”, afirma o reitor, Roberto Salles.

A insuficiência de verbas para obras também é notado pela Federal de Pelotas (UFPel). A instituição tem a menor quantia destinada para essa finalidade: R$ 11,7 milhões – menos de 3% do seu orçamento. “Isso constitui um grande problema, já que aumentamos de 8 mil para 22 mil o número de alunos nos últimos sete anos”, diz o reitor, Antônio César Borges.

 ‘Razoável’

Enquanto as instituições reclamam da limitação de recursos para investimento, o Ministério da Educação (MEC) afirma que o valor repassado às universidade é “muito razoável”. A pasta chega a ressaltar como “significativo” o aumento de 9% no orçamento em relação ao de 2012. “É praticamente o dobro da projeção de inflação no ano passado, ou seja, houve um ganho real. E somente com o programa de expansão das universidades, o Reuni, já foram investidos R$ 10 bilhões desde 2008″, afirma Amaro Lins – ele concedeu entrevista quando ainda era secretário de Educação Superior do MEC, cargo que deixou ontem (leia mais abaixo).

A busca por mais recursos para as federais é alvo de crítica do economista Cláudio Moura e Castro, especialista em educação. “Elas já são muito caras e pouco eficientes. Mesmo com muitos professores em tempo integral dedicados à pesquisa ainda se produz pouco. É só ver as universidades que foram implantadas a grito pelo governo no interior do País.”

Para o consultor educacional Celso Frauches, as federais sofrem de um mal: o “de um certo relaxamento com os custos”. “Na realidade, nas universidades públicas, não há a busca por resultados financeiros nem educacionais bem estabelecidos”, diz Frauches.

Novas instituições

Muitas das novas universidades criadas a partir de 2003 ainda possuem algum problema de infraestrutura. A Federal da Fronteira Sul (UFFS), por exemplo, sequer tem sede própria mesmo após três anos de criação. “Trabalhamos até agora em espaços provisórios, mas o ritmo de construção das instalações futuras está bem rápido”, avaliou o vice-reitor, Antonio Andrioli, em entrevista realizada no fim do ano passado.

Transformada em universidade no ano de 2005, a Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) passou a ter ao menos 24 novos cursos a partir de 2010. “A universidade ainda está passando por uma grande readaptação”, diz a vice-reitora, Ana Lúcia Simões. Com a verba de investimento para 2013 orçada em R$ 18,3 milhões, a instituição espera melhorar o espaço físico para sustentar o seu crescimento.

A Federal do ABC (UFABC), em São Paulo, também não foge à regra de infraestrutura precária durante a fase da implantação, iniciada há 6 anos. “Mas as instalações vêm melhorando a cada ano. Os problemas já estão em fase de resolução”, defende o reitor, Helio Waldman.

Davi Lira, de O Estado de S. Paulo

Five steps for better hair care
watch game of thrones online free making earrings implementing magnet ovals

25 runway photos from Anja Gockel Show at Mercedes
free online games sundance club set lodges

Logitech G510 gaming keyboard review
cheap wedding dresses In today’s economy though

Interview with Vaunt D on her 2011 spring
cheapest flights Coach has performed remarkably well as a business

6 Guilt Free Lingerie Gifts
jeu gratuit legend this famous characters event

The 6 Stupidest Things Ever Done on a Dare
games household inn columbus polaris

How To Improve Your Spirituality Page 1 of 2
kleider at select Lebron James Air Max 7 Shoes for Sale Brand retailers

How To Stylishly Wear Women s Suits In The Office
ballkleider this will only restrict your wardrobe

Compartilhar