UFAL cria quatro novos cursos de graduação

UFAL cria quatro novos cursos de graduação

O Conselho Universitário da Universidade Federal de Alagoas, em reunião extraordinária presidida pelo reitor Eurico Barros Lôbo Filho, aprovou na quinta-feira, 15 de julho, a criação de mais quatro cursos de graduação para o Campus Maceió. São eles: Engenharia de Petróleo, Engenharia de Computação, Design e Química Tecnológica e Industrial, que já entram no Processo Seletivo de 2010, a se realizar em novembro. Química Tecnológica e Industrial é o único que funcionará no horário noturno.

Os quatro novos cursos integram o Programa de Reestruturação e Expansão das  Universidades (Reuni) e cria mais 185 vagas, totalizando este ano 5.113  vagas na área de graduação da Universidade Federal de Alagoas,  que passa a contar com 76 cursos entre  diurnos e noturnos . Do total de vagas, 3.582 estão no Campus Maceió.

O Campus Arapiraca e Polos, com 16 cursos de graduação, oferta a partir deste ano  também no horário noturno Letras (40 vagas), Pedagogia (40 vagas) e contará com um curso novo que é  Administração Pública (40 vagas) , no mesmo horário, colocando à disposição da sociedade um total de 840 vagas. Na modalidade de Educação a Distância também foi criado o curso de Geografia, já com Processo Seletivo este ano.

A coordenadora dos cursos de graduação da Pró-reitoria de Graduação da Ufal, Elza Maria da Silva, diz  que todas as metas do Programa Reuni relacionadas à ampliação de vagas na área de graduação já foram atingidas antes do período determinado. “Essa ampliação era para ocorrer até 2012, mas as metas propostas foram atingidas no terceiro ano do programa”, afirma ela.

Novos cursos acompanham ampliação do mercado de trabalho

O Curso de Engenharia de Petróleo integra o Centro de Tecnologia (CTEC), oferta 40 vagas, mas só terá a primeira entrada no segundo semestre de 2011. O curso tem duração de cinco anos e objetiva formar profissional para atuar como cientista nas áreas de petróleo e gás com competência para projetar, conduzir experimentos e interpretar resultados nas áreas definidas. Atualmente há no país uma carência de cinco mil profissionais qualificados em petróleo e gás.

O Curso de Engenharia de Computação está atrelado ao Instituto de Computação (IC), que já conta com Ciência da Computação.  O curso tem duração mínima de cinco anos e máxima de sete anos, oferta 60 vagas e formará profissional engenheiro apto a ser um profissional capacitado para especificar, conceber, desenvolver, integrar, implementar, adaptar, produzir, implantar e supervisionar sistemas computacionais para o exercício das profissões na área de projeto de sistemas inteligentes, embarcados, móveis e de automação e controle.

Uma das diferenças existentes entre o profissional de Engenharia da Computação e da Ciência da Computação, é que este último tem como uma das ações criar programas que organizem, classifiquem, façam a indexação e permitam acesso à informação e máquinas, elaborando,  também,  programas de computador, adaptando-se às necessidades do cliente. Na área de Computação, a Ufal também oferece Sistemas de Informação na modalidade a distância.

O Curso de Design integra a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), tem duração de no mínimo quatro anos e máxima de seis anos, oferta 60 vagas e se concentra em três áreas; Design de Interiores, Design Gráfico e Design de Produtos. Tem entre os objetivos  difundir o conhecimento em Design, nos níveis de ensino, pesquisa e extensão; formar bacharéis capazes de atuar em diferentes áreas, com propostas inovadoras e sustentáveis, adequação ao mercado, empreendedorismo, inserção no contexto local e regional e promoção dos valores éticos, sociais e ambientais.

O Curso de Química Tecnológica e Industrial está atrelado ao Instituto de Química e  Biotenologia (IQB),  tem   duração mínima de  quatro anos e meio e máxima de sete anos e meio,  oferta  40 vagas , com duas entradas de 20 alunos e funcionará só  no horário noturno. O Bacharel em Química Tecnológica e Industrial deve ter formação generalista, com domínio das técnicas básicas de utilização de laboratórios e equipamentos, com condições de atuar nos campos de atividades socioeconômicas que envolvam as transformações da matéria; direcionando essas transformações, controlando os seus produtos, interpretando criticamente as etapas, efeitos e resultados; aplicando abordagens criativas à solução dos problemas e desenvolvendo novas aplicações e tecnologias de maneira crítica e participativa, pautado em princípios éticos e na realidade econômica, política, social e cultural.

Compartilhar