Universidade Federal do Amazonas completa 109 anos

Em 109 anos, a Universidade Federal do Amazonas abriga muitas histórias de docentes, técnicos e estudantes. Essas trajetórias se cruzam e impulsionam, continuamente, o aprimoramento institucional.

Docente decano em atividade, professor Frederico Arruda afirma que é um privilégio fazer parte da história da UfamDocente decano em atividade, professor Frederico Arruda afirma que é um privilégio fazer parte da história da UfamNeste texto alusivo à comemoração de 109 da Universidade, foram reunidos quatro relatos que destacam como cada professor, cada técnico e cada estudante faz parte dessa história. Do professor mais antigo em atividade à técnica-administrativa em educação com ingresso mais recente na instituição. Da arquiteta que é a primeira mulher a gerir a Prefeitura do Campus Universitário ao estudante que alcançou o primeiro lugar geral no Processo Seletivo Contínuo (PSC), uma das formas de ingresso na Instituição. Personagens da comunidade universitária que trilharam um caminho de renúncias e muita dedicação para integrar a história da Ufam.

Ufam, minha vida – Docente mais antigo em atividade afirma que sempre quis ser professor da Ufam

Reconhecido pelo entusiasmo que emprega permanentemente em tudo o que faz, o docente mais antigo em atividade na Ufam, professor Frederico Arruda, afirma que é um privilégio fazer parte da história da Universidade. “Eu me sinto sempre renovado pela possibilidade de trabalhar em uma instituição de ensino superior. É um desafio muito especial por oferecer a possibilidade de, em todos os semestres, estar com estudantes e aprender com eles. Isso é fantástico. Acredito que os professores, ao abraçarem esse tipo de atividade devem se sentir assim, enxergando isso como um privilégio”, ressalta o docente.

Gratidão

Ele também demonstrou gratidão a quem o incentivou, decisivamente, a ingressar na carreira docente. “Eu ainda fazia o antigo curso científico no Colégio Estadual e um dia, casualmente, eu me encontrei com uma professora inesquecível, a professora Etelvina Garcia. Ela me perguntou o que eu queria ser. Eu respondi que queria fazer o curso universitário na área de saúde e, se possível, ser professor da nossa Universidade. Ela me disse que com essa profissão eu nunca seria rico, mas que era a melhor do mundo porque ela te paga para que você estude, aprenda e compartilhe o que você aprendeu com seus estudantes e que aprenda também com eles. A docência é uma profissão excepcionalmente bonita por isso. Eu nunca esqueci as palavras dela, que foram decisivas para que, de fato, eu seguisse a carreira docente. Eu já comentei isso com ela, mas eu não sei se ela consegue perceber a influência que teve aquela conversa de meia hora. Eu sempre tive uma admiração muito grande por ela e aproveito esta oportunidade para expressar isso”, destacou.

Mensagem de um decano

Prefeita do Campus Universitário, arquiteta Carmem Silvia Guimarães, ressalta que toda a comunidade universitária deve zelar, permanentemente, pela UfamPrefeita do Campus Universitário, arquiteta Carmem Silvia Guimarães, ressalta que toda a comunidade universitária deve zelar, permanentemente, pela UfamO decano entre os professores em atividade na Ufam aproveitou para deixar uma mensagem para toda a comunidade universitária. “Tudo aquilo que tem sido feito ao longo de muitas gerações por técnicos, professores e estudantes para manter a Ufam viva é digno de admiração. Nós já atravessamos períodos muito difíceis e estamos, novamente, atravessando um período de perspectivas muito preocupantes, mas é um privilégio estar aqui. Não dou conselhos, apenas tento, de maneira muito sincera, passar um pouco da minha experiência e fico feliz se isso servir para estimular outros colegas nossos a ter uma experiência de vida muito rica, uma experiência que realmente vale a pena. Se eu recomeçasse, eu recomeçaria da mesma forma que fiz quando me tornei professor. A luta é contínua, os obstáculos se renovam sempre e o fundamental é que nós, servidores públicos, sejamos capazes de enfrentá-los e sobrepujá-los, mantendo a nossa capacidade de mobilização política, porque sem isso não fica só difícil, como se torna impossível vencer as dificuldades”, ressaltou o docente decano da Ufam.

Ufam, minha responsabilidade – prefeita do Campus afirma que zelar pela Universidade é tarefa de todos

A arquiteta do setor de Engenharia da Prefeitura do Campus (PCU), Carmem Silvia Viana Guimarães, é a primeira mulher a ocupar o cargo de prefeita da Universidade Federal do Amazonas. Ao receber o convite do reitor Sylvio Puga, pensou no desafio de resolver as demandas reprimidas dos setores, as dificuldades que a falta de recursos poderiam causar em sua administração, mas, principalmente, em atender da melhor forma a comunidade universitária.

Formada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Luterana do Brasil (Ulbra/Manaus), especialista em Sistemas Construtivos (UEA) e Artes Sacra na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), exerce o cargo de arquiteta no Departamento de Engenharia da PCU há dez anos, trabalhando especificamente com planejamento arquitetônico e fiscalizando obras.

Desafios

Logo que assumiu como arquiteta, seu primeiro trabalho foi reativar a obra do prédio do Ambulatório Araújo Lima (que estava paralisada), como também contribuiu na obra do Hospital Getúlio Vargas, entre outros trabalhos. “Sou uma pessoa que amo o que faço e a Universidade me proporcionou trabalhar no que gosto. Quando comecei na Prefeitura, vi que a obra do novo prédio do Ambulatório estava parada (o atendimento era realizado no prédio antigo sem muita estrutura). Na época, eu e o professor da Faculdade de Medicina, Gerson Nakagima, que era o vice-reitor, nos empenhamos em reativar a obra porque considerávamos o local de grande importância para o público que procurava os serviços de saúde no local”, afirmou.

Quando perguntada sobre ser a primeira mulher a assumir o cargo, afirmou que ficou assustada quando recebeu o convite porque é um desafio assumir o órgão em função da escassez de recursos e de muita cobrança tanto para um homem quanto para uma mulher. “Quando recebi o convite foi um pouco assustador porque é um desafio pra quem senta nesta cadeira, não é uma coisa fácil, especialmente pelas dificuldades financeiras que as universidades enfrentam. Temos que ter um pouco de criatividade e a ajuda dos colegas para administrar. Sem eles eu não faço nada. As demandas são grandes e sem a colaboração de todos, inclusive dos diretores das unidades, o trabalho fica prejudicado”, destacou.

Cuidado permanente

Marina Lima mudou-se de Brasília para Manaus e é a servidora técnico-administrativa com ingresso mais recente na UfamMarina Lima mudou-se de Brasília para Manaus e é a servidora técnico-administrativa com ingresso mais recente na UfamA prefeita ressaltou o desejo de que os estudantes, técnicos e professores cuidem da Universidade todos os dias. “A estrutura precisa ser permanentemente preservada pela comunidade. Espero que os estudantes sempre tenham zelo pela Ufam. A Instituição é de todos e precisamos cuidar deste patrimônio. Necessariamente, os cuidados se estendem também aos professores e aos técnicos. Temos um imenso desafio todos os dias para manter um mínimo de condições para atender a todos. Que possamos olhar a nossa Universidade com mais carinho”, disse.

Ufam, meu futuro – Mais nova TAE da UFAM quer crescer junto com a Universidade

Marina Lima é a servidora técnico-administrativa com menos tempo de exercício na UFAM. O dia nove de janeiro de 2018 foi o seu primeiro dia de trabalho na Pró-reitoria de Gestão de Pessoas (Progesp), onde está lotada como administradora.

Aprovada no concurso de 2017, Marina está realizada por ter a oportunidade de atuar em sua área de formação e promete contribuir para que a Universidade alcance seus objetivos. “Eu quero muito implementar todo o conhecimento que eu adquiri na faculdade. Tenho uns projetos que ela [a UFAM] ainda não tem”, diz.

Lucas Oliveira Lima, primeiro lugar geral no PSC, será o primeiro médico da família deleLucas Oliveira Lima, primeiro lugar geral no PSC, será o primeiro médico da família deleNatural de Curitiba, mas residente em Brasília por 12 anos, Marina não hesitou em deixar a capital do País para morar no Amazonas. “Foi bem ruim deixar Brasília, mas a adaptação tem sido bem tranquila. As pessoas aqui são bem receptivas, mais amigáveis. Oferecem cinco vezes mais do que o que pedimos ou perguntamos”, revela.

Com 29 anos de idade, a Ufam é a primeira experiência profissional em administração da jovem que dedicara dois anos aos estudos para ingressar no serviço público. Sendo a mais nova dos técnico-administrativos em educação a compor a equipe de servidores da Ufam, Marina faz votos de maior crescimento e reconhecimento para a instituição. “Espero que esta Universidade produza muito conhecimento sempre. Que esteja crescendo no mundo, não só no Brasil, que receba bons profissionais que formem alunos além do conhecimento científico, mas também moral, para mudar o Brasil que está precisando bastante”, disse.

Ufam, minha conquista – Primeiro lugar no PSC decidiu pelo emblema Ufam no diploma

Responsável pelo melhor resultado no Processo Seletivo Contínuo (PSC), Lucas Oliveira Lima alcançou 450 dos 540 possíveis, obtendo um percentual de sucesso de 83% no somatório das três Reitor, professor Sylvio Puga, e vice-reitor, professor Jacob Cohen, cumprimentam a comunidade universitária no aniversário de 109 anos da InstituiçãoReitor, professor Sylvio Puga, e vice-reitor, professor Jacob Cohen, cumprimentam a comunidade universitária no aniversário de 109 anos da Instituiçãoetapas, pontuação que garantiu o primeiro lugar em Medicina. Mesmo tendo sido aprovado em outra instituição para o mesmo curso, o jovem já decidiu que levará no Diploma o emblema da centenária Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

Ele revela que será o primeiro médico da família – uma grande responsabilidade e que, em oportunidade anterior, conheceu o Campus Universitário Arthur Virgílio Filho. “Fiz a prova da Olimpíada de Astronomia no Campus. É um lugar diferente, tem um legado de mais de cem anos, é no meio de uma floresta e parece ter uma grande estrutura”, supõe o calouro.

Expectativas

A expectativa dele em relação à vida acadêmica gira em torno das possibilidades de contribuir em projetos de pesquisa e de extensão, como as Ligas Acadêmicas, e de vivenciar a prática ainda na graduação. “Farei o melhor para superar os limites e contribuir para o bem da comunidade na área médica”, garante Lucas, cuja mensagem para todos os calouros desta Universidade de 109 anos é a de que a aprovação no PSC é apenas o começo de uma jornada. “A batalha até aqui já foi bastante difícil, mas não pode ter desânimo. Temos que continuar estudando, porque ainda virão muitos desafios e aprendizados,” declara Lucas.

Festividades

Pela manhã, os servidores lotados no prédio da Administração Superior puderam conferir dois vídeos institucionais, um que homenageia a Instituição, com imagens do corpo técnico e acadêmico das estrututas no campus, extra campus e unidades acadêmicas e, o outro, com depoimentos dos servidores que ilustraram a campanha. Uma canção também foi composta especialmente para a data. A letra é do pró-reitor da Pró-reitoria de Extensão, professor Ricardo Bessa e a melodia, do artista Pedrinho Ribeiro.

Para enriquer a iniciativa, também foi criado um tema na rede social Facebook, cujo tutorial para usar pode ser visto aqui e é similar ao adotado na foto ao lado, do reitor e vice-reitor da Universidade. Os vídeos institucionais podem ser assistidos a partir da página da Ufam no Facebook.

Em seu pronunciamento, o reitor, professor Sylvio Puga, ressaltou que a ousadia sempre foi a principal característica de quem integra a Instituição ao longo desses 109 anos. “Essa é uma data muito importante para nós, porque é a data em que nossos fundadores tiveram a ousadia de criar uma universidade no interior da floresta amazônica, 109 anos atrás. E eles fizeram isso em um momento extremamente difícil, no final do ciclo da borracha. Então, esse espírito de ousadia e de inovação é o que move nossa Universidade nesses 109 anos. Essa trajetória nunca foi fácil, foi construída por todos aqueles que estiveram na Universidade. E continua não sendo fácil, mas conta com cada um de nós para a construção dos nossos avanços. No ano que vem, no aniversário de 110 anos da nossa Universidade, faremos uma grande festa para comemorar esse dia tão importante”, discursou o reitor.

Por: Ascom Ufam 

Compartilhe: