Ufam realiza primeira teleconsulta em neurocirurgia com o município de Humaitá

Ufam realiza primeira teleconsulta em neurocirurgia com o município de Humaitá

Economia de recursos públicos e diminuição de filas de espera por atendimento na área de saúde são apontados como vantagens das consultas online

A Universidade Federal do Amazonas realizou, no último dia 19 de setembro, a primeira teleconsulta em neurocirurgia com o município de Humaitá. A consulta online foi conduzida pelo neurocirurgião Robson Amorim, o qual destacou que a telessaúde deve ser incentivada no Amazonas. “Acredito que estes atendimentos da telessaúde podem ser o marcador de uma mudança de paradigma para uma nova realidade de atendimento para os pacientes que vivem nestas localidades. Hoje, recebemos no Ambulatório Araújo Lima muitos pacientes que poderiam ser orientados com auxílio da telessaúde”, afirmou o médico.

Melhoria no atendimento

Ele também ressalta como o atendimento online na área de neurocirurgia pode ser melhorado. “Não há neurocirurgiões no interior do Amazonas e a neurocirurgia trata de doenças que envolvem o cérebro e a coluna. Acredito que, com a colocação de tomógrafos, que são equipamentos fundamentais para a melhoria do atendimento em doentes neurológicos, nas cidades-polo, a telessaúde para o tratamento destas doenças tende a se expandir”, declarou o neurocirurgião, que também é professor Livre-Docente em Neurocirurgia.

Especialidades oferecidas

As consultas online da Gerência Multidisciplinar da Telessaúde da Ufam (GMTS) já eram oferecidas nas especialidades Dermatologia, pela dermatologista Patrícia Bandeira de Melo; Estomaterapia, pelo enfermeiro Frank Torres; Reumatologia, pelo reumatologista Domingos Sávio Lima; Nefrologia, pela nefrologista Ana Wanda Marinho; Neuropediatria, pelo neuropediatra João Francisco Tussolini; Pneumologia, pelo pneumologista Edson Andrade e Cardiologia, pelo cardiologista João Marcos Benfica.

Com atuação na área de Estomaterapia, área da Enfermagem que trata feridas agudas e crônicas, o enfermeiro Frank Torres afirma que a tecnologia usada a favor da saúde aproxima o especialista da capital das necessidades da população do interior do estado. “Com as teleconsultas, sentimos uma expressiva diminuição de filas de espera. Iniciamos os atendimentos com teleconsultas voltadas para pacientes com feridas, em especial as lesões diabéticas. As consultas online são realizadas às quartas-feiras, a partir das 10h, na Faculdade de Medicina, no Setor de Telemedicina. O cuidado a direcionado ao paciente é planejado cuidadosamente e as orientações são repassadas ao enfermeiro do município, no qual o profissional de lá adota as condutas recomendadas e, em certas situações, encaminhamos a outros especialistas para, dessa forma, complementar o tratamento do usuário”, afirma o profissional de saúde.

Novas especialidades

A gestora da Gerência Multidisciplinar da Telessaúde da Ufam (GMTS/Ufam), enfermeira Adriany Araújo, afirma que as teleconsultas realizadas pela Ufam contribuem para o avanço da saúde no Estado do Amazonas e anunciou que a GMTS pretende ampliar expandir essa modalidade de atendimento para outras especialidades. “O projeto piloto das consultas online atendeu, inicialmente, pacientes das cidades de Coari, Parintins, Itacoatiara e Humaitá, municípios onde a Universidade possui unidades acadêmicas. Também pretendemos oferecer consultas online nas áreas de ginecologia, ortopedia, endocrinologia, psiquiatria, dentre outras”, declarou a gestora.

Economia de recursos públicos

Segundo o vice-coordenador da GMTS, médico Pedro Elias, a economia de recursos públicos é uma das principais vantagens da modalidade de atendimento online. “É importante ressaltar a expressiva economia para os municípios atendidos via consulta online, principalmente no que se relaciona à redução de custos com remoção de pacientes para outros centros. Por exemplo, se esses 70 pacientes de Humaitá, que atendemos via consulta online, fossem encaminhamos para Manaus, seriam gastos mais 420 mil reais, considerando que o custo médio por paciente mais o acompanhante seja de 6 mil reais. Logo, acreditamos que as teleconsultas, além de efetivas, trazem economia para os municípios atendidos”, avaliou o médico.

Compartilhar