UFC cria Núcleo de Medicina Integrativa, que propõe novos paradigmas no tratamento

UFC cria Núcleo de Medicina Integrativa, que propõe novos paradigmas no tratamento

Foi criado na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará o Núcleo de Medicina Integrativa (Numi), aprovado pelo Departamento de Medicina Clínica em reunião realizada na terça-feira (26), que passa a constituir importante espaço de formação para os alunos daquela unidade acadêmica.

O Numi ficará sob a coordenação da Profª Paola Tôrres, médica onco-hematologista com formação em Medicina Integrativa pela Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, com mestrado e doutorado em Farmacologia pela UFC.

O Núcleo reunirá uma série de projetos de extensão e de pesquisa desenvolvidos desde 2013 na Universidade, como o de Práticas Somaestéticas Integrativas do Corpo Pentelementar (P5INCO), criado pelo Núcleo de Integração Somaestética (NISE), sob a coordenação do Prof. Francisco Silva Cavalcante Júnior, do Instituto de Educação Física e Esportes (Iefes), e o Projeto Transdisciplinaridade, Ecologia de Saberes, Currículo, Educação e Resistência (TECER), coordenado pela Profª Patrícia Limaverde, do Departamento de Biologia da Universidade Estadual do Ceará (UECE).

MUDANÇA DE PARADIGMA – Organizada como movimento de pesquisa dentro de universidades americanas desde meados dos anos 1970, a Medicina Integrativa propõe uma mudança de paradigma no tratamento médico, que deixa de ter a doença como ponto principal da atenção e passa a compreender o adoecimento do paciente em suas relações causais interdependentes de mente, corpo e espírito.

Na Medicina Integrativa o paciente (nesse paradigma, denominado de pessoa) é visto como agente responsável por sua melhora e o conceito da cura é ampliado para o restabelecimento do bem-estar físico, mental e social, conforme preconizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Na definição do Consortium of the Academic Health Centers for Integrative Medicine, “a Medicina Integrativa é a prática que reafirma a importância da relação entre médico e paciente, com foco na pessoa como um todo, embasada em evidências, e que usa de todas as abordagens terapêuticas apropriadas para alcançar saúde e cura”.

O médico Andrew Weil, um dos pioneiros da Medicina Integrativa e diretor do programa na Universidade do Arizona, explica a prática “como aquela que utiliza todos os tipos de terapias consagradas cientificamente, sejam oriundas da medicina convencional ou de sistemas médicos não tradicionais, para prevenir e tratar doenças e promover o bem-estar do paciente”.

COMPLEMENTARES – No Brasil, uma portaria do Ministério da Saúde criou em 2006 a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PIC), normatizando a oferta de tratamentos complementares no Sistema Único de Saúde (SUS) com os serviços de acupuntura, homeopatia, termalismo, plantas medicinais e fitoterapia. Atualmente, dados do Ministério da Saúde mostram que o SUS faz, em média, 385 mil procedimentos de acupuntura e mais de 300 mil de homeopatia por ano. A oferta desses serviços está disponível em cerca de 1.200 municípios brasileiros.

EXTENSÃO E PESQUISA – A principal atividade do Numi consiste nas ações de extensão e de pesquisa do Programa Intensivo Integrativo de Apoio e Revitalização (PRIINTAR) para pacientes em tratamento oncológico, que utilizam práticas integrativas e complementares, como meditação, ioga, terapias corporais e aconselhamento, na promoção da saúde de pacientes portadores de câncer.

Desse modo, os estudantes de Medicina e de outros cursos passam a ter contato com novas abordagens de tratamento centrado na pessoa, além do modelo biomédico classicamente ensinado.

O PRIINTAR é oferecido gratuitamente, em Fortaleza, no Instituto Roda da Vida, uma organização não governamental de caráter filantrópico e a primeira clínica de Medicina Integrativa do Brasil reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina e pelo Conselho Nacional de Saúde. Tem como presidente a médica Paola Tôrres.

Coordenadoria de Comunicação Social e Marketing Institucional – Universidade Federal do Ceará

Compartilhar