UFC promove Congresso de Direito, Economia, Educação e Geopolítica

A Faculdade de Economia, Administração, Atuária e Contabilidade (FEAAC) da Universidade Federal do Ceará realiza, de 12 a 14 de novembro, no prédio da unidade acadêmica (Av. da Universidade, 2431), o I Congresso Internacional de Direito, Economia, Educação e Geopolítica.

O evento tem como tema “Refugiados, transformações globais” e o objetivo é discutir a quantidade crescente de refugiados no atual cenário internacional, marcado por conflitos políticos, religiosos, culturais e econômicos.

O congresso foi idealizado pela estudante de Relações Internacionais e ativista cearense Karine Garcêz, em parceria com o Prof. Fábio Sobral, do Departamento de Teoria Econômica da UFC. Segundo Karine, a motivação para o evento é a necessidade de discussões mais aprofundadas sobre a problemática dos refugiados, que apesar de crescente é ainda pouco discutida em algumas perspectivas, inclusive a econômica.

O Prof. Fábio explica que muitas regiões foram empobrecidas por meio de ataques especulativos. “Ações geopolíticas jogam nações inteiras no caos. É o que causa o fluxo migratório de pessoas que lutam por suas vidas”, contextualiza, acrescentando que é preciso desmistificar as visões existentes sobre os refugiados.

Palestrantes nacionais e internacionais compõem a programação, que conta ainda com apresentações de trabalhos e eventos culturais e com o lançamento do livro Perfil sociodemográfico dos refugiados no Brasil, do pesquisador João Brígido. O público-alvo do congresso é constituído de professores, advogados, internacionalistas, estudiosos, gestores do poder público, estudantes universitários das diversas áreas do conhecimento, artistas, críticos de cinema e sociedade civil. Inscrições e outras informações são obtidas no site do evento ou pelo telefone (85) 3366 7827.

O congresso tem apoio do Instituto Latino-Americano de Estudos sobre Direito, Política e Democracia; do Viès – Núcleo de Crítica à Economia Política; da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-CE); e do Observatório das Nacionalidades, rede de pesquisa da Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Compartilhe: