UFCA promove audiência pública sobre implantação do curso de Letras/Libras no Cariri

UFCA promove audiência pública sobre implantação do curso de Letras/Libras no Cariri

A Universidade Federal do Cariri (UFCA) promove, na próxima sexta-feira, 10, uma audiência pública para discutir os impactos, na região do Cariri, da implantação do curso de Letras/Libras na instituição. O debate acontece a partir das 8h30min, no pátio da UFCA, no campus Juazeiro do Norte.

Segundo a Coordenadoria de Acessibilidade da UFCA, a implantação do curso de Letras/Libras tem a proposição de atender às demandas impostas pela inclusão dos surdos na Educação e a inclusão da Língua Brasileira de Sinais como disciplina no currículo educacional, formando professores para o ensino de Libras nos níveis fundamental, médio e superior.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indicam que cerca de 17 mil pessoas com algum tipo de deficiência auditiva vivem na região do Cariri. Em Juazeiro do Norte, já existe legislação que institui a obrigatoriedade da inclusão da Libras no currículo escolar desde 2010, porém, a quantidade de professores habilitados à função na região é insuficiente.

No dia 25 de maio deste ano, a UFCA realizou reunião sobre o projeto de implantação do curso de licenciatura em Letras-Libras, com a presença de membros da universidade e representantes do Instituto Transformar (Intra), que desenvolve atividades voltadas para a comunidade surda no Cariri.

Na oportunidade, destacou-se a importância do curso para a região, já que existem apenas dois em todo o Nordeste. “Quando o pessoal daqui da região pretende se formar em Letras-Libras, eles têm que se deslocar para o estado da Paraíba ou para a cidade de Fortaleza, pois só nesses dois locais do Nordeste tem esse curso”, enfatizou a assistente social do INTRA, Cleide Barbosa.

Para a coordenadora de Acessibilidade da UFCA, Cristina Silva, essa audiência é “uma oportunidade de debater acerca da temática, reconhecer a urgência de refletirmos sobre a importância dessa inclusão social não apenas da comunidade surda, mas para constituição de uma sociedade verdadeiramente plural e humanizada”.

Compartilhar