UFF- Trote Cultural une calouros e veteranos

UFF- Trote Cultural une calouros e veteranos

Doação de sangue, corte solidário de cabelo para confecção de perucas e limpeza de praias estão entre as ações promovidas

O Trote Cultural, criado em 2001, é uma alternativa aos trotes convencionais e tem como objetivo gerar impacto positivo para a sociedade. Com foco na cidadania, respeito à vida e cuidado com o meio ambiente, suas ações visam à preparação dos alunos não só para a formação de nível superior, mas também para sua consciência social e participação na construção de um Brasil mais justo. O projeto incentiva a realização de atividades socioculturais e voluntárias aos novos universitários, agregando assim valores em sua vida acadêmica e pessoal. A UFF foi a primeira universidade a declarar apoio público e formal às atividades de trote desenvolvidas pelos seus estudantes.

O projeto, que começou nos campi de Niterói, se expande a cada ano e já se consolidou como um marco do início dos semestres letivos para toda a comunidade estudantil. Atualmente, o evento conta também com a participação de 49 cursos de 6 unidades acadêmicas da UFF – Macaé, Niterói, Petrópolis, Santo Antônio de Pádua, Volta Redonda e Campos – em sua programação. O Trote será realizado até 9 de abril e a expectativa é que cerca de 4 mil pessoas participem das atividades.

Na opinião do vice-reitor, Antonio Claudio da Nóbrega, a UFF, enquanto comunidade, transformou o que no passado era somente um momento de recepção de novos alunos em uma ação de solidariedade, responsabilidade social e reflexão sobre nosso papel como universidade pública. “Nossos novos alunos já chegam inteirados sobre seu lugar no universo acadêmico e na sociedade, tornando-se atores e atrizes do seu processo de transformação”, afirma.

“O Trote Cultural foi implantado há 17 anos pela Pró-reitoria de Graduação (Prograd) e tem a intenção de receber os ingressantes com ações dignas dos nossos universitários, realizando trotes criativos, inovadores, solidários, encerrando-os com novatos e veteranos reunidos em uma grande festa de confraternização, sempre com uma proposta multidisciplinar, inovadora, dentro de espaços da própria universidade e de caráter cultural”, explica a servidora e coordenadora do projeto, Nelma Cezário.
Pude me envolver com o Trote Cultural três vezes e em cada uma delas tive uma experiência diferente que vou levar pra sempre”, estudante Caio Pacheco.

As campanhas – propostas pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE) e pelos Diretórios Acadêmicos (DAs) – são realizadas no início de cada período letivo e contam com a participação de veteranos e calouros que ingressaram nos diversos cursos de graduação. Por sua atuação direta em comunidades de baixo índice de desenvolvimento humano (IDH), em escolas públicas, orfanatos, asilos, além de palestras acadêmicas, visitas aos campi da universidade, visitas técnicas, etc., o Trote tornou-se um elemento de integração entre a comunidade estudantil, a instituição e a sociedade.

Segundo a coordenadora, a administração superior da universidade, técnico-administrativos e professores também participam ativamente das campanhas e dos eventos organizados e oferecem infraestrutura necessária às diversas produções, dentre elas, programação visual, cobertura jornalística, material gráfico, transporte, etc., potencializando os trotes de caráter social e/ou cultural.

Compartilhar