UFGD foi fundamental para inclusão dos povos indígenas no relatório da CNV

UFGD foi fundamental para inclusão dos povos indígenas no relatório da CNV

Além da contribuição para a Comissão Nacional da Verdade, trabalho de apuração e documentação vai continuar na Universidade

 

Resultado de antigas reivindicações dos movimentos de direitos humanos no Brasil, a Comissão Nacional da Verdade (CNV) foi criada pela Lei 12.528/2011 e instituída em 16 de maio de 2012, com a finalidade de apurar graves violações de direitos humanos ocorridas entre 18 de setembro de 1946 e 5 de outubro de 1988. Nesse sentido, representou uma importante conquista com relação à apuração da verdade sobre a ditadura e a possíveis reparações de danos às vítimas.

Dentre as diversas parcerias que a CNV firmou para desenvolver suas atividades, tem destaque a cooperação da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), principal responsável para que os povos indígenas de Mato Grosso do Sul (MS) fossem mencionados como vítimas de violações durante a ditadura militar.

Organizadas junto à Faculdade Intercultural Indígena (FAIND/UFGD), as duas sessões de audiência que aconteceram na Universidade contaram com a participação da reitoria, diversas pró-reitorias, além de muitos técnicos administrativos, docentes e estudantes indígenas e não indígenas. Além, é claro, do apoio de diversas outras instituições. Durante essas sessões, foram ouvidos povos guarani, kaiowá, terena, guató, ofaié, e uma terceira sessão foi organizada na aldeia Bananal, por demanda da comunidade indígena no município de Aquidauana.

De acordo com o professor da FAIND Neimar Machado de Sousa, pesquisador da área de Documentação Indígena que colaborou com as investigações da CNV aqui no estado, essa interação entre a Universidade e a CNV permitiu a constatação de fatos como derrubada e venda da mata nativa e instalação de projetos agropecuários no interior das reservas do MS que violaram os direitos humanos dos índios, deixando-os sem remédios, lenha, alimentos e plantas sagradas, além da diminuição da alimentação (caça e pesca).

“Além disso, nas violações contra os direitos dos povos indígenas houve participação direta, indireta e sistemática do Estado, seja mediante manobras ilegais no âmbito do legislativo, seja participação em atos violentos de expulsão, estupros, prisões, incêndios de casas, torturas e mortes”, afirma Neimar.

 

O trabalho continua

Um dos depoentes à CNV, Valdomiro Osvaldo Aquino, liderança da reserva indígena Panambizinho e membro do Conselho AtyGuasu, chamou a atenção para os métodos que hoje são utilizados contra os povos indígenas. “Antigamente nós éramos atacados com armas, balas. Hoje o que se usam contra nós são palavras, papéis, documentos. É o sistema político que está nos prejudicando”, afirmou Valdomiro, relacionando a falta de demarcação de terras e a violência que os povos indígenas enfrentam.

Por isso, mesmo com a entrega do relatório final da CNV, é importante destacar que o trabalho de apuração e documentação da verdade acerca da violência cometida contra esses povos após 1988 vai continuar sendo desenvolvido na FAIND.

 

 

 

Assessoria de Comunicação Social e Relações Públicas – ACS/UFGD

Liz Claiborne CEO Discusses Q3 2010 Results
watch game of thrones online free although it may just be the lighting

How to Raise Money for a College Fashion Show
mermaid wedding dresses The kneading stage should take about 10 minutes by hand

How To Raise Wholesome Little Girls
cheap flights 1940 the women skimpy bikinis available for evening

Looking For Cheap and Discount Christian Louboutin Shoes
jeux fr we are using slides to supplement our remarks

China Wind turbine Pitch systems Manufacture Technology and Processes
games salad dressing ellie kardashian could well bastardizing him self

The leading online Coach wholesale supplier
kleider Located 45 minutes from Los Angeles to the North

Women in Paris can now wear pants without breaking the law
ballkleider the major search engines ‘project glass’

Comparison of Replica Sunglasses With Branded Sunglasses
cool math Since I live in Texas now

Compartilhar