UFJF – Projeto identifica crianças e adolescentes com risco de desenvolverem transtornos alimentares

UFJF – Projeto identifica crianças e adolescentes com risco de desenvolverem transtornos alimentares

Cerca de 80% de jovens entre 10 e 16 anos não se sentem satisfeitos com sua imagem corporal. Esse foi o resultado obtido pelo projeto de extensão “Identificação e Prevenção de Transtornos Alimentares em Adolescentes” após avaliar 333 alunos de 35 escolas de Juiz de Fora. “O número de pessoas insatisfeitas com o próprio corpo é bastante elevado, inclusive o de crianças de 10 anos de idade. Essa insatisfação é o fator principal para desenvolver um transtorno alimentar”, comenta a bolsista do projeto Priscila Moreira.

A ação, desenvolvida pela Faculdade de Nutrição da Universidade Federal de Juiz (UFJF), tem como objetivo avaliar crianças e adolescentes que tenham risco de desenvolver algum tipo de transtorno alimentar. A coordenadora do projeto, professora Ana Paula Cândido, explica que o transtorno alimentar é toda alteração que o indivíduo pode apresentar em relação a sua imagem corporal ou a sua forma de se alimentar. “Existem aqueles que exageram em uma alimentação super saudável. Eles não comem uma bala, pois acreditam que vão engordar. É um excesso de preocupação.”

Entre os transtornos mais graves estão a bulimia, que é quando indivíduo come muito e depois realiza algum método compensatório, como vomitar; a anorexia, mais comum em meninas, caracterizada por uma rígida e insuficiente dieta alimentar e estresse físico; e vigorexia, mais comum em meninos, que é caracterizada por uma obcessão por ficar forte, o que leva ele a treinar o dia todo e fazer uso de dietas hiperproteicas e anabolizantes. De acordo com Ana Paula, a maior dificuldade encontrada para desenvolver o estudo é o grande número de alunos que não participam ou que abandonam o projeto.

Identificação

A tarefa de identificar pessoas com transtornos alimentares é difícil e só pode ser realizada com precisão por psicólogo ou psiquiatra. Porém a coordenadora do projeto aponta que a família deve ficar atenta quando o filho começa a ficar preocupado demais com o corpo. “Quando ele começa a deixar de fazer alguma atividade por causa da imagem, como sair porque está se sentindo gordo, é hora de se preocupar.”

Um agente importante na identificação precoce do problema é o professor. “Às vezes o professor identifica uma criança mais tímida que sofre bullying, fator que pode levá-la a esse transtorno alimentar”, explica Ana Paula. Por esse motivo, o projeto além de orientar os alunos, vai realizar esse trabalho com os professores. No final do projeto será apresentada uma cartilha direcionada aos professores e um gibi direcionado aos alunos.

Projeto Piloto

O projeto começou em 2012 na Escola Estadual Patruz de Souza, localizada no bairro Santa Terezinha. “Primeiro realizamos o estudo no Patruz para que os métodos utilizados na ação pudessem ser testados e melhorados antes de ampliar para outras escolas de Juiz de Fora”, conta a bolsista do projeto Cristiane do Carmo.

De 170 adolescentes entre 14 e 18 anos, que participaram da pesquisa na escola, 21,8% dos meninos e 39,3% das meninas possuem padrão alimentar não usual e 1,8% dos entrevistados apresentam comportamento alimentar compulsivo. Esse índice é alto comparado a valores encontrados em outros estudos, que ficam próximo a 1% e chegam, no máximo, a 1,5%. Em relação à satisfação corporal 35,7% dos meninos estão insatisfeitos e 25,43% das meninas estão insatisfeitas. E 16% das meninas tiveram risco de anorexia nervosa.

A partir do projeto piloto, as bolsistas Cristiane Costa do Carmo, Priscila Moreira Pereira e a coordenadora Ana Paula Cândido escreveram um artigo que ficou entre os 10 melhores do Brasil no prêmio Henri Nestlé, que avalia trabalhos científicos na área de alimentação.

Além do artigo, a bolsista Cristiane do Carmo está defendendo sua tese de mestrado a partir do estudo realizado pelo projeto. “A intenção é procurar os dados em relação a esses alunos de 11 a 14 anos e buscar caminhos pedagógicos de orientação para professores e alunos. Como sou professora, tentamos associar a questão da alimentação com a parte pedagógica e o que poderíamos fazer dentro da escola”, conclui.

 

Ascom UFJF

 

 

 

What Are the Disadvantages of Fashion Designing
watch game of thrones online free Ralph Lauren NYSE

How to Become a Magazine Editor
free games online While sales are expected to grow at approximately 8

Where to Buy Petite Clothing in the UK
online games which includes our quarterly report on Form 10 Q filed today

Could Europe And Weak Holiday Season Disrupt Recovery
cheapest flights killing begins vogue week

Lindsay Lohan Fashion Design Flop PICTURES VIDEO
jeux Ai follows Kent to the library where he works

JC Penney Labor Day Sale with super hot buys
miniclip then you are sure to find them there at a lower price

8 Scale Nitro Race Car With Pistol Grip Remote Control 220
kleider eco can be edgy

Testing An ISDN Connection Without Pings
games It soothes and brightens tired peepers

Compartilhar