UFMA – Implantação do Núcleo de Relações Internacionais amplia ações estratégicas

UFMA – Implantação do Núcleo de Relações Internacionais amplia ações estratégicas

SÃO LUÍS – A Universidade Federal do Maranhão ganha um grande reforço com a criação do Núcleo de Relações Internacionais. A nova ação faz parte das políticas do Programa de Internacionalização da UFMA, aprovada pelo Consepe, a partir da resolução Número 1698, de 12 de abril de 2018. O Núcleo continua no mesmo endereço da antiga Assessoria de Relações Internacionais: terceiro andar do Centro Pedagógico Paulo Freire, Asa Sul.

Maior dinamicidade

A mudança de Assessoria para Núcleo tem a ver com o reconhecimento da internacionalização do ponto de vista institucional. O novo formato visa criar atividades de forma interdependente, como frisa o diretor do Núcleo, Leonardo Dall’Agnol.

“A partir de divisões, o núcleo vem a responder a demanda do setor de internacionalização. Tais divisões possuem responsabilidades específicas para aumentar a capilaridade da internacionalização, ou seja, permear o aspecto internacional no tripé da universidade, o ensino, a pesquisa e a extensão, tanto no nível de graduação, quanto no nível de pós-graduação. Não é só uma mudança de nome, é uma nova forma de trabalhar a internacionalização na universidade”, destacou o professor.

O Núcleo pretende tornar o processo mais dinâmico, amplo e aprofundado, para assim trabalhar vários aspectos e conseguir elaborar um planejamento de longo prazo, além de continuar trabalhando as questões que a assessoria já cuidava, como os intercâmbios. No novo processo de pensar a internacionalização na UFMA, o Núcleo se divide em três setores.

Línguas e Cultura

A Divisão de Políticas Linguísticas e Culturais, coordenada pela professora Naiara Sales, é responsável por fazer o planejamento da oferta de línguas, tanto de inglês para nativos, quanto de português para estrangeiros, trabalhando juntamente com o Idiomas Sem Fronteiras.

“Serão tocados por essa divisão todas as políticas culturais, como Feiras de Cinema, Clube de Internacionalização, além de ações que superam os aspectos acadêmicos. Nós temos o foco de trabalhar não só com o dia a dia dessas questões, mas com o planejamento a longo prazo”, comentou o diretor do núcleo.

Prospecção e Articulação

A divisão de Prospecção e Articulação, coordenada pelo professor João Quadros, visa trabalhar dentro dos cursos de graduação e pós-graduação, além de outros parceiros externos à UFMA, como a Associação Coimbra de Universidades, as embaixadas e as associações de alunos.

“A ideia desse setor é discutir parcerias, protocolos de cooperação, trabalhando esses acordos com os cursos, tanto a nível de graduação como de pós. Vamos pensar em como internacionalizar o conteúdo, o alunado, o corpo técnico e o corpo docente. É fazer essa articulação para permitir e implementar essas medidas”, comentou Dall’Agnol.

Mobilidade e Intercâmbio

A divisão de Mobilidade e Intercâmbio, coordenada pela professora Josie Bastos, é responsável por trabalhar com os alunos da UFMA que vão fazer mobilidade internacional e também com os alunos que serão recebidos, no caso, os alunos estrangeiros.

“Essa divisão vai cuidar dos acordos de cooperação, dos fóruns de extensão, dos acompanhamentos desses acordos e como recepcionar os estudantes estrangeiros. Além de criar um banco de padrinhos para os estrangeiros que serão recepcionados”, destacou o diretor.

As múltiplas formas de se internacionalizar

O acolhimento do estudante internacional é outro ponto que será fortalecido com a criação do Núcleo. Além de fazer com que o aluno estrangeiro seja recebido da melhor forma, a troca de experiências com os alunos brasileiros também será trabalhada.

“É sempre uma troca. O nosso aluno, quando sai daqui, adquire experiência tanto profissional, quanto pessoal, de vivenciar o dia a dia em outro país e ter uma nova visão de mundo para compartilhar com a comunidade. O aluno estrangeiro tem igual importância, pois é quem vai trazer sua interpretação sobre a nossa realidade, construindo novas visões e somando com a gente. Então é interessante, pois nós não temos como mandar todos os nossos alunos nacionais para o exterior e, ao trazer os alunos estrangeiros para UFMA, aumentamos o impacto da internacionalização na nossa comunidade”, comentou.

Fortalecimento de parcerias

Projetos que já existem na instituição também serão parceiros do Núcleo. É o caso do projeto “Olhares do Brasil”, que já cooperava com o acolhimento do aluno internacional da Universidade Federal do Maranhão.

“Antes mesmo de entrar no Núcleo, eu já tinha ouvido falar do projeto Olhares do Brasil, conversei algumas vezes com a professora Josie Bastos sobre o projeto. Ele é uma ação extremamente importante para a UFMA, visa preencher essa demanda que nós tínhamos de acolhimento, de coisas que vamos trabalhar no núcleo. O Olhares vem exatamente ao encontro das nossas metas e complementa aquilo queremos fazer”, finalizou Dall’Agnol.

Todos os setores do Núcleo de Relações Internacionais já estão em atividade de segunda à sexta-feira.

 

Compartilhar