UFMG terá palestra da economista Maria da Conceição Tavares dentro do ciclo Sentimentos do Mundo

UFMG terá palestra da economista Maria da Conceição Tavares dentro do ciclo Sentimentos do Mundo

O Ciclo de Conferências Sentimentos do Mundo, promovido pela UFMG, volta este mês com a presença da economista Maria da Conceição Tavares. Abrindo o ciclo de eventos em 2010, o projeto promove no dia 24 de agosto, às 10h30, no auditório da Reitoria, campus Pampulha, a palestra O Brasil e a Crise Internacional, com participação da economista e apresentação do também economista Clélio Campolina, reitor da UFMG. Em comemoração aos 80 anos da intelectual, a programação contará também com o lançamento do livro Leituras Críticas sobre Maria da Conceição Tavares, da coleção Intelectuais do Brasil, organizado por Juarez Guimarães (Editora UFMG e Editora Fundação Perseu Abramo).

Ciclo de Conferências Sentimentos do Mundo

Em 2007, ao celebrar seus 80 anos de existência, a UFMG iniciou o Ciclo de Conferências Sentimentos do Mundo, do qual já participaram renomados intelectuais e pesquisadores – do Brasil e do exterior – de várias esferas do conhecimento, responsáveis por contribuições relevantes para a área na qual atuam. A finalidade do Ciclo é proporcionar a professores, pesquisadores e estudantes um espaço acadêmico privilegiado, marcado pela diversidade e pluralidade, que estimule a convergência dos saberes e o debate sobre temas da atualidade, assim como a divulgação do conhecimento e interação entre as diversas áreas. O Ciclo Sentimentos do Mundo conta ainda com uma programação de concertos e espetáculos apresentados ao ar livre no campus Pampulha da UFMG.

Outras informações no site www.ufmg.br/sentimentosdomundo

Maria da Conceição Tavares é portuguesa naturalizada brasileira e completou 80 anos no dia 24 de abril. É uma das economistas mais influentes do Brasil, professora titular da Unicamp e professora emérita da UFRJ. Foi professora de personalidades como Clélio Campolina, Dilma Rousseff e José Serra, com quem conviveu durante o exílio no Chile e escreveu o artigo Além da Estagnação. Durante a ditadura, foi ferrenha defensora da democracia e crítica da economia do regime militar. Membro do PT, é uma intelectual militante: já foi deputada federal pelo Rio de Janeiro e considera-se socialista utópica, tendo como principais influências os filósofos Keynes e Marx. Figura vigorosa e polêmica, de inteligência singular, se mantém extremamente importante para o pensamento sobre o Brasil contemporâneo e como crítica do neoliberalismo. Apesar de tratar de assuntos os mais variados, um tema perpassa toda a sua obra: a preocupação com os ditos países “periféricos”, como o Brasil, e sua numerosa população excluída economicamente.

Compartilhar