UFMT e SindiBio/MT firmam cooperação na área do biodiesel

UFMT e SindiBio/MT firmam cooperação na área do biodiesel

A Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e o Sindicato das Indústrias de Biodiesel de Mato Grosso (SindiBio/MT) assinaram, nesta quinta-feira (06), acordo de cooperação técnica e científica com a finalidade de “incentivar e facilitar a integração” entre a Instituição e as indústrias que compõem o sindicato para “a cooperação e o intercâmbio de atividades” na área do biodiesel. A reitora Maria Lúcia Cavalli Neder afirmou que o ato significa “um marco para a UFMT, que está em uma busca incessante no cumprimento de seu papel social e do compromisso com o desenvolvimento do Estado de Mato Grosso e do Brasil”. Disse que a universidade tem o papel, primeiro, de produzir e, segundo, de socializar o conhecimento e que o passo dado hoje contribui para reduzir os equívocos conceituais de como esse processo deve se dar, em especial na relação da universidade com o setor produtivo.

 

O presidente do SindiBio/MT, Sílvio Petrônio Rangel, destacou que “Mato Grosso está à frente” na área do biodiesel, contando com 27 unidades processadoras, sendo 23 cadastradas na Agência Nacional do Petróleo (ANP) e 15 já sindicalizadas. “Somos o primeiro estado a trabalhar com o biodiesel, o primeiro a formar o sindicato e agora o primeiro a trabalhar com uma universidade”, ressaltou. A reitora completou que, além das pesquisas e inovações em Biodiesel, a UFMT passou a fazer parte, no ano passado, da Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento do Setor Sucroalcooleiro (Ridesa), integrada por dez universidades.

 

Produção – O professor Paulo Teixeira, do Departamento de Química da UFMT, que atua em pesquisa para o desenvolvimento de novas metodologias para a produção de biodiesel e para a agregação de valor aos co-produtos, lembrou que a UFMT vem atuando nesse campo há alguns anos, tendo como preocupação, também, a difusão do tema. “Ninguém tinha visto falar do biodiesel e já atuávamos nesse campo, bem como realizamos três eventos, o Biodiesel BR, mostrando o que se poderia ter de resultado nessa cadeia produtiva”, ilustrou. Observou que o trabalho deve abranger toda a cadeia produtiva, passando pela pesquisa, pela formação de recursos humanos e pela transferência de tecnologia. Informou que a UFMT dispõe do Escritório de Inovação Tecnológica que cada vez mais deve atuar na relação entre a universidade e o setor economicamente produtivo. 

 

O acordo de cooperação assinado agora visa à “pesquisa, formação de recursos humanos, inovação tecnológica, desenvolvimento científico, prestação de serviços técnicos especializados e análises para certificação do produto e processos e realização de estudos técnicos para o desenvolvimento de processos produtivos considerados de interesse comum”. Insere-se no contexto da “posição expressiva e crescente” do Brasil, no mundo, no campo dos biocombustíveis; nos esforços nacionais empreendidos para consolidação e o desenvolvimento da cadeia produtiva do biodiesel; da competência técnica multidisciplinar da UFMT, “gerando o desenvolvimento para vários segmentos da sociedade mato-grossense”; e da posição promissora de Mato Grosso nessa área, “respondendo por 21% da capacidade nominal instalada do País”, entre outros.

 

Para o chefe do Departamento de Química da UFMT, Carbene França Lopes, trata-se de uma oportunidade “para que os alunos se insiram na realidade de Mato Grosso”. Adiantou que “os professores vêem com muito bons olhos essas iniciativas, preocupados que estão em melhorar as condições de ensino”. Teixeira completou, que a cooperação terá repercussão na pós-graduação, pois surge no momento em que se inicia o Mestrado em Química, cuja primeira turma deverá ingressar no segundo semestre deste ano.

 

O coordenador geral da Central Analítica de Combustíveis (Ceanc), Aylton José Terezo, docente do Departamento de Química, classificou a ação como “um momento histórico de aproximação da UFMT com o setor produtivo”. Também estiveram presentes no ato de assinatura, os professores Edvaldo Campos Filho, que atua no desenvolvimento de tecnologia na área de biocombustíveis; Evandro José da Silva, coordenador Técnico e Ivo Cuiabano Scaff, coordenador Administrativo-Financeiro da Ceanc e os empresários Fabiano Dall Agnol, da Bio Brazilian Italian Ltda., de Barra do Garças, e  Rodrigo Prosdócimo Pansera Guerra, da Bio Óleo.

        

Compartilhar