UFMT instala Conselho de Políticas de Ações Afirmativas

UFMT instala Conselho de Políticas de Ações Afirmativas

A Pró-Reitoria de Assistência Estudantil (Prae) instalou na manhã desta sexta-feira (6) o Conselho de Políticas de Ações Afirmativas da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com representações da comunidade acadêmica e da sociedade com atuação em favor dessas políticas . Este é o primeiro conselho dessa natureza instalado nas universidades e foi pensado desde a criação da Prae, no final de 2012, informou a pró-reitora Myrian Serra.

Para a reitora Maria Lúcia Cavalli Neder, “esse é um momento excepcional na vida da UFMT” e demonstra a compreensão da Universidade como uma instituição social que precisa trabalhar atentando para as relações políticas, sociais e as contradições existentes na sociedade mediante tomada de posições. “São princípios basilares da UFMT, a democratização do acesso e a inclusão social, que balizam as escolhas, as políticas e o planejamento”, afirmou. Ressaltou que o volume de recursos destinados às ações afirmativas para 2014 dão mostras dessa prioridade. São R$ 28 milhões, praticamente um terço do orçamento para o todo o custeio da Universidade, no valor de R$ 63 milhões.

Para a criação do Conselho foram sete reuniões desde novembro de 2013 até que se chegou ao consenso da composição do Conselho durante reunião no dia 14 de maio: um representante docente, um técnico-administrativo, cinco discentes ingressos por ações afirmativas, sendo, pelo menos, um estudante indígena, um estudante negro, um de escola pública e um com deficiência, além de três representantes de coletivos, núcleos, grupos ou programas internos que desenvolvam ações em favor de políticas afirmativas.

“Mas este não é um conselho qualquer; é o resultado de um processo de luta muito difícil, que não é de agora. Abdias Nascimento já falava dessas políticas na década de 1940 e, muito antes da abolição, os negros lutavam pela escola, pelo direito a estar no espaço formal de educação”, ressaltou a professora Cândida Soares da Costa, do Núcleo de Estudos sobre as Relações Raciais na Educação (Nepre) da UFMT. Ela integra o Conselho como representante de coletivos, núcleos, grupos ou programas internos que desenvolvam ações em favor de políticas afirmativas.

O estudante de Liberio Uiagumeareu, do curso de Direito, representante dos alunos do Programa de Inclusão Indígena (Proind), sublinhou que esta é uma política “importante para os indígenas, para a diminuição da invisibilidade” e agradeceu à UFMT “pelo olhar singular que tem para os estudantes indígenas, que querem construir um mundo mais humano”.  Vinícius Santos Fernandes, representante dos estudantes negros de escola pública lembrou que a UFMT é pioneira nas ações afirmativas. Ele fez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e veio da Bahia para Mato Grosso, onde está há dois anos. “A UFMT é a primeira a ter o Conselho de Políticas Afirmativas, tornando-se socialmente referenciada, com a cara do povo brasileiro”, destacou.

O representante de comunidades quilombolas, Emídio Antonio de Souza, da Associação Morro do Cambambi, de Chapada dos Guimarães, chamou  atenção para a necessidade de inclusão escolar dess segmento social, que vive em meio rural. “Se é muito difícil nossos jovens terminarem o ensino médio, que dirá entrar na universidade”, disse. “Nós estamos em saber o que é direito, porque estamos sem qualquer condição de chegar aqui”, reforçou, ao dizer que está nas mãos da Instituição e do Conselho assegurar esse direito. “Estamos acolhendo a sua solicitação, temos condições de abrir as sobrevagas e estamos determinados a isso”, respondeu a reitora Maria Lúcia. Em julho será definido o próximo processo seletivo e o tema estará em pauta. Mato Grosso tem 97 comunidades tradicionais certificadas.

Rinaldo Ribeiro de Almeida, representante do movimento negro lembrou o processo de implantação das sobrevagas na UFMT, disse que o momento era de celebração e que “hoje a realidade das cotas é lei, mas antes da lei já tínhamos conquistado aqui dentro”.

O Conselho de Políticas de Ações Afirmativas da Prae é um órgão colegiado de caráter consultivo, propositivo e avaliativo, que trabalha com as políticas de ações afirmativas dentro da universidade, ampliando os processos de controle social. A instalação desse Conselho, com ampla representação, será levada ao conhecimento dos mais de mil reitores que se reunirão em julho, no Rio de Janeiro, pela reitora da UFMT.

 

Ascom UFMT

The top 5 best dressed women of 2010
free games online household holiday rental all the way through iowa

Ground and Polished Keyed Shafts Offer Excellent Performance
free online games Choose the right kind of textile

A Presentation of Mp5 Player
cheap flights 7 tips to choosing the right lingerie

Is It Possible to Tighten Up Wrinkled Sagging Skin
free online games Roy abandons his family and takes off for Devil’s Tower in Wyoming

Tips for Improving Your Spiritual Connection Page 1 of 2
jeux eyeshield 21 library 3

5 Baffling 80s Trends Explained
miniclip The story leaves something to be desired

Best place to buy cheap
kleider uniqueness and quality these handbags deliver

How to help a seller through probate
games 1 viridian layout

Compartilhar