UFPE inaugura laboratórios no Centro Acadêmico do Agreste

Vídeo – Laboratórios são inaugurados no Centro Acadêmico do Agreste (CAA)

Os laboratórios de Tecnologia Têxtil – Fios, Fibras e Tecidos e de Tecnologia no Design (Labtec) integram Universidade e iniciativa privada, beneficiando o ensino e a pesquisa, mas também o polo industrial da região. As unidades foram inauguradas, na manhã de ontem (20), em cerimônia presidida pelo reitor Anísio Brasileiro, no Auditório Mestre Vitalino, no Centro Acadêmico do Agreste (CAA).

“São dois laboratórios que têm uma finalidade principal: integrar universidade, Governo do Estado, poder da gestão pública e as empresas. O laboratório têxtil tem o objetivo de fortalecer o polo de moda e confecções e, na parceria com o Design e as engenharias, tornar possível a proposição de soluções ambientais. Já o Laboratório de Tecnologia no Design tem a finalidade de fomentar os polos moveleiro e de artesanato, já que possui tecnologias que podem capacitar, apoiar e incentivar os empresários locais”, explicou o diretor do CAA, Manoel Guedes. Ele foi seguido do reitor Anísio Brasileiro, que enfatizou a importância do processo de interiorização da UFPE.

 “Um dos pontos cruciais de um projeto de desenvolvimento de país passa necessariamente pelo papel das universidades públicas. O projeto de interiorização da UFPE é altamente bem-sucedido. As parcerias estratégicas que se tecem aqui, no Campus de Caruaru, articulando as competências acadêmicas da Universidade, os governos e as empresas da região são fundamentais para impulsionar os desenvolvimentos locais e gerar emprego, ao mesmo tempo em que propicia a interdisciplinaridade do conhecimento e a preservação do meio ambiente”, afirmou o reitor.

Anísio e o diretor do CAA compuseram a mesa de abertura da cerimônia de inaugurações com a vice-reitora, Florisbela Campos; o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação de Pernambuco, Aluísio Lessa; a vice-diretora do CAA, Ana Paula Freitas; e a coordenadora do Laboratório de Tecnologia Têxtil – Fios, Fibras e Tecidos, Andréa Costa.

O secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação de Pernambuco, Aluísio Lessa, ressaltou a instalação dos laboratórios, contou com a doação de equipamentos no valor de R$ 530 mil do Governo do Estado, fruto do convênio entre a Secti e Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). A cessão dos materiais ocorreu em 2018, na gestão da ex-secretária Lúcia Melo. “Hoje não podemos mais trabalhar de maneira isolada. É necessária a integração com quem produz. Vivemos numa região fortemente vinculada à cadeia têxtil e de confecção. Aqui no Agreste, a Universidade está muito bem instalada e agora focando bastante em dinamizar e melhorar a qualidade têxtil de Pernambuco. A inauguração desses laboratórios vem nessa direção”, afirmou.

A cerimônia foi seguida de visita técnica aos dois laboratórios por parte dos presentes, entre eles autoridades acadêmicas, professores, técnico-administrativos e estudantes.

NOVAS SALAS – No período da tarde de ontem (20), também foram inaugurados o novo bloco de salas de docentes do Núcleo de Design e Comunicação (NDC), localizado no Bloco 32, e o Laboratório Multifuncional do Núcleo de Gestão (NG), no 1º andar do Bloco M do CAA. “O bloco de salas é uma obra que tem uma grande importância porque aproxima os docentes dos espaços acadêmicos e favorece uma maior relação entre os docentes e os alunos. Já o laboratório multifuncional é uma experiência nova da Universidade, que vai permitir a realização de aulas de informática, mas também a reunião de grupos de pesquisa e a realização de aulas em formatos diferentes”, explicou o diretor do CAA, Manoel Guedes.

ORÇAMENTO – As obras somam investimentos significativos. De acordo com o diretor do CAA, Manoel Guedes, o Laboratório de Tecnologia Têxtil – Fios, Fibras e Tecidos contou com investimento governamental na ordem de R$ 1,5 milhão e o Laboratório de Tecnologia no Design, contemplado pelo edital da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), contou com recursos de R$ 500 mil. “Os outros espaços são obras internas da Universidade, que tiverem investimentos numa ordem de R$ 100 mil”, finalizou o diretor.

Compartilhe: