UFPel vai restaurar obras do Museu Histórico Farroupilha

UFPel vai restaurar obras do Museu Histórico Farroupilha

Duas obras de grandes dimensões do Museu Histórico Farroupilha, de Piratini (RS), serão restauradas pela Universidade Federal de Pelotas. A parceria foi firmada com a assinatura de um termo de cooperação técnico-científica entre a UFPel, por meio do curso de Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis e a Pró-Reitoria de Extensão e Cultura, e a Secretaria de Estado da Cultura (Sedac) em cerimônia ocorrida na última quinta-feira (13), no estande da Universidade na Fenadoce.

Estiveram presentes no ato o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, o presidente da Assembleia Legislativa gaúcha, Luís Augusto Lara, o reitor da UFPel, Pedro Curi Hallal, a secretária estadual de Cultura, Beatriz Araújo, e a prefeita de Pelotas, Paula Mascarenhas, além da professora Andrea Bachettini, coordenadora do projeto que engloba o restauro das obras.

O reitor Pedro Curi Hallal festejou a abertura da Universidade à iniciativa, o que permite que seu papel social seja reafirmado. Já a secretária Beatriz Araújo diz que a relevância dessa parceria é imensurável, inicialmente pela importância histórica e artística. A intenção, segundo ela, é que essa relação seja estreitada e que novos projetos conjuntos possam ser realizados.

As obras a serem restauradas são dimensões “Alegoria, Sentido e Espírito da Revolução Farroupilha”, de autoria de Hélios Seelinger, com altura de 3,8 metros e largura de 5,70 metros, e “Fuga da Anita Garibaldi a cavalo”, de autoria de Darkir Parreiras, com dimensões de 2,6 metros por 2,2 metros. Ambas estão em exposição no Museu Histórico Farroupilha, localizado em Piratini (RS), entidade museológica mantida pela Secretaria da Cultura.

A Universidade Federal de Pelotas estará responsável pela mão de obra para a execução da restauração, que incluirá servidores do Instituto de Ciências Humanas (ICH) e estudantes; já o governo do estado fornecerá os insumos necessários para a realização. As obras passarão por exames específicos, incluindo alguns laboratoriais, para posterior início do restauro, que compreenderá higienização, reforço de borda, enxertos, reentelamento, remoção de repinturas, reintegração cromática, aplicação de camada protetora e montagem no local definitivo.

A realização desse restauro pela UFPel permitirá uma formação oportunizará, segundo a coordenadora Andrea Bachettini, a formação complementar e ampliada dos alunos, futuros profissionais que sairão preparados para atuar no mercado de trabalho e junto às instituições e museus da região. Além disso, o laboratório estará aberto à comunidade para que possa acompanhar a processo de restauração, o que possibilitará uma nova forma de contato entre o curso e a população.

Compartilhar