UFPI apresenta proposta de curso de Direito para Comunidades Quilombolas

UFPI apresenta proposta de curso de Direito para Comunidades Quilombolas

Foi realizada no Salão Nobre da Reitoria, na tarde desta quinta-feira (24), a apresentação de uma proposta à Administração Superior da Universidade Federal do Piauí (UFPI) para a criação de um curso de Direito para Comunidades Quilombolas. A proposta é que o curso tenha as mesmas bases de uma graduação convencional de Direito, com duração de cinco anos.

De acordo com a Vice-Reitora da UFPI, Profa. Dra. Nadir Nogueira, a política de inclusão da Universidade está sendo intensificada na atual gestão da Instituição. “Hoje, não possuímos muros na Universidade e sim pontes, e essa é mais uma que estamos criando, com financiamento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), por meio do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera), e criada pelo Núcleo de Pesquisa Sobre Africanidades e Afrodescendência (Ifaradá), que trabalha com essa política de inclusão. Estamos buscando construir essa ideia, para que ela seja consolidada”, afirma.

Segundo a Coordenadora do projeto, Maria Sueli, a criação do curso será um grande passo na ampliação de ingresso ao ensino superior . “A Universidade amplia ações políticas de acesso à Instituição além das cotas e, sendo o primeiro curso voltado para quilombolas, a UFPI será pioneira na região”, destaca.

Para o integrante da Coordenação de Articulação das Comunidades Quilombolas do Brasil, Antônio Bispo, o curso contribuirá para o reconhecimento dos direitos quilombolas pelo Estado. “É preciso formar nossos jovens para que eles possam defender seu povo e, por isso, é importante que a Universidade recepcione e execute essa ideia”, disse.

Estiveram reunidos os representantes da Chefia do Departamento de Ciências Jurídicas da UFPI, Organização dos Advogados do Brasil (OAB), Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera) e Coletivo de Advogados Populares.

Assessoria de Comunicação da Universidade Federal do Piauí

Compartilhar