UFPI sediará a 20ª Olimpíada Ibero-Americana de Química

UFPI sediará a 20ª Olimpíada Ibero-Americana de Química

Entre os dias 05 e 14 de setembro, os olhos da comunidade científica da área Química estarão voltados para a Universidade Federal do Piauí (UFPI), que sediará a 20ª Olimpíada Ibero-Americana de Química. O evento receberá estudantes ibero-americanos de 16 países e tem o objetivo de estimular o desenvolvimento de jovens talentos no estudo da Química e criar um espaço propício para fomentar a cooperação, o entendimento e o intercâmbio de experiências entre os países.

O evento é promovido pela UFPI e pela Associação Brasileira de Química (ABQ), com apoio de vários órgãos e empresas. A presidência do evento está a cargo do Prof. Dr. José Arimatéia Dantas Lopes, Reitor da UFPI, referência no Brasil e no exterior como mentor da delegação brasileira nas Olimpíadas Ibero-Americana de Química.

É a segunda vez que o evento é realizado na UFPI e a quarta vez que acontecerá no Brasil. Este ano, a 20ª Olimpíada Ibero-Americana deverá contar com a participação de delegações da Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, El Salvador, Espanha, México, Panamá, Paraguai, Peru, Portugal, Uruguai, Venezuela, incluindo o Brasil. Serão 28 mentores, 55 estudantes e 06 observadores, além de alguns observadores que estarão hospedados em Teresina, sob a responsabilidade dos organizadores da XX OIAQ. As provas prática e teórica serão realizadas nas dependências da UFPI.

Estudantes de Química do Ensino Médio irão trocar experiências e desenvolver atividades científicas de caráter competitivo. Além disso, os participantes terão a oportunidade mostrar os seus conhecimentos e o seu valioso potencial científico em Química.

A Olimpíada
A OIAQ é uma competição anual que se realiza durante o mês de setembro em um país ibero-americano. O país organizador deverá convidar todos os países ibero-americanos que tenham participado na OIAQ anterior e, de acordo com as suas possibilidades, poderão convidar países que assistirão como observadores oficiais.

Poderão competir na OIAQ os estudantes que tenham sido selecionados com base numa Olimpíada ou competição de Química a nível nacional dos respectivos países. Os países que não tenham este tipo de competições poderão participar como observadores.

Os estudantes participantes não devem completar 19 anos antes de 1 de Outubro do ano da competição; ter a nacionalidade do país que representa ou ter realizado os seus três últimos anos de estudos no dito país; poderão receber treinamento com professores universitários por um período máximo de 120 horas. Ter ingressado há menos de um ano no nível de estudos pré-universitário e não ter feito nenhuma disciplina de Química a nível universitário.
Os mentores de cada delegação farão parte integrante do Júri da OIAQ, podendo ser assistidos pelos Observadores Científicos do seu país. Deste modo, deverão ser alojados de maneira que não possam ter contato com os estudantes enquanto as provas da Olimpíada não tiverem finalizado.
Atenciosamente,

Coordenadoria de Comunicação Social da UFPI

Compartilhar