UFRJ – Peça de teatro sobre homofobia na escola e publicação sobre diversidade sexual para educadores recebem prêmio

UFRJ – Peça de teatro sobre homofobia na escola e publicação sobre diversidade sexual para educadores recebem prêmio

O Projeto Diversidade Sexual na Escola, da Universidade Federal do Rio de Janeiro e o Grupo Diversidade EnCena foram contemplados pelo Prêmio Educando pela Diversidade Sexual. O livro Diversidade Sexual na Escola e a peça Coisas de Menina foram as iniciativas premiadas.

O Projeto Diversidade Sexual na Escola, vinculado ao Programa Papo Cabeça, é uma realização da Universidade Federal do Rio de Janeiro, realizado em parceria com a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do Ministério da Educação e a Secretaria Especial de Direitos Humanos. Como ações principais, o projeto realiza atividades de formação e sensibilização junto a profissionais de educação da rede pública e estudantes da educação básica, além do desenvolvimento de materiais de orientação para educadores.

O prêmio é uma idealização da GALE – Global Alliance for LGBT Education e uma execução do Centro Paranaense da Cidadania (Cepac) em parceira com a Aliança Paranaense pela Cidadania LGBT. Entre os parceiros da iniciativa esté a ABGLT, entre outras organizações nacionais do movimento. O prêmio conta também com o apoio institucional do Ministério da Saúde e da Cultura, da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, da UNESCO, da UNAIDS e da UNICEF, entre outros.

Diversidade EnCena

O grupo diversidade EnCena foi formado em 2008, a partir de uma oficina realizada pelo Projeto Diversidade Sexual na Escola em parceria com o Centro de Teatro do Oprimido – CTO-Rio. Após dois meses de atividades, jovens gays, lésbicas, bi e heterossexuais, em sua maioria universitários, construíram um espetáculo de teatro-fórum, baseado em suas próprias vivências dentro da escola. Em 2010 uma nova oficina foi realizada, agregando novos integrantes à equipe, que reconstruíram a peça e estão novamente se apresentando em escolas.

No espetáculo, uma adolescente que gosta de jogar futebol é repreendida pela diretora da escola. A diretora chama a mãe, para discutir com ela o ‘perigo’ que a filha está correndo e argumentando que ainda há tempo para ‘reverter’ essa ‘situação’. Numa outra cena, mãe e filha se enfrentam num debate sobre liberdade e preconceito. No final, a adolescente acaba sucumbindo à pressão e se enquadrando no jeito de ser que os outros querem. O público então é convidado a propor alternativas. Os espectadores entram em cena para substituir a personagem principal e propor ali, em atos, novas formas de confrontar a situação.

“Nas apresentações a gente fala de homofobia, discriminação, homossexualidade, gênero. E não só fechados numa discussão com os professores, mas no pátio da escola, com alunos e alunas participando, interagindo e discutindo essas questões”, explica Leandro Loppes, diretor da peça e coringa do grupo Diversidade EnCena. “Acredito que se a peça tem o impacto que tem é graças ao processo coletivo de construção desse espetáculo, em que todo o grupo participa, com suas histórias, idéias, como sujeitos mesmo.”

Antes de cada apresentação, os professores e funcionários da escola participam de uma oficina de sensibilização, debatendo questões ligadas à diversidade sexual na escola. O grupo já se apresentou em mais de 20 escolas da região metropolitana do Rio de Janeiro. Mais de 3.000 jovens já assistiram e participaram do espetáculo.

Conheça mais sobre essa iniciativa em www.diversidade.papocabeca.me.ufrj.br

Debatendo diversidade sexual nas escolas do Rio

O livro Diversidade Sexual na Escola foi produzido a partir de relatos recolhidos durante dois anos de contato do projeto com profissionais de educação, através de oficinas de sensibilização e cursos de formação. Baseado nessas falas, questões e casos, o material intercala depoimentos de educadores e jovens com uma discussão conceitual. Gênero, sexualidade, orientações e identidades sexuais, homofobia, travestilidade e transexualidade, violência e exclusão, religião e ética são alguns dos temas trabalhados no livro.

Todas as escolas da rede estadual do Rio de Janeiro receberam cópias do material. Ao todo já foram distribuídas mais de 13.000 livros, chegando também a universidades, órgãos de gestão e organizações sociais. “Imaginando-se que cada livro tenha sido lido por pelo menos duas pessoas, podemos projetar, sem medo, um público atingido de mais de 20.000 pessoas”, conta Alexandre Bortolini, organizador da publicação e coordenador do projeto.

O material foi produzido com financiamento do Ministério da Educação e está disponível gratuitamente na página do projeto.

Acesse a página do projeto e baixar a publicação.

www.diversidade.papocabeca.me.ufrj.br

Compartilhar