UFSC – Administração Central propõe contratação de funcionários terceirizados para atender demanda imediata do curso de Libras

UFSC – Administração Central propõe contratação de funcionários terceirizados para atender demanda imediata do curso de Libras

Cerca de 50 pessoas, entre alunos, técnicos-administrativos em Educação (TAEs) e professores, realizaram uma manifestação na manhã da última quarta-feira, 21, para reivindicar a contratação de intérpretes da Língua Brasileira de Sinais (Libras), com formação superior. A contratação de funcionários terceirizados e uma reunião com parlamentares para buscar apoio em negociações foram providências emergenciais propostas pela Gestão da UFSC. A intenção é viabilizar as aulas dos cursos de graduação, mestrado e doutorado na área.

A vice-reitora, Lúcia Helena Martins Pacheco, esclareceu que o tradutor intérprete de Libras é avaliado pelo Ministério da Educação (MEC) como um cargo de nível médio – disposto no Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos em Educação (PCCTAE) –, pois Libras não é considerada, nessa interpretação, como uma língua estrangeira. Uma mudança na legislação federal seria necessária para contemplar o pedido. Os alunos entregaram à vice-reitora um manifesto com suas reivindicações.

“Nós reconhecemos a importância de ser nível E, de qualificar o profissional, mas a legislação não nos permite decidir. A autonomia universitária não chega até aí. O que podemos fazer é a investidura junto ao MEC, ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) e ao Congresso Nacional para tentar sensibilizar para essa questão”, disse a vice-reitora.

O início do diálogo foi feito por meio de anotações registradas pela vice-reitora em folhas de papel. Na sequência, a conversa foi interpretada por um dos presentes. “A dificuldade que a professora teve hoje para se comunicar com os surdos é a dificuldade que os professores têm e que toda a comunidade universitária tem. Por isso, esses profissionais são muito importantes para esta Universidade e para todas as universidades”, expôs o intérprete e tradutor da UFSC, Tiago Coimbra Nogueira. A argumentação técnica proferida por Nogueira durante a reunião será documentada para posteriores encaminhamentos, a pedido da vice-reitora.

“O nosso entendimento é que não houve equívoco administrativo no concurso público [EDITAL Nº 80/DDPP/2011]. A compreensão das nossas atribuições por parte do MEC é que é equivocada. Precisa de uma mudança também no PCCTAE. Nós atuamos com língua estrangeira, principalmente nos programas de pós-graduação, traduzimos de inglês para Libras e também em línguas de sinais de outros países. Queremos ser ouvidos e esclarecer essas questões, e colaborar com a Reitoria para levar esses entendimentos para o MEC e MPOG”, complementa Nogueira. O servidor também alertou sobre a importância política da UFSC nesse processo. “A UFSC é referência nacional na formação em Libras. Aqui temos, inclusive, doutorandos surdos. Qualquer decisão política tomada aqui é refletida em outras universidades e irá colaborar com os surdos em nível nacional”, explicou.

O diretor do Centro de Comunicação e Expressão (CCE), Felício Margotti, intermediou o diálogo em alguns momentos. “O grupo de intérpretes entende que, dadas as circunstâncias, com 15 profissionais teríamos uma condição razoável para atender a demanda”, afirmou. O pró-reitor de Graduação, Julian Borba, informou os presentes sobre reuniões realizadas nos últimos dias com a coordenação do Curso de Libras, com a Chefia do Departamento e com a Direção do CCE. “Tivemos acesso aos documentos produzidos por vocês nos últimos anos. Tratamos da alternativa para contratação de terceirizados de forma emergencial. Vamos reunir essa documentação e pleitear junto ao MEC. Essa é a intenção”, explicou Julian Borba.

Os alunos do curso de Libras paralisaram as atividades em solidariedade aos TAEs em greve na última quinta-feira (15) e em protesto às condições de ensino atuais. No mesmo dia, um documento em nome da comunidade surda e dos intérpretes de Libras, com reivindicações, foi entregue às reitoras. De acordo com a reitora Roselane Neckel, a contratação dos intérpretes e tradutores está sendo discutida em Brasília. “Foi feito o encaminhamento do processo ao Governo Federal para que fosse feita a mudança na carreira. Esbarramos em legislação que é federal, não local”, justificou na ocasião.

O ato da última quarta-feira, 21, aconteceu em frente ao Gabinete da Reitoria e a conversa, na Sala dos Conselhos, no piso térreo da Reitoria. A vice-reitora, o pró-reitor de Graduação e o diretor do CCE conversaram com o grupo. “A UFSC é referência no Curso de Libras, mas ainda há muito para avançar”, reconheceu a vice-reitora. Uma reunião com a reitora Roselane Neckel será agendada para organizar como será feito o processo de negociação com o MEC.

Bruna Bertoldi Gonçalves

Jornalista / Diretoria-Geral de Comunicação / UFSC

 

About Styles for Short Waists
free games online But the company maintained its full year earnings guidance of

Replica Fendi Handbags Also Make You Fashion
games online such as leggings and a chunky sweater with heels

The New EBay Fashion Outlet
mermaid wedding dresses and she has started building a dedicated team

Serena Williams hits a grand slam and the score is love love
forever 21 Refrigerate until chilled

Rolling Hills Golf Course Hotels
free online games Fashion does not necessarily correlate with looking good

this is a fashion trend I will gladly stand behind
games Planning started on French IMINT satellites called Helios

IPO Index Continues Rally Into March
kleider Children can learn basic Spanish words while playing a card game

Benz launches Buffalo Fashion Week Sept
ballkleider The best bets out of them would be Solomon Grundy and The Spectre

Compartilhar