UFSC faz economia com telefone e água

UFSC faz economia com telefone e água

Para dar conta de todos os investimentos necessários nesta fase de grande crescimento da UFSC, a Pró-reitoria de Infraestrutura (Proinfra) vem realizando um esforço para conter gastos em itens que apresentavam despesas muito elevadas. A principal economia é no desembolso com telefone, a partir de uma negociação com a Embratel que permitiu um corte de praticamente 50% na conta já neste mês de maio.

O contrato firmado com a operadora, depois que a atual Administração Central assumiu, era de R$ 70 mil para atender toda a instituição, mas nos últimos meses a fatura vinha com valor próximo a R$ 140 mil. “A empresa estava cobrando taxas de conexão que não foram previstas quando da licitação, em 2008”, afirma o pró-reitor João Batista Furtuoso.

“Somente nos meses de janeiro e fevereiro deste ano a própria Embratel admitiu ter cobrado R$ 103.952,00 a mais na conta”, informa o pró-reitor. Em março, o valor cobrado a mais foi de R$ 73.645,00, e em abril foi um pouco inferior a isso. Desconfiado de que havia algum problema nas faturas, ele contratou uma consultoria para auditar essa conta e descobriu as despesas indevidas. Furtuoso lembra que até 2006 as despesas mensais com telefone giravam em torno de R$ 170 mil. Em 2009, elas ficaram próximas a R$ 130 mil, em média.

“Ainda não pagamos as contas de março e abril, porque a Embratel está fazendo a revisão nas faturas, já com os valores corrigidos”, diz ele. A verba cobrada a mais deverá ser devolvida por meio de abatimento nas próximas faturas, e poderá ser aplicada no custeio de outras despesas afetas à Proinfra, como serviços de limpeza e conservação no campus.

Também serão periciadas as contas de 2008 e 2009. “Estimamos alcançar uma economia próxima a R$ 1 milhão, considerando tudo o que foi cobrado a mais de 2007 para cá”, afirma João Batista Furtuoso. “Só ao longo de 2010, deveremos economizar R$ 800 mil com a normalização da cobrança”.

Com ações simples como esta, ele considera possível conseguir grandes benefícios para a Universidade, embora admita que as despesas com telefone ainda sejam altas e que, com racionalidade, daria para reduzir ainda mais a conta. Por isso, será feito um investimento em Voip (voz sobre IP) corporativo, permitindo ligações gratuitas para outras instituições públicas federais. Esse serviço já existe, mas os 150 aparelhos atuais serão aumentados para 500 ainda em 2010.

Também é objetivo do pró-reitor de Infraestrutura reduzir o consumo de água, motivo de um piloto que prevê a instalação de torneiras e mictórios que reduzem em até 50% o volume de água despendido no prédio. “Se o piloto der certo, vamos instalar esse conjunto de válvulas na universidade inteira, com um bom impacto financeiro e ambiental”, afirma ele.

Mais tecnologia – Outra melhoria prevista é a compra de um software que vai permitir a tramitação eletrônica de processos, reduzindo o consumo de papel e o tempo gasto em cada procedimento. Em julho já será possível dimensionar os resultados dessa medida. “Estamos investindo R$ 1,5 milhão no software, mas em seis meses ele vai se pagar, pela economia alcançada”, ressalta Furtuoso.

Nessa mesma linha, a rede de informática será melhorada com a instalação de novos comutadores de rede (suítes). Com o investimento de R$ 500 mil, será possível melhorar toda a rede da UFSC, conferindo-lhe maior velocidade de transmissão de dados e facilidades de conexão. Já a cobertura de wireless (rede sem fio) deverá atingir praticamente 100% do campus da Trindade, com investimento de R$ 529 mil, fazendo com que os alunos realizem suas pesquisas em plena sala de aula, por exemplo. Além disso, todas as salas vão receber computador e projetor multimídia, melhorando as condições de trabalho dos professores.

Obras físicas – No momento, estão em andamento 39 mil metros quadrados de obras na UFSC, perfazendo investimentos de R$ 31 milhões, e mais R$ 30 milhões estão previstos para aplicação em outras construções. Os destaques são os blocos de salas de aulas atrás do Centro de Ciências Físicas e Matemáticas (CFM), que passam por fase de contratação das obras complementares, e no Centro de Ciências Agrárias (CCA). Destacam-se ainda a reforma do refeitório e a complementação da cozinha do Restaurante Universitário. Ao todo, segundo o pró-reitor, estão sendo projetados 56 mil metros quadrados de obras, que serão objeto de licitação ainda em 2010.

Nos novos campi, Curitibanos está com as obras físicas praticamente prontas, e em Araranguá o segundo prédio será entregue ainda neste mês de maio. Na sede, em Florianópolis, um dos projetos é recuperar todas as calçadas; outro é fazer a pintura externa das edificações, além de substituir as grades com problemas. Serão gastos R$ 2,6 milhões nessas ações.

Na Biblioteca Universitária, está sendo adquirido um sistema para a identificação de livros pelo sistema de rádio-frequência, com gasto de R$ 1,5 milhão. Por meio de uma etiqueta com chip, será mais fácil localizar os livros no acervo e também fazer o auto-empréstimo. Além disso, a Universidade investe R$ 2 milhões na compra de novos títulos.

A UFSC também está renovando seu parque de computadores, adquirindo 1.500 novos PCs. “Estamos fazendo um levantamento completo para atualizar os equipamentos, beneficiando os professores e os servidores”, diz o pró-reitor.

 

Informações: 3721-9537 / proinfra@reitoria.ufsc.br

 

Compartilhar