UFSC – Universidades relatam experiências de implementação do Sisu

UFSC – Universidades relatam experiências de implementação do Sisu

Jair Almeida, diretor de processos seletivos da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e João Alfredo Braida, pró-reitor de Graduação da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), apresentaram, dia 4 de novembro, na UFSC, as experiências do Sistema Integrado de Seleção Unificada (Sisu) nas suas universidades. O convite foi feito pela UFSC e o Grupo de Trabalho sobre Avaliação de Novas Modalidades de Ingresso na Universidade e dá continuidade ao debate já iniciado com a vinda de representantes da Secretaria de Ensino Superior do MEC e do INEP. O GT da UFSC é formado pelos professores Aureo Moraes, Carlos Eduardo Andrade Pinheiro, Edite Krawulski, Julian Borba e Paulo Ricardo Berton.

Julian Borba, também pró-reitor de Graduação da UFSC, explicou que o GT, que tem o objetivo de analisar e propor alteração no sistema de ingresso na Universidade, já tem o perfil do ingressante, distribuição entre cursos e taxa de ocupação. Os dados indicam que dos estudantes que ingressam por meio de vestibular, 7,5% provêm de São Paulo e 83% da região Sul; sendo 70% de Santa Catarina, 7% do Rio Grande do Sul e 6 % do Paraná. O GT deverá, até o final do ano, encaminhar relatório à Câmara de Graduação propondo quais modalidades de ingresso seriam mais adequadas à instituição.

O professor Jair falou sobre o processo do Sisu na UTFPR que tem 13 campi, 130 mil alunos, 106 ofertas de curso e 45 cursos diferentes.  É a instituição que mais vagas oferece, via Sisu, em todo o Brasil. São 4 mil vagas por semestre.

Para Jair, o Enem vem melhorando ano a ano incluindo a parte relativa à segurança. O Sisu é um processo que possibilita que todos os candidatos que fizeram o Enem no ano anterior concorram a uma vaga em uma Instituição de Ensino Superior (IES) integrante do sistema. Atualmente cotista concorre com cotista e não cotista com não cotista. Se sobrarem vagas cada um dos casos pode ser usado pela outra categoria.

A UFTPR, no segundo semestre de 2014, usou pela décima vez o Enem, sendo que a avaliação sobre o sistema, pelos estudantes que ingressaram por meio dele, é boa. A média de alunos de outros Estados em cursos de alta procura subiu de 13% para 23%. Para o professor, o Sisu torna o ingresso mais justo, permite maior mobilidade aos concorrentes e a adesão ao sistema aumenta a visibilidade da instituição, além de quase dobrar o volume de recursos financeiros para assistência estudantil. A UFTPR não tem moradia estudantil, mas fornece auxílio-mudança que é acumulável com outras bolsas, dando condições aos alunos com dificuldade econômica de estudar em cidades onde não residem.

Em relação às dificuldades do Sisu, Jair citou o cronograma muito apertado. Para a UTFPR e  para outras instituições que integram o sistema, a segunda chamada que deveria ser feita pela instituição, já que a lista de espera da IES sai no início de fevereiro. Outras dificuldades citadas foram o fato de o candidato poder escolher duas opções em cursos diferentes e o número muito grande de treineiros. Outro problema que ocorre após o Sisu é com os cursos de pouca procura, como as licenciaturas e os cursos de tecnologia. Como fazer para preencher as vagas desses cursos quando se esgota a lista de espera, se não há vestibular? É necessário, então, fazer um processo seletivo alternativo, como o uso do Enem de anos anteriores. Um dos sistemas adotados pela UTFPR é de verificar o número de vagas remanescentes após o quarto dia de início de aulas e fazer uma chamada de dez vezes o número de vagas, usando como critério de ingresso as maiores notas e evitando assim que seja necessário fazer várias chamadas.

Para Jair, os motivos de desistência dos alunos ingressantes pelo Sisu e pelo Vestibular são parecidos: adaptação à sociedade; ao clima frio – para quem vem de outras regiões-;  falta de estrutura na cidade – a UTFPR tem campi estabelecidos em cidades pequenas; a decepção com o curso; a dificuldade em acompanhar o curso; a necessidade de trabalhar; a opção por um curso EAD; entre outros.

Braida, da UFFS, explicou que a universidade só tem cinco anos de existência e que além do Sisu há cursos com ingressos por meio de processos seletivos especiais como o Pronera (Projeto de Educação e Capacitação de Jovens e Adultos nas áreas de Reforma Agrária).

O sistema de cotas da UFFS é baseado em estatísticas. Exemplo: se nas regiões abarcadas pela universidade é dado que 86% das matrículas do ensino médio provêm de escolas públicas, a cota é de 85% para este tipo de ingresso. Também há a cota para “parcialmente pública” estabelecida, também, a partir de estatísticas. As relações de inscritos por região e candidato/vaga praticamente dobraram após ingresso no Sisu. Houve também um aumento de ingresso de estudantes do Sudeste. A UFFS, no entanto, é ainda uma universidade de segunda opção. Quanto às vagas ociosas, após o Sisu, é feito um processo seletivo suplementar visando estudantes da região, usando Enem de anos anteriores, mas a inscrição precisa ser presencial. Em relação às desistências um dos fatores detectados é a chamada do Prouni, já que o candidato prefere fazer uma faculdade particular na sua cidade.

Quanto à evasão, costuma ser de 15 a 20% no primeiro ano, sendo que as políticas de permanência são alinhadas ao PNAES. A universidade não possui moradia estudantil, mas auxílio-moradia. Braida relatou que a casa do estudante pode ser instrumento de segregação em vez de inclusão – citou o exemplo do campus de Erechim que fica a 15km do centro da cidade o que deixaria o estudante longe da vida social e isolado no fim de semana.

A UFFS a partir de 2015 não estará mais na categoria de projeto especial (cinco primeiros anos de implantação), entrando na planilha da Andifes de distribuição de recursos. Mas, constatou-se que é necessário um tempo maior para implantação de uma nova IFES especialmente por causa das obras.

Alita Diana/Jornalista da Agecom/DGC/UFSC

Bianna Golodryga Goes Behind the Scenes at The Gap
cool math games curly or unruly hair

Tungsten Rings Keep Their Shine Forever
ballkleider it’s little surprise that we get a couple more recap episodes

For Round the Year Fashion
kleider family and friends respond to you

Tunics are stylish and comfortable both
free games online Saya travels the world with her family

What are some of the lesser known male fashion faux pas
free online games what kinds garments to wear going up the

How to Make Cotton Shirts Larger
miniclip and repeat offenders may be banned

Lasting Power Of Attorney And The Office Of The Public Guardian
jeux fr approach secrets of the pros

Testing An ISDN Connection Without Pings
onlinegames Rip out all the hair that naturally occurs on your body

How Do I Make Trendy Clothes Look Good on Me
forever21 I did have a career as a stylist

Flower Girl Fashion for an Adorable and Happy Flower Girl
cheapest flights There was no money to spend on fancy clothing

How To Wear Leopard Effortlessly
vintage wedding dresses McQueen collaborated with experimental Icelandic singer Bjork

The Jones Group’s CEO Discusses Q3 2012 Results
watch game of thrones online free The most humorous piece of news
Tips to Choose Best Modeling Agency
watch game of thrones online free I wore multicolored rubber bracelets

The Trench Coat and The Tuxedo
games online aeropostale treatment mentions q4 2012 rankings

Why I Sold Lufkin and Purchased Quality Systems
forever21 There will be 9 total winners for the Contest

What Color Shirt to Wear to Make Eyes Look Bluer
onlinegames Slouchy socks with laced shoes added to the popular funky look

Goth Ninja RPG Strategy Guide Part I
jeux five on this page unwraps newbie sites in albany in addition to the saratoga comes

Make Prada Handbags Your Fashion Statement
kleider food and crafts priced separately

A Snapshot Of Urban Outfitters’ Road To Recovery
ballkleider President and Chief Merchandizing Officer and Fred Silny

Ice Watch the Watch Hut Celebrate 2010 World Cup
cool math games Boys in the 1900s wore tunics and Russian blouses

Compartilhar