UFTM apresenta orçamento de 2017 e proposta orçamentária para 2018

A reitoria da UFTM convidou gestores da Instituição, DCE e Diretórios Acadêmicos para uma reunião hoje de manhã no auditório Safira sobre o orçamento da Universidade. Foram apresentados o orçamento de 2017 e a proposta orçamentária de 2018, enviada em agosto deste ano para o Ministério da Educação. O Congresso Nacional tem até dezembro para aprovar a Lei Orçamentária e encaminhar para a sanção da Presidência da República.

A reitora Ana Lúcia de Assis Simões abriu o evento, lembrando da iniciativa de apresentar sistematicamente o orçamento da Instituição para a comunidade com o intuito de compartilhar informações, esclarecer dúvidas e ouvir sugestões. E também ressaltou que apesar das dificuldades advindas de consecutivos contingenciamentos, desde 2014, a gestão conseguiu encerrar todos os exercícios sem dívidas. “Estamos fazendo nosso trabalho com seriedade e empenho para evitar maiores danos”.

Em seguida, a pró-reitora de Administração, Heloísa Shih, iniciou a apresentação do orçamento da UFTM. A Proposta de Lei Orçamentária Anual – PLOA 2018 da Universidade ficou num total de R$ 328.013,207,00. Parte desse montante, a despesa de Custeio prevista é de R$ 41.915.236,00 e a de Investimento, R$ 2.843.257,00. As despesas de custeio são relativas a gastos temporários, como conta de energia elétrica, água, materiais de laboratório, diárias e passagens. A despesa de Investimento é relativa ao que irá se tornar um bem para a Universidade, como obras e veículos. São as despesas discricionárias em que a Instituição pode decidir como o dinheiro será gasto. Elas somam R$ 44.758.493,00 em 2018, um valor menor que o de 2017, que ficou em R$ 47.886.745,00.

De acordo com a pró-reitora, em 2017 são cerca de 12% do orçamento bloqueados. “Os reitores estão trabalhando junto a Andifes para solicitar ao Ministério da Educação a liberação de créditos. ”Várias medidas foram tomadas para enfrentar o contingenciamento, como renegociação de contratos de aluguéis e limitações de diárias e passagens. “Esperamos que o MEC abrande parte dessas restrições para podermos fechar o ano de 2017 sem dívidas. E vamos apresentar a proposta de 2018 ainda mais apertada que o orçamento anterior. Teremos um ano muito restritivo. Faremos todo possível para manter as atividades fim”, afirmou Heloísa.

Para Ana Lúcia, as perspectivas para 2018 são preocupantes. “Os valores não tiveram os reajustes necessários esperados pelas universidades. Isso tudo vai implicar na continuidade de gestão ainda com muitas restrições, revisão de algumas medidas no sentido de continuarmos proporcionando as condições e a manutenção do funcionamento da Universidade a despeito de tanta redução orçamentária”, destacou a reitora.

Após a apresentação, foi aberto espaço para o público comentar. A reunião foi transmitida ao vivo pelo canal da UFTM no youtube. Acompanhe a íntegra da reunião pelo link: https://www.youtube.com/watch?v=IyzOAPjocJA

Compartilhe: