UnB ajuda refugiados e migrantes com o ensino da Língua Portuguesa

UnB ajuda refugiados e migrantes com o ensino da Língua Portuguesa

Alunos de 15 nacionalidades aprenderam o idioma em curso terminado em outubro

Em uma sala de aula da Universidade de Brasília (UnB), alunos de diferentes partes do mundo são convidados a escrever, em português, os sonhos que nasceram com a chegada ao Brasil. No papel, muitas frases ainda mesclam palavras em francês, inglês ou árabe, mas todas revelam o desejo de integração e acesso às oportunidades de trabalho e educação no país de acolhida, onde buscam reconstruir suas vidas longe de conflitos e perseguições.

O curso de português criado para solicitantes de refúgio e refugiados é oferecido gratuitamente a essa população que vive em Brasília devido a uma iniciativa do Núcleo de Ensino e Pesquisa em Português para Estrangeiros (NEPPE), em parceria com o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) e seu parceiro no Distrito Federal, o Instituto Migrações e Direitos Humanos (IMDH) – responsável por encaminhar os estrangeiros no DF e os interessados no curso.

O grupo que estudou na UnB reuniu 15 alunos de nacionalidades como Gana, Burkina Faso, Bangladesh, República Democrática do Congo, Iraque e Haiti. A maioria vinha de ônibus das cidades administrativas ao redor de Brasília, disposta a frequentar o curso intensivo de duas horas diárias, de segunda a quinta-feira, que terminou no final de outubro. A metodologia prioriza a comunicação oral e as necessidades práticas desse público.

“O formato é inovador, porque vamos trabalhar questões específicas à inserção deles no mercado de trabalho, como noções de direitos básicos, documentação, preenchimento de formulários e simulação de entrevistas de emprego”, explica Lúcia Maria Barbosa, diretora do NEPPE.

Rosita Milesi, diretora do IMDH, destaca que o aprendizado do idioma é um passo fundamental para a defesa de direitos dos refugiados. No entanto, outras conquistas são esperadas no decorrer do curso. “Os alunos também têm a oportunidade de se relacionar com outros colegas, de diferentes nacionalidades, e isso os anima a superar as dificuldades da migração e da inserção no país”, conta ela.

Essas são algumas das expectativas de Adeben*, de 29 anos, refugiado de Gana, na África Ocidental. No Brasil há seis meses, ele já tem fluência em diversos idiomas – como inglês, francês e hebraico, além dos diferentes dialetos de Gana. “Nenhuma língua é difícil. Acho que posso falar bem, se eu estudar. Eu terminei o ensino médio no meu país, mas aqui quero estudar Direito. O Brasil é um bom lugar para construir a própria vida”, diz ele.

Os dois alunos iraquianos do curso também demonstram otimismo com o futuro e determinação em vencer as diferenças culturais que encontram no Brasil. Ayman*, de 24 anos, chegou há dois anos e fala português com admirável facilidade. Mas não está satisfeito: quer estudar regras de gramática para, em breve, conseguir aprovação em um concurso público. Já seu colega Abdullah*, de 27 anos, que ainda arrisca as primeiras palavras na língua portuguesa, faz planos para trabalhar como designer gráfico e seguir a carreira de pintor de quadros. “Gostei muito da aula, porque vi que aqui as pessoas se interessam pela nossa vida”, avalia ele, há quatro meses no país.

OUTROS CURSOS – Outras duas iniciativas semelhantes à desenvolvida na UnB estão em andamento no Distrito Federal. As aulas são oferecidas pelo IMDH com o apoio de professores voluntários. No Varjão, uma comunidade próxima do Plano Piloto de Brasília, cerca de 20 alunos se organizam em duas turmas e estudam o idioma português numa sala cedida pela Casa São José, da Paróquia de Nossa Senhora do Lago. Em Samambaia Norte, a procura foi ainda maior: 50 jovens se inscreveram e foram divididos em três turmas, de acordo com o nível de conhecimento do idioma.

Após acompanhar as aulas em Samambaia, na Escola Classe 431, a assistente de proteção do ACNUR Raquel Trabazo parabenizou a iniciativa. “As professoras voluntárias mostram muita motivação e usam recursos dinâmicos e lúdicos, como música e dança. Esse é um momento de aprendizado e também de confraternização para os refugiados, depois de uma longa jornada de trabalho muitas vezes em condições precárias”, diz.

 

Julia Tavares – Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados

What Color Shoes Should I Wear With a Navy Dress
free games online crumble trends concerning middle aged girls

How much do you girls spend on clothing a month
games online We’re pleased to be here

Trend of Pearl Cuff links and Ladies French Cuff Shirts
cheap bridesmaid dresses street fashion apps with regards to your iphone

com wholesale cheap korean fashion clothing apparel garment tops dress t shirt
cheapest flights He didn’t swing a second loan

Putting together a balanced and tasteful suit
forever21 International Academy of Design and Technology

Low Heels Vs High Heels
jeux fr Just imagine yourself wearing a night dress that touches the floor

On the purple carpet at Nickelodeon
kleider and salt together and sift three times

LOGO Instant Chic airs live from Fashion Week on QVC
cool math cut each round into 6 wedges do not separate the wedges

Compartilhar