UNILA busca fundações de apoio para futuras parcerias

UNILA busca fundações de apoio para futuras parcerias

A UNILA está buscando fundações de apoio, registradas e credenciados junto ao Ministério da Educação (MEC) e Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), para compor uma base de interessados em futuras parcerias.

Os requisitos e exigências legais estão dispostos no edital de chamamento público da Reitoria 031/2019. O cadastramento termina em 4 de novembro. Esta é a primeira vez que a UNILA faz uma chamada para este fim.

As fundações – ligadas a instituições de ensino superior – darão apoio especializado a projetos de ensino, pesquisa, extensão e de desenvolvimento institucional, científico e tecnológico e estímulo à inovação, inclusive na gestão administrativa e financeira necessária à execução desses projetos. O credenciamento foi definido pelo Conselho Universitário (CONSUN) e é válido por um ano, sendo possível a prorrogação por mais um ano.

“A UNILA não tem condições de criar uma fundação própria, e o caminho é utilizar fundações que já são credenciadas para atender outras universidades e pedir uma autorização ao MEC e ao MCTIC para que possam nos atender também”, comenta Daniel Teotônio do Nascimento, integrante da Comissão Julgadora de Registro de Interesse de Fundações de Apoio (CJRI). Ele e outros servidores vêm trabalhando, desde 2014, para buscar a melhor alternativa para a Universidade.

O credenciamento não significa que a fundação irá atuar de imediato junto à UNILA. As relações entre as Fundações de Apoio e a UNILA serão formalizadas por meio de contratos, convênios, acordos ou ajustes individualizados, com objetos específicos e prazo determinado. “Credenciamento e autorização não são garantia de que a UNILA vá contratar. Queremos ter um portfólio e, quando houver recursos, publicar editais específicos para a seleção e contratação”, explica Viviana Beatriz Huespe Aquino Vieira, também integrante da CJRI.

A contratação de fundações de apoio é uma alternativa utilizada pelas chamadas novas e novíssimas universidades federais – criadas há 10 anos ou menos – e que ainda não têm volume de projeto suficiente para implantar a sua própria fundação de apoio. Por isso, essas universidades novas e novíssimas buscam nas fundações de universidades já consolidadas as condições para a operacionalização de projetos.

“Às vezes, o professor tem o recurso para executar o seu projeto, mas sozinho não consegue – e isso já acontece bastante hoje – porque não tem condições para fazer tudo que precisa: contratar profissionais, adquirir materiais e equipamentos. A fundação vai ajudar a operacionalizar o projeto, vai gerir esse recurso para o pesquisador”, exemplifica Viviana.

Informações adicionais podem ser obtidas pelo telefone (45) 3576-7343 e pelo endereço eletrônico planejamento@unila.edu.br.

Compartilhar