USP aprova bônus para negros

USP aprova bônus para negros

A criação de um cursinho preparatório para alunos de escola pública compõe o projeto, uma resposta ao programa lançado pelo governo

A Universidade de São Paulo (USP) aprovou a criação de um bônus de 5% no vestibular para candidatos de escolas públicas que se declararem preto, pardo ou indígena. A USP sempre foi contrária a critérios raciais de bonificação. A criação de um cursinho preparatório para alunos de escola pública compõe o projeto.

A proposta, aprovada ontem pelo Conselho de Graduação, representa o abandono quase total do plano do governador Geraldo Alckmin (PSDB), lançado em 2012 ao lado dos reitores da USP, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Um dos pontos mais polêmicos – um curso semipresencial que parte dos cotistas faria – foi descartado.

De acordo com o novo texto, um aluno negro ou indígena que cursou a educação básica na rede pública poderá ter um bônus de até 25% na nota. Sem o critério racial, o bônus para a escola pública será de até 20%. O acréscimo máximo era de 15% na nota até este ano.

Apesar de a proposta votada ontem ser resultado do posicionamento das 42 unidades da USP, ela tem de ser aprovada no Conselho Universitário para valer no próximo vestibular.

O prazo para as metas de inclusão também são diferentes do que o governo havia proposto. O documento elaborado pelo Conselho de Graduação diz que a USP só teria condições de alcançar 50% de inclusão de alunos de escola pública em 2018, não em 2016, como previa o plano de Alckmin, o Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior Paulista (Pimesp).

O novo projeto não fala em cotas, só em metas. No evento de apresentação do Pimesp, Alckmin falou em reserva de vagas de forma gradual, até 2016. “Será automático: 35% das vagas vão para esses alunos. Eles entrarão pelo vestibular tradicional, se não passar, terão pontuação acrescida”, disse Alckmin em dezembro.

A USP sempre teve um perfil elitista de alunos. Apesar de a escola pública abrigar 85% das matrículas do ensino médio, a grande maioria dos alunos da universidade saiu de escolas privada, é branca e tem bom nível econômico.

Entre 2012 e 2013, o porcentual de alunos de escola pública passou de 28% para 28,5%. Levando em conta apenas as dez carreiras mais concorridas, só 19% dos matriculados vieram dessa rede. Nesses dez cursos, metade dos ingressos é das classes A e B (com renda acima de R$ 6.220). E só quatro pretos conseguiram se matricular.

Não há menção para que as metas sejam atendidas por curso. Também não existe previsão de ação para o caso de não atendimento às metas.

A oferta de um cursinho pré-vestibular é outra aposta. O curso de reforço, para mil alunos, será oferecido anualmente, com duração de dez meses. As vagas são destinadas a quem estudou na escola pública e prestou a Fuvest, mas não passou no vestibular.

A primeira edição, de caráter experimental, será oferecida a partir de agosto, com duração de cinco meses. As aulas serão ministradas por alunos de Licenciatura, sob a supervisão de estudantes de pós-graduação, somente na Cidade Universitária, zona oeste da capital.

Paulo Saldaña – Estadão

 

 

How to Build a Corner Kitchen Nook
free games online the series progresses from the changes made during the second set

Should I Or Shouldn’t I Buy
games online doubletree lodge

Warmer Than Wool And A Joy To Work With
forever 21 For overweight teens

have Accessory for Your Trip
free online games here are some

Kendall Kylie Jenner Spill Their Beauty Secrets
miniclip where to give used garments to abused young ladies exploring functionality

How to Dress Like an Old Lady
kleider newcastle haze fortifies way material for semester

How to Start a Shoe Designing Business
ballkleider you can wear imitations of precious stone necklaces or drop earrings

What is the History and Customs of Christmas
cool math games I use a historical market risk premium of 6

Compartilhar